PIB da China cresceu 5,2% em 2023, afirma primeiro-ministro em Davos

Li Qiang destacou os estímulos que o país tem feito para aumentar a confiança na economia; dados oficiais serão divulgados nesta quarta

a
Por Bloomberg News
16 de Janeiro, 2024 | 04:06 PM

Bloomberg — A economia da China cresceu cerca de 5,2% em 2023, superando a meta oficial de crescimento do governo para o ano e sem depender de um “estímulo massivo”, afirmou o primeiro-ministro chinês Li Qiang em Davos.

“No ano passado, em 2023, a economia chinesa se recuperou e cresceu com uma estimativa de cerca de 5,2%, superior à meta de 5% estabelecida no início do ano passado”, disse Li nesta terça-feira (16) em sua primeira participação como a segunda autoridade mais importante da China no Fórum Econômico Mundial anual.

“Na promoção do desenvolvimento econômico, não recorremos a um estímulo massivo”, acrescentou Li. “Não buscamos crescimento de curto prazo acumulando riscos de longo prazo.”

Li, que foi a autoridade de mais alto escalão que o país enviou para Davos desde a participação do presidente Xi Jinping em 2017, destacou os esforços que a China tem feito para inspirar confiança em sua economia e governo. Os comentários ocorreram um dia antes de o país divulgar uma série de dados econômicos para dezembro e 2023, incluindo os mais recentes números do crescimento do Produto Interno Bruto.

PUBLICIDADE

As declarações do primeiro-ministro na terça-feira confirmaram o que era amplamente esperado pelos economistas: que a China superaria sua meta oficial de crescimento para o ano, estabelecida em março passado durante uma reunião política anual crucial.

Na época do anúncio, muitos economistas consideraram a meta conservadora. No entanto, as persistentes pressões deflacionárias e a prolongada queda no setor imobiliário representaram grandes desafios ao longo de 2023. Embora Li tenha dito que o país não usou um “estímulo massivo” para atingir a meta, as autoridades implementaram algum suporte na forma de cortes de taxa de juros e ajuda fiscal.

A atenção agora se volta para como Pequim manterá esse impulso este ano enquanto lida com a erosão da confiança. O país está considerando a emissão de 1 trilhão de yuan (US$ 139 bilhões) em novos títulos sob um chamado plano especial de títulos soberanos este ano para fortalecer a economia, segundo pessoas familiarizadas com o assunto. A crescente preocupação é evidenciada pelos dados oficiais que mostraram que o investimento estrangeiro no terceiro trimestre do ano passado se tornou negativo pela primeira vez desde 1998.

PUBLICIDADE

Li reiterou a promessa de melhorar o ambiente para as empresas estrangeiras na China. Isso inclui a redução da “lista negativa” para investimentos estrangeiros, a remoção de restrições de acesso no setor manufatureiro e garantir um tratamento mais justo para empresas estrangeiras.

“No que diz respeito às preocupações de algumas multinacionais sobre questões como fluxo transfronteiriço de dados e participação em compras governamentais, estamos trabalhando na formulação de políticas relevantes”, disse Li.

Xi também abordou esse tema no passado: em um discurso de novembro para executivos de negócios nos Estados Unidos, o líder chinês sinalizou que melhorar o ambiente de negócios era uma prioridade. Uma reunião durante essa viagem com o presidente Joe Biden serviu para estabilizar os laços com os EUA após um ano de atritos, embora isso esteja sendo testado pela eleição em Taiwan de um novo líder que provavelmente pressionará por laços mais estreitos com Washington, frustrando Pequim.

Xi tem tentado equilibrar o desejo de reviver uma economia prejudicada pelo declínio no setor imobiliário, enquanto fortalece a segurança nacional em meio a tensões militares e comerciais persistentes com os EUA. Executivos estrangeiros têm sido especialmente preocupados com investigações de empresas de consultoria, a expansão de uma vaga lei antiespionagem e medidas que restringem o acesso a dados.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também:

Rio Tinto, concorrente da Vale, vê retomada do minério com estímulos na China

PUBLICIDADE

Chineses voltam a fazer viagens internacionais em massa e gastos pressionam o yuan

Carro elétrico ou a combustão? Para a Volks, o plano é ser flexível, diz CFO