Trump é indiciado sob acusação de reter documentos do governo dos EUA

Ex-presidente enfrenta 7 acusações, como obstrução de justiça, declarações falsas e ocultação ilegal de documentos, incluindo da Defesa e de armas do país; ‘eu sou inocente’, disse Trump

O ex-presidente dos EUA Donald Trump enfrenta novas acusações na Justiça, desta vez relacionadas à suposta ocultação de documentos federais (Foto: Seth Wenig/Associated Press/Bloomberg)
Por Chris Strohm - Zoe Tillman - Emily Birnbaum
09 de Junho, 2023 | 03:58 PM

Bloomberg — Donald Trump foi indiciado por sua recusa em devolver documentos confidenciais federais encontrados em sua casa na Flórida, a primeira vez que um ex-presidente enfrenta acusações federais de conduta criminosa.

Trump enfrenta sete acusações, incluindo retenção intencional de informações de defesa nacional, ocultação ilegal de documentos federais, conspiração para obstruir a justiça e fazer declarações falsas, de acordo com a acusação aberta no tribunal federal de Miami.

A acusação relata evidências que a equipe do procurador especial Jack Smith reuniu de testemunhas e outras fontes em investigação de dois anos para descobrir quais documentos do governo foram levados com o ex-presidente quando ele deixou a Casa Branca – e se algum crime foi cometido.

Trump alegou sua inocência em um post na noite de quinta-feira (8) em sua plataforma Truth Social e disse que foi intimado a comparecer ao tribunal federal de Miami na terça-feira (13).

PUBLICIDADE

“Nunca pensei que fosse possível que tal coisa pudesse acontecer a um ex-presidente dos Estados Unidos”, escreveu ele. “Eu sou um homem inocente!”

A busca sem precedentes do FBI na casa de Trump em Mar-a-Lago em 8 de agosto de 2022 ocorreu depois que funcionários do Arquivo Nacional passaram meses tentando recuperar os registros ainda em sua posse. Durante a busca, os agentes retiraram 27 caixas e diversos outros acervos documentais contendo 11 conjuntos de materiais sigilosos.

Os documentos em suas caixas incluíam “informações sobre capacidades de defesa e armas” dos EUA e de países estrangeiros, programas nucleares dos EUA, “potenciais vulnerabilidades dos Estados Unidos e seus aliados a ataques militares” e “planos para possível retaliação em resposta a um ataque estrangeiro”.

PUBLICIDADE

“A divulgação não autorizada desses documentos classificados pode colocar em risco a segurança nacional dos Estados Unidos”, segundo a acusação. “Trump não estava autorizado a possuir ou reter esses documentos confidenciais.”

Waltine “Walt” Nauta, um ex-manobrista militar que seguiu Trump após sua saída da Casa Branca para se tornar seu assessor pessoal em Mar-a-Lago, também foi indiciado por acusações relacionadas à conspiração. A acusação disse que Nauta foi instruído por Trump a “mover caixas de documentos para escondê-los do advogado de Trump, do FBI e do grande júri”.

“Trump esteve pessoalmente envolvido neste processo. Trump fez com que suas caixas, contendo centenas de documentos classificados, fossem transportadas da Casa Branca para o Mar-a-Lago Club”, diz a acusação.

Em julho de 2021, no Trump National Golf Club em Bedminster, Nova Jersey, durante uma reunião gravada em áudio com um escritor, um editor e dois membros de sua equipe, nenhum dos quais com autorização de segurança, Trump mostrou e descreveu um “plano de ataque " contra um país estrangeiro não identificado que disse ter sido preparado para ele pelo Departamento de Defesa e um alto oficial militar.

Trump disse que, como presidente, poderia ter retirado o sigilo do documento que estava mostrando a outras pessoas. “Veja como presidente, eu poderia ter retirado o sigilo”, disse Trump, de acordo com uma transcrição da acusação. “Agora eu não posso, você sabe, mas isso ainda é um segredo.”

Os documentos encontrados eram de pelo menos sete agências governamentais, incluindo a Agência Central de Inteligência, o Departamento de Defesa, a Agência de Segurança Nacional, o Departamento de Energia e mais, de acordo com a acusação.

A formalização da campanha de Trump em novembro passado para concorrer novamente à presidência em 2024 levou o procurador-geral Merrick Garland a nomear Smith como conselheiro especial naquele mês. Enquanto Smith se acomodava, o primeiro semestre de 2023 viu uma procissão de testemunhas do grande júri, lutas de intimações e mudanças na equipe de defesa legal de Trump.

PUBLICIDADE

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Trump se entrega, é indiciado pela Justiça dos EUA e se declara inocente

DeSantis se une a Musk em live para anunciar que vai concorrer à Casa Branca