No Reino Unido, ultrarricos buscam proteger o patrimônio antes das eleições

Tanto o Partido Conservador quanto o Trabalhista propõem acabar com tratamento fiscal preferencial; alguns milionários estrangeiros avaliam deixar o Reino Unido

Vista do Big Ben em Londres no Reino Unido
Por Ben Stupples - Charlie Wells
08 de Junho, 2024 | 05:27 PM

Bloomberg — Parte da população de alta renda do Reino Unido, desde bilionários estrangeiros até banqueiros da cidade de Londres, tem procurado proteger seu patrimônio depois que o primeiro-ministro Rishi Sunak surpreendeu o país ao convocar uma eleição.

Alguns estão fazendo investimentos, pagando contas que podem aumentar em breve ou deixando totalmente o país, de acordo com entrevistas com mais de duas dúzias de pessoas que possuem alto patrimônio, que pediram para não serem identificados, e consultores de patrimônio.

Tanto o Partido Conservador, que atualmente ocupa no poder, quanto a oposição do Partido Trabalhista se comprometeram a eliminar o tratamento fiscal preferencial para residentes não domiciliados, também conhecidos como non-doms, e estrangeiros ricos que vivem no Reino Unido.

O líder trabalhista Keir Starmer tem planos adicionais para taxar os ricos e as pesquisas mostram que seu partido está mais de 20 pontos percentuais à frente.

PUBLICIDADE

“Os clientes que antes hesitavam investir fora do Reino Unido entraram em pânico”, disse David Lesperance, consultor tributário e de imigração para os ultrarricos, com sede na Polônia, sobre a convocação de Sunak para a votação de 4 de julho. Ele “puxou o pino da granada eleitoral”.

Leia também: Como o erro de um trader fez o Citigroup perder US$ 48 milhões em 15 minutos

Esperava-se que o Reino Unido perdesse um total de 3.200 indivíduos de alto patrimônio líquido no ano passado, o maior número da Europa e o dobro do nível de 2022, segundo estimativa da empresa de consultoria em cidadania Henley & Partners.

A reputação da Grã-Bretanha de estabilidade jurídica e política foi abalada pelo Brexit e pela troca de cinco primeiros-ministros conservadores diferentes desde 2016.

Além de perder terreno para locais populares entre os endinheirados, como Mônaco, Dubai e Suíça, o Reino Unido também teve de competir com vizinhos europeus como Itália e Grécia, que lançaram programas para atrair estrangeiros ricos. O Reino Unido eliminou seu chamado programa de golden visa em 2022.

"Será um passo em falso sério e totalmente evitável se essas mudanças continuarem como anunciadas", disse Dominic Lawrance, sócio do escritório de advocacia global Charles Russell Speechlys, com sede em Londres.

Os trabalhistas também querem adicionar impostos sobre profissionais de private equity e mensalidades de escolas particulares. Como parte de sua proposta para não-domésticos, pretende-se remover as isenções de imposto sobre herança para ativos no exterior mantidos em estruturas fiduciárias.

PUBLICIDADE

A ideia dessa grande mudança ajudou a aumentar o preço do seguro para cobrir possíveis impostos sobre propriedades ricas.

Tratamento preferencial

O tratamento fiscal preferencial a não-residentes remonta a 1799 no Reino Unido, quando foi introduzido para proteger os investimentos coloniais. Entre os beneficiados recentemente estão o ex-diretor executivo do HSBC Holdings, Stuart Gulliver, e o ex-vice-presidente do Partido Conservador, Michael Ashcroft.

A esposa de Sunak, Akshata Murty, também foi se beneficiou do status, como foi revelado em 2022. Após reportagens na imprensa, Murty disse que pagaria impostos no Reino Unido sobre seus ganhos globais, em parte derivados da gigante indiana de software Infosys.

Os líderes trabalhistas estimaram anteriormente que poderiam arrecadar cerca de 3 bilhões de libras (US$ 3,8 bilhões) com a eliminação do regime, fazendo eco a uma pesquisa acadêmica recente que previu que menos de 100 estrangeiros ricos com esse status deixariam o país posteriormente.

dfd

O número de non-doms (britânicos que residem fora do Reino Unido por conta dos impostos) já está diminuindo, e caiu quase pela metade para 68.800 de 2012 até 2022, em parte devido a uma mudança nas regras para impedir que os indivíduos usem o benefício permanentemente. Ainda assim, aqueles que mantêm o status pagam mais de 8 bilhões de libras em impostos britânicos por ano, segundo os últimos dados oficiais.

