Credit Suisse pode perder US$ 2,2 bi no 3º trimestre com liquidação de operações

Perda de US$ 1,6 bi pode ocorrer depois que o UBS decidiu deixar algumas carteiras de empréstimos; outros US$ 600 mi devem vir do “fim de certos acordos de gestão”

UBS sinalizou no mês passado que está fechando dois terços do banco de investimentos do Credit Suisse
Por Alessandro Speciale - Myriam Balezou
29 de Setembro, 2023 | 05:20 AM

Leia esta notícia em

Espanhol

Bloomberg — O Credit Suisse informou que poderá incorrer em perdas de US$ 2,2 bilhões no terceiro trimestre após sua aquisição pelo UBS Group (UBS), conforme vá se retirando de seus negócios.

Uma perda de US$ 1,6 bilhão provavelmente ocorrerá depois que o UBS decidiu deixar algumas carteiras de empréstimos, de acordo com o relatório financeiro do Credit Suisse para o primeiro semestre do ano.

Os empréstimos reclassificados fazem parte dos ativos do Credit Suisse que foram transferidos pelo UBS para uma unidade “não essencial” para liquidação. Uma perda adicional de US$ 600 milhões pode resultar da decisão de “encerrar certos acordos de gestão”, disse o banco.

As perdas com as carteiras de empréstimos não afetarão os resultados do UBS no terceiro trimestre, porque o impacto já havia sido levado em conta anteriormente, de acordo com Andreas Venditti, analista da Vontobel.

PUBLICIDADE

O UBS, que registrou um lucro recorde no segundo trimestre, sinalizou no mês passado que está fechando dois terços do banco de investimentos do Credit Suisse, incluindo quase todas as suas operações de negociação, como parte dos planos para sair dos negócios que não se encaixam em sua estratégia atual.

De modo geral, a unidade “não essencial” tinha aproximadamente US$ 55 bilhões de ativos ponderados pelo risco no final de junho. Cerca de US$ 8 bilhões em posições foram abandonadas durante o último trimestre.

Os investidores permanecem otimistas quanto à capacidade do UBS de integrar com sucesso seu antigo rival. As ações do banco subiram 33% este ano e estão preparadas para obter seu melhor desempenho trimestral em 14 anos. As ações avançavam 0,9% às 9h25 de sexta-feira em Zurique.

PUBLICIDADE

O UBS registrou um lucro de US$ 29 bilhões antes dos impostos no segundo trimestre, resultado da diferença contábil entre o preço de US$ 3,8 bilhões que o banco pagou pelo Credit Suisse e o valor do balanço patrimonial do credor adquirido.

O CEO do UBS, Sergio Ermotti, disse esta semana que está vendo um “bom momento” na recuperação dos fundos que os clientes retiraram do Credit Suisse antes da aquisição, mesmo que não seja provável a recuperação de todos os cerca de US$ 200 bilhões que os clientes retiraram.

“Serão necessários alguns trimestres para recuperar uma boa parte”, disse Ermotti em uma entrevista à Bloomberg Television, em Pequim, na segunda-feira. “Recuperar tudo será quase impossível, mas nosso objetivo é recuperar o máximo possível.”

Os clientes do Credit Suisse retiraram 100 bilhões de francos em ativos durante os primeiros seis meses do ano, ou 8% do total de ativos sob gestão, segundo o relatório. Desse total, 39 bilhões de francos deixaram o credor no segundo trimestre.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também:

Objetivo agora é recuperar ativos que Credit Suisse perdeu, diz CEO do UBS