Dólar hoje: moeda americana opera de lado à espera de falas de Powell e Campos Neto

No pregão anterior, o dólar encerrou as negociações cotado a R$ 4,92, com alta de 0,30%; confira o desempenho do câmbio no início das negociações

Efectivo
01 de Dezembro, 2023 | 09:52 AM

Bloomberg Línea — O dólar (USDBRL) opera próximo da estabilidade na manhã desta sexta-feira (1º), com os investidores à espera de falas dos presidentes dos bancos centrais no Brasil e nos Estados Unidos.

Por volta das 9h45 (horário de Brasília), a moeda americana era cotada a R$ 4,92, com leve baixa de 0,07%.

No pregão anterior, o dólar encerrou as negociações cotado a R$ 4,92, com alta de 0,30%. O valor máximo chegou a R$ 4,94, e o mínimo foi de R$ 4,91.

O real tem alta de 7,12% em relação ao dólar no acumulado do ano. O valor máximo foi registrado no dia 3 de janeiro, quando a cotação do dólar atingiu R$ 5,46. Já a mínima foi de R$ 4,73 no dia 31 de julho. A cotação média do dólar no período foi de R$ 5,00.

PUBLICIDADE

Neste ano, a moeda brasileira ocupa a posição número 4 em uma cesta das 23 moedas de mercados emergentes com maior valorização.

A divisa com o maior desempenho no ano é o peso colombiano, com variação de 16,87%. Já a divisa com o menor desempenho é o peso argentino, que soma perdas de 103,51%.

As moedas latino-americanas tiveram o seguinte desempenho até o momento no ano:

PUBLICIDADE
  • O peso colombiano (COP) se valoriza em 16,87%;
  • O sol peruano (PEN) se valoriza em 1,80%;
  • O peso mexicano (MXN) se valoriza em 10,89%;
  • O peso chileno (CLP) se desvaloriza em 2,25%;
  • O peso argentino (ARS) se desvaloriza em 103,51%;

Já o Ibovespa (IBOV) subiu 0,92% no fechamento de ontem, 30 de novembro, aos 126.165,64 pontos.

As ações do Ibovespa com melhor desempenho ontem, 30 de novembro, foram:

  • Alpargatas (ALPA4) subiu 4,02%;
  • Vibra Energia (VBBR3) subiu 3,23%;
  • IRB-Brasil (IRBR3) subiu 3,21%;

E as de pior desempenho foram:

-- Conteúdo elaborado com auxílio de dados automatizados da Bloomberg.

Leia também:

Setor de óleo e gás ganha fôlego em LatAm, com investimentos previstos de US$ 500 bi

Brasil vai aderir à carta de cooperação da Opep+ em 2024, diz ministro