Dólar hoje: moeda americana fecha em queda nesta terça-feira, 6 de fevereiro

Veja como foi o desempenho do câmbio no encerramento das negociações

Crédito: (Shutterstock)
06 de Fevereiro, 2024 | 06:24 PM

Bloomberg Línea — O dólar fechou em queda ao fim das negociações nesta terça-feira, 6 de fevereiro, às 17h58 (horário de Brasília). A moeda americana encerrou o dia cotada a R$ 4,96, com desvalorização de 0,46%.

A cotação máxima alcançada no dia foi de R$ 4,98, enquanto a mínima bateu em R$ 4,95.

No mercado internacional, os investidores se preparam para uma oferta de US$ 42 bilhões em títulos do Tesouro americano de 10 anos na quarta-feira.

Uma oferta recente de US$ 54 bilhões de títulos de três anos atraiu uma demanda sólida, fortalecendo o sentimento do mercado e fazendo com que os traders ignorassem uma série de comentários cautelosos de autoridades do Federal Reserve.

PUBLICIDADE
LEIA +
Adam Neumann prepara oferta pela WeWork cinco anos após ter sido ‘expulso’

Autoridades do Fed se fizeram coro aos comentários recentes de Jerome Powell de que o banco central não terá pressa em cortar as taxas.

Neste ano, o dólar acumula alta de 2,20% em relação ao real. O valor máximo foi registrado no dia 22 de janeiro, quando a cotação do dólar atingiu R$ 4,98. Já a mínima foi de R$ 4,85 no dia 12 de janeiro. A cotação média do dólar no período foi de R$ 4,92.

O desempenho do dólar em relação ao real está acima da média das principais moedas dos países emergentes. A moeda com o maior desempenho no ano é rúpia indiana, com variação de 0,18%. Já a divisa com o menor desempenho é o peso chileno, que variou -7,75%.

PUBLICIDADE

As ações do Ibovespa com melhor desempenho no pregão foram:

  • Natura (NTCO3) subiu 6,60%
  • Centrais Eletricas Brasileiras SA (ELET3) subiu 5,88%
  • Bradesco (BBDC4) subiu 5,76%

E as de pior desempenho foram:

  • Weg (WEGE3) caiu 0,60%
  • Rumo SA (RAIL3) caiu 0,71%
  • Localiza (RENT3) caiu 2,72%

- Conteúdo elaborado com auxílio de dados automatizados da Bloomberg.

Leia também

Crise da Boeing ganha novo capítulo com pressão de trabalhadores por aumento de 40%

‘Não sacrificamos o investimento para garantir corte de custos’, diz CFO do Itaú