Um escritório de advocacia da cidade recebeu mais de três dúzias de consultas relacionadas a mudanças de non-doms nos últimos meses, variando de multibilionários a centomilionários, de acordo com pessoas familiarizadas com o assunto. Um indivíduo já foi para a Suíça, enquanto outro está se preparando para se mudar para a Itália, disseram as pessoas, que pediram para não serem identificadas porque os detalhes são privados.

Um ex-gestor de fundo hedge sediado em Londres, originário de fora do Reino Unido, está se mudando para outro país europeu, em parte devido a frustrações com a direção política dos dois principais partidos.

Outro cidadão ultrarrico do Reino Unido, com investimentos imobiliários, também considera maneiras de viver apenas três meses por ano no Reino Unido em vez de morar no país em tempo integral, passando o restante do tempo em territórios com baixa tributação, como Dubai e Mônaco.

Simon Goldring, consultor tributário e fiduciário para os ultrarricos do escritório de advocacia global Ogier, disse que tem um punhado de casos reais de residentes britânicos que querem se mudar para o exterior, principalmente de cidadãos do Reino Unido frustrados com os impostos que atingiram os níveis mais altos do pós-guerra.

“Eles estão fartos”, acrescentou Goldring, que também se mudou do Reino Unido para Dubai no ano passado. “É uma acusação triste.”

Antes da eleição de 2019, a ameaça do líder trabalhista de esquerda Jeremy Corbyn ajudou a levar algumas das pessoas mais ricas do Reino Unido a sair do país. Jim Ratcliffe, bilionário fundador da gigante de produtos químicos Ineos, disse que isso foi um fator em sua mudança por volta de 2018 para Mônaco, onde os residentes não enfrentam impostos sobre renda ou ganhos de capital.

Starmer, no entanto, tem se esforçado mais para atrair esse grupo demográfico. O fundador da Iceland Foods, Malcolm Walker, e o ex-executivo da JPMorgan Chase, Charles Harman, estavam entre os 120 líderes empresariais que assinaram uma carta de apoio aos trabalhistas na semana passada.

“Fiquei muito decepcionado com o partido conservador”, disse o bilionário britânico John Caudwell em uma entrevista à Bloomberg TV nesta quinta-feira (6). Ele é um antigo doador dos conservadores que não descartou a possibilidade de apoiar os trabalhistas no próximo mês. “Apoiarei quem quer que apresente as políticas comerciais corretas.”

dfd

Para o grupo de britânicos "abastados em massa", a eleição acelerou a demanda para preparar suas finanças para o futuro, de acordo com consultores de patrimônio.

Embora nenhum dos partidos tenha publicado seus manifestos ainda, Starmer disse que imporia um imposto sobre vendas com valor agregado de 20% sobre as mensalidades de escolas particulares para arrecadar 1,7 bilhão de libras para o sistema escolar estadual. Isso está fazendo com que alguns pais considerem antecipar o pagamento de anos de mensalidades — que podem chegar a 65.000 de libras por ano — para evitar esse custo extra.

"Tenho amigos nessa situação", disse Ben Yearsley, consultor de investimentos da Fairview Investing, em Bristol. Eles "estão pensando em pagar antecipadamente o valor de dois anos", acrescentou.

As oscilações políticas do Reino Unido também estão desestimulando a vinda de estrangeiros ricos para o país.

Um indivíduo de alto patrimônio do Oriente Médio, que pediu para não ter o nome revelado, cancelou os planos de se mudar com sua família de Mônaco para Londres quando seus filhos se aproximassem da idade escolar.

Um gestor de fortunas para bilionários disse que os clientes estão retirando seus investimentos no Reino Unido por enquanto, especialmente no setor imobiliário, geralmente preferido pelos super-ricos.

Lesperance, ex-doméstico na Grã-Bretanha no final da década de 1990, disse que o patrimônio fiduciário de um cliente bilionário aumentaria sua obrigação de imposto sobre herança no Reino Unido em mais de 1.000%, para cerca de 400 milhões de libras, devido às reformas trabalhistas para não-domésticos.

"Estamos abastecendo os motores", disse ele. "E já temos nossa permissão de pouso."

-- Com a colaboração de Alice Kantor, John Stepek, Shona Ghosh, Tara Patel, Devon Pendleton, Daniel Cancel e Tom Rees.

Veja mais em Bloomberg.com