Desabamento de ponte em Baltimore bloqueia porto e cria gargalo para o comércio

Queda da ponte após colisão de navio prejudica o comércio de automóveis, carvão e outros produtos, além de provocar transtorno para trabalhadores na região; seis pessoas estavam desaparecidas

Navio Dali, que colidiu com ponte em Baltimore
Por Nacha Cattan - Heather Perlberg - Brendan Murray
26 de Março, 2024 | 09:34 PM

Bloomberg — A ponte com 2,6 quilômetros de extensão desabou em questão de segundos. As consequências devem se estender por semanas.

Cerca de 2,5 milhões de toneladas de carvão, centenas de carros fabricados pela Ford Motor (F) e General Motors (GM), além de madeira e gesso, estão ameaçados de interrupção no transporte após o navio cargueiro Dali colidir e derrubar a Ponte Francis Scott Key, em Baltimore, nas primeiras horas da terça-feira (26).

O acidente poderia ter sido pior se não fosse um chamado de socorro do navio de bandeira de Cingapura, que perdeu energia. Ainda assim pelo menos seis pessoas estavam desaparecidas no rio Patapsco até a tarde de terça-feira, com as buscas em andamento.

As consequências do desabamento da ponte trazem mais uma vez à tona a natureza frágil das cadeias de suprimentos globais, que já estão sob pressão devido à seca no Panamá e aos ataques de mísseis a navios no Mar Vermelho por militantes houthis baseados no Iêmen. Os cais em Nova Jersey e Virgínia enfrentam a ameaça de serem sobrecarregados pelo tráfego que desviado de Baltimore, um dos portos mais movimentados da costa leste dos Estados Unidos.

PUBLICIDADE

“É um porto grande com muito fluxo, então terá impacto”, disse John Lawler, diretor financeiro da Ford, à Bloomberg TV. “Vamos trabalhar nas soluções alternativas. Teremos que desviar peças para outros portos ao longo da costa leste ou em outras partes do país.”

Baltimore só lidava com cerca de 3% de todas as importações da Costa Leste e do litoral dos EUA do Golfo do México nos 12 meses até 31 de janeiro, segundo a S&P Global Market Intelligence. Mas é crucial para carros e caminhonetes leves, com fabricantes europeus de carros como Mercedes-Benz, Volkswagen e BMW, que operam instalações dentro e ao redor do porto. Também é o segundo maior terminal para exportações de carvão dos EUA, e a interrupção tende a afetar os embarques para a Índia.

Aproximadamente uma dúzia de grandes navios estão presos dentro do porto de Baltimore, assim como um número similar de rebocadores, de acordo com a IHS Markit e a Genscape da Wood Mackenzie. A lista inclui navios de carga, transportadores de automóveis e um petroleiro chamado Palanca Rio.

PUBLICIDADE

Isso é apenas o impacto no porto.

Aproximadamente 35.000 pessoas usavam a ponte todos os dias. O valor anual das mercadorias que passam por ela é de cerca de US$ 28 bilhões, de acordo com a American Trucking Associations.

“Dependemos de nossos sistemas de infraestrutura para nossas necessidades diárias, para uma grande quantidade dos bens que recebemos nos Estados Unidos do exterior e tê-lo cortado tão repentinamente é uma grande crise”, disse Yonah Freemark, pesquisador do Urban Institute.

Port of Baltimore Closed Indefinitely After Bridge Collapse | Cargo ships and most of Baltimore’s shipping infrastructure are trapped behind the downed Key Bridge, except for the Tradepoint Atlantic Terminaldfd

A Ponte Francis Scott Key, nomeada em homenagem ao homem que escreveu o texto do Hino Nacional Americano, levou cinco anos para ser construída e foi concluída em 1977. O custo na época foi de cerca de US$ 141 milhões, segundo uma estimativa. Uma reconstrução hoje provavelmente custará “vários bilhões de dólares”, disse Freemark.

O presidente Joe Biden disse que quer que o governo federal pague e prometeu “mover céu e terra para reabrir o porto e reconstruir a ponte”.

Mas uma reconstrução tende a ser demorada. Pode levar semanas até que as operações portuárias sejam retomadas, pois as autoridades precisam remover os destroços da ponte e o navio Dali de 984 pés do rio.

Espera-se que isso acelere o desvio de carga para a Costa Oeste dos EUA para evitar gargalos de Boston a Miami. Um aumento repentino de 10% a 20% nos volumes por um porto é suficiente para causar enormes atrasos e congestionamentos, segundo Ryan Petersen, fundador e diretor executivo da Flexport, uma plataforma de frete digital com sede em São Francisco.

PUBLICIDADE

Enquanto isso, o desvio por Maryland ameaça criar dores de cabeça para motoristas e caminhoneiros. Uma viagem de Edgemere para o sul de Glen Burnie tinha cerca de 24 quilômetros pela ponte. Para fazer o trajeto via Túnel do Porto de Baltimore são 32 quilômetros. A viagem será ainda mais difícil para caminhoneiros que transportam materiais perigosos, que são proibidos no túnel. Eles teriam que viajar 72 quilômetros no anel viário de Baltimore.

No entanto, o maior impacto poderia ser para Baltimore mesmo, uma cidade com quase 600.000 habitantes, cujos bairros estagnados e de alta pobreza ficaram famosos pelo programa de televisão The Wire.

Centro comercial

A ponte ajudou a conectar partes importantes de Baltimore e foi fundamental para o renascimento da cidade como um centro de logística e comércio eletrônico após o fechamento da indústria siderúrgica da cidade. Com seu porto de águas profundas, ferrovia de curta distância e rodovia interestadual bem localizada, a cidade atraiu investidores.

Um dos maiores projetos, Tradepoint Atlantic, arrendou centenas de metros quadrados em espaço de armazém para algumas das maiores empresas do mundo, incluindo a Amazon e a FedEx.

PUBLICIDADE

Diante de meses de incerteza, Baltimore e Maryland declararam estado de emergência.

Durante a manhã de terça-feira, multidões se reuniram no leste do condado de Baltimore, acampando em locais gramados ou escalando as grades de proteção da rodovia para ter uma melhor visão da ponte e tirar fotos. Do outro lado da rua, os moradores discutiam o estrondo da estrutura desabando, comparando-o ao ruído de um motor a jato durante a decolagem.

Não muito longe da ponte desabada, policiais trocavam de turno no cais do Hard Yacht Cafe em Dundalk. Os policiais que estavam saindo de seu barco haviam circulado pelas águas como parte do esforço de resgate por mais de 10 horas, disseram eles, acrescentando que mergulhadores estavam procurando vítimas restantes na água quando deixaram a cena.

“Esta é uma das catedrais da infraestrutura americana”, disse o secretário de Transportes dos EUA, Pete Buttigieg. “O caminho para a normalidade não será fácil, não será rápido, não será barato, mas reconstruiremos juntos.”

© 2024 Bloomberg L.P.