Com investidores no aguardo do PCE, mercados na Ásia sinalizam queda

Núcleo do indicador de inflação mais observado por autoridades do Fed deve ter acelerado de 0,2% em dezembro para 0,4% em janeiro, segundo projeção da Bloomberg Economics

Painel com cotações em Xangai: economia chinesa segue no radar de preocupação de investidores da região (Foto: Raul Ariano/Bloomberg)
Por Richard Henderson
28 de Fevereiro, 2024 | 08:39 PM

Bloomberg — As ações parecem prontas para recuar na abertura dos mercados na Ásia nesta quinta-feira (29), enquanto os títulos do Tesouro americano e o dólar se fortaleceram antes da divulgação do indicador chave de inflação observado pelas autoridades do Federal Reserve às 10h30 da manhã (no horário de Brasília) - o PCE, ou Personal Consumption Expenditures, de janeiro.

Futuros de ações para índices na Austrália, no Japão e em Hong Kong estavam todos em queda no início das negociações asiáticas após pequenas perdas para o S&P 500 e Nasdaq 100 na quarta-feira (28).

As quedas nas ações dos EUA aconteceram à medida que novos dados mostraram um forte gasto do consumidor, apesar de uma pequena revisão do crescimento do PIB dos EUA no quarto trimestre de 2023.

Segundo estimativa da Bloomberg Economics, tanto o índice cheio do PCE como o núcleo devem ter avançado 0,4% em janeiro na base mensal, acelerando, portanto, em relação ao 0,2% do mês anterior. Por um efeito base, no entanto, isso significaria desacelerar na taxa em 12 meses, para 2,4% no índice cheio (versus 2,6% até dezembro) e para 2,8% no núcleo (versus 2,9%).

PUBLICIDADE

O presidente do Fed de Nova York, John Williams, disse que o banco central tem “um longo caminho a percorrer” em sua batalha contra a inflação, enquanto o chefe do Fed de Atlanta, Raphael Bostic, instou paciência em relação a ajustes na política.

No geral, comentários recentes de autoridades do Fed destacaram a importância da análise de novos dados na orientação das movimentações de política monetária.

Após um aumento visto nos índices de preços ao consumidor (CPI) e ao produtor (PPI) de janeiro, o PCE, que mede a variação dos custos pessoais com consumo, provavelmente destacará o caminho acidentado que o banco central americano enfrenta para alcançar sua meta de 2%. O PCE pode validar comentários recentes de autoridades mostrando que não há pressa para aliviar a política monetária.

PUBLICIDADE

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Mercado ajusta projeções para cortes de juros em 2024 com economia forte nos EUA