Ásia sinaliza abertura ‘mista’ depois de novos dados econômicos dos EUA

Investidores reavaliam apetite a risco diante de novos dados que apontam economia americana resiliente, apesar de sinalização do Fed de três cortes de juros em 2024

Nova loja da Apple em Xangai, na China, um de seus principais mercados (Foto: Qilai Shen/Bloomberg)
Por Richard Henderson
21 de Março, 2024 | 07:55 PM

Bloomberg — As ações na Ásia apontavam para uma abertura “mista” nesta sexta-feira (22), sinalizando que os investidores começam a repensar o otimismo que impulsionou as ações da região para cima na sessão anterior, à medida que novos sinais de inflação persistente apareceram nos EUA.

Os futuros de ações do Japão subiram, enquanto os da Austrália e de Hong Kong caíram. Esses movimentos seguiram um forte rali para um índice das ações da região, que atingiu o nível mais alto em quase dois anos.

O S&P 500 subiu 0,32% para uma alta recorde na quinta-feira (21) - seu 20º do ano -, liderado por ganhos nos setores industriais e bancários.

As ações da Reddit dispararam 48% em sua estreia na NYSE. Outras ações de tecnologia oscilaram, com a Apple e a Alphabet caindo em meio à pressão regulatória crescente.

PUBLICIDADE

O Departamento de Justiça dos EUA e 16 procuradores-gerais estão processando a fabricante do iPhone por alegada violação das leis antitruste. Na Europa, a empresa está enfrentando investigações sobre se está cumprindo a Lei de Mercados Digitais da região. Na Ásia, por outro lado, a Apple acaba de abrir uma loja em Xangai, que contou até com a presença do CEO, Tim Cook.

As ações da Apple caíram mais de 4% na quinta, eliminando US$ 115 bilhões em valor de mercado. Os dados econômicos dos EUA mais recentes apoiaram o argumento de que o Fed pode ser forçado a recuar em suas previsões de redução de taxas um dia depois de o banco central indicar três cortes de 25 pontos-base em 2024.

Os dados sobre habitação, manufatura e mercado de trabalho divulgados na quinta-feira nos EUA apontaram para uma economia resiliente que poderia levar o Federal Reserve a reduzir as taxas de juros mais lentamente do que o mercado espera. Os dados pressionaram os títulos do Tesouro.

PUBLICIDADE

O rendimento do Tesouro de dois anos subiu três pontos-base, enquanto o dos títulos de 10 anos subiu menos de um ponto-base. A pressão ascendente sobre os rendimentos apoiou um índice do dólar, que subiu 0,4% na quinta-feira.

O iene permaneceu praticamente inalterado em 151 por dólar nas negociações iniciais de sexta.

O ex-secretário do Tesouro Lawrence Summers disse que o Fed tem “dedos nervosos para começar a cortar as taxas”, o que pode não ser necessário por algum tempo, dada a forte economia e os mercados financeiros em alta. “Não sei por que estamos com tanta pressa”, disse Summers.

O Société Générale aumentou sua previsão para o fim do ano do S&P 500 de 4.750 para 5.500 pontos — a previsão mais alta entre os estrategistas monitorados pela Bloomberg.

“O excepcionalismo dos EUA está se fortalecendo cada vez mais”, escreveu Manish Kabra, chefe de estratégia de ações dos EUA do banco francês. “Apesar do otimismo generalizado do mercado, vemos isso como racional em vez de excessivo.”

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Ibovespa descola de Wall Street e recua 0,75%; Petrobras cai quase 3%