Com mercados fechados na Ásia, títulos australianos caem antes de CPI nos EUA

Bolsas estarão fechadas na segunda (12) no Japão, China, Hong Kong, Singapura, Taiwan, Coreia do Sul, Malásia e Vietnã devido ao feriado do Ano Novo Lunar

Ano Novo Lunar na China
Por Richard Henderson
11 de Fevereiro, 2024 | 08:51 PM

Bloomberg — Os títulos australianos e neozelandeses caíram, refletindo a venda de Treasuries na sexta-feira (9), antes dos dados de inflação dos Estados Unidos nesta semana que ajudarão a identificar a trajetória do Federal Reserve.

Os rendimentos de 10 anos dos títulos desses dois países subiram três pontos-base no início das negociações de segunda-feira (12), após seus equivalentes nos EUA terem avançado na sexta-feira. As ações australianas caíram, enquanto as principais moedas permaneceram amplamente estáveis após um índice do dólar ter enfraquecido na sexta.

Segunda-feira é marcada por amplos fechamentos em toda a Ásia, com mercados fechados no Japão, China, Hong Kong, Singapura, Taiwan, Coreia do Sul, Malásia e Vietnã devido ao feriado do Ano Novo Lunar. Os mercados também estarão fechados no Brasil em meio ao feriado prolongado de Carnaval.

LEIA +
‘Big brother’ no mercado dos EUA opõe a SEC ao bilionário Ken Griffin, da Citadel

As ações dos EUA encerraram sexta-feira com uma alta que levou o índice S&P 500 a fechar acima dos 5.000 pontos pela primeira vez.

PUBLICIDADE

O iene operava próximo da estabilidade, acima de 149 por dólar após atingir uma mínima de dois meses na sexta-feira. A fraqueza seguiu comentários de banqueiros centrais de que o Banco do Japão levaria tempo para aumentar as taxas de juros. O iene tem o pior desempenho entre as moedas do Grupo dos 10 este ano.

Os dados de inflação dos EUA, previstos para terça-feira (13), serão cruciais para o Fed. A inflação anual esperada é de 2,9%, de acordo com estimativas de economistas — essa seria a primeira leitura abaixo de 3% desde março de 2021.

A inflação subjacente deve cair ligeiramente para 3,7% em uma base anual, de acordo com as previsões médias dos economistas consultados pela Bloomberg.

PUBLICIDADE

“A alta inflação raramente foi contida sem precipitar uma recessão,” disse Ed Yardeni, presidente da Yardeni Research, em uma nota. “O Fed tem direcionado a inflação para baixo em direção à sua meta de 2% enquanto permite que a economia dos EUA voe, evitando um pouso forçado.”

O S&P 500 subiu 0,6% na sexta-feira para encerrar em um novo recorde, enquanto o Nasdaq 100 subiu 1%. Os ganhos foram impulsionados por ações de tecnologia e sinais positivos dos balanços do quarto trimestre.

Quatro em cada cinco das empresas que divulgaram resultados na temporada de resultados até agora superaram as expectativas, melhorando a perspectiva para os lucros corporativos entre os analistas.

O avanço das ações dos EUA ocorreu mesmo enquanto os traders adiam as expectativas de alívio na política do Federal Reserve após comentários de banqueiros centrais que se tornaram mais hawkish, e dados econômicos que não mostram necessidade imediata de reduzir as taxas de juros.

A precificação dos swaps de mercado mostra que os investidores antecipam a chance de um corte do Fed em março em 15%, abaixo dos 65% no mês anterior. Os traders também preveem quatro cortes de taxa em 2024, abaixo dos sete previstos no final do ano passado.

Entre as commodities, os preços do petróleo subiram na sexta-feira, somando cinco dias consecutivos de aumentos para o preço do West Texas Intermediate, o benchmark dos EUA.

Esses ganhos podem ser reduzidos após comentários do ministro das Relações Exteriores do Irã durante o fim de semana, que disse que a guerra em Gaza pode estar mais próxima de uma “solução diplomática”.

PUBLICIDADE

Na Ásia, a agenda da semana conta com relatórios de inflação e produção industrial para a Índia.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também:

Wegovy 2.0? Como nova pílula para perda de peso criou um dilema para Novo Nordisk

Por que há prédios em Nova York que estão à venda com até 50% de desconto