Cinco coisas que você precisa saber para começar esta terça-feira, 14 de maio

Investidores repercutem hoje ata do Copom e balanço da Petrobras; dados de inflação ao produtor nos EUA também estão no radar

A Petroleo Brasileiro SA (Petrobras) MV30 Carioca floating, production, storage and offloading (FPSO) vessel anchored in Angra dos Reis, Rio de Janeiro state, Brazil, on Thursday, July 1, 2021. Few oil industries outside the Middle East are as well positioned as Brazil’s to survive an aggressive pullback in consumption and prices as developed nations tackle emissions with more urgency. Photographer: Dado Galdieri/Bloomberg
14 de Maio, 2024 | 09:13 AM

Bloomberg Línea — Os investidores analisam nesta terça-feira (14) a ata do Comitê de Política Monetária (Copom) em busca de sinais sobre as próximas decisões do Banco Central (BC) em relação à Selic. Nos Estados Unidos é publicada a inflação ao produtor.

Destaque também para o balanço da Petrobras (PETR3, PETR4), divulgado ontem. A empresa reportou no primeiro trimestre uma queda de 37,9% do lucro líquido em relação à igual período do ano passado, para R$ 23,7 bilhões.

Confira a seguir cinco destaques desta terça-feira (14):

1. Ata do Copom

Para os economistas do Banco Central, o ritmo do corte da Selic foi diminuído porque “observou-se elevação na projeção de inflação para o horizonte relevante de política monetária”.

PUBLICIDADE

“De forma análoga, as expectativas de inflação para o mesmo horizonte, que se mostravam desancoradas em patamar estável nos últimos trimestres, se elevaram desde a reunião anterior. Além disso, o cenário de mercado de trabalho e de atividade tem apresentado maior dinamismo do que o esperado pelo Comitê. Por fim, julgou-se que o cenário externo está mais adverso e requerendo maior cautela na condução da política monetária”, diz a ata.

Segundo a ata, os membros do Comitê que votaram pela redução de 0,50 ponto percentual na taxa Selic também “compartilharam da percepção de aumento das incertezas internas e externas entre as reuniões de março e maio”.

Apesar disso, todos os membros concordaram que a adoção de uma política monetária mais contracionista, mais cautelosa e sem indicações futuras sobre os próximos movimentos mostrava-se mais apropriada diante do cenário global incerto e do cenário doméstico marcado por resiliência na atividade e expectativas desancoradas.

PUBLICIDADE

2. Resultado da Petrobras

A Petrobras reportou no primeiro trimestre uma queda de 37,9% do lucro líquido em relação a igual período do ano passado, para R$ 23,7 bilhões.

Segundo a petroleira, a remuneração aos acionistas relativa ao período totaliza R$ 14,6 bilhões, sendo R$ 1,15 bilhão em recompra de ações e R$ 13,45 bilhões como dividendos e Juros Sobre Capital Próprio (JCP).

A queda do lucro se deve principalmente aos menores volumes de vendas e à redução do preço do petróleo e da margem de diesel, destaca a estatal. O resultado também foi impactado pela piora do resultado financeiro, em meio à desvalorização do real frente ao dólar, acrescenta.

De janeiro a março, a estatal registrou um lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) de R$ 60 bilhões, queda de 17,2% na comparação anual.

3. Mercados

As ações europeias e os futuros de ações dos Estados Unidos operam sem força pelo segundo dia consecutivo nesta terça-feira (14), com os traders aguardando dados de inflação dos EUA.

Na Europa, o índice Stoxx 600 operava de lado, negociado perto de uma alta recorde. As ações da Anglo American caíram depois que a mineradora delineou uma grande reestruturação para se proteger de uma abordagem de aquisição da BHP, com analistas citando riscos de execução.

Em Wall Street, os futuros do S&P 500 e do Nasdaq 100 também eram negociados perto da estabilidade. Dados de preços ao produtor dos EUA e falas do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, estão no radar nesta terça.

PUBLICIDADE

4. Manchetes dos principais jornais

Estado de S. Paulo: PEC do Quinquênio: magistrados ganham quase o dobro do salário de advogado com doutorado; veja estudo

Folha de S. Paulo: Guaíba sobe, faz Porto Alegre correr para erguer barreiras e pode manter cidade inundada por 1 mês

O Globo: Chuvas no RS: especialistas estimam que esvaziamento do Guaíba pode demorar um mês

Valor Econômico: RS ganha fôlego para voltar a investir com novas medidas, afirmam especialistas

PUBLICIDADE

5. Agenda

Estados Unidos:

  • 9h30: PPI
  • 11h: Discurso de Jerome Powell, Presidente do Fed
  • 17h30: Estoques de Petróleo Bruto Semanal API

Zona do Euro:

  • 10h15: Pronunciamento de Schnabel, do BCE

-- Com informações da Bloomberg News.

Tamires Vitorio

Jornalista formada pela FAPCOM, com experiência em mercados, economia, negócios e tecnologia. Foi repórter da EXAME e CNN e editora no Money Times.