Chevron enfrenta novo risco na Venezuela com ameaça de Maduro à Guiana

Empresa petroleira que opera no país há 100 anos pode ter operações prejudicadas com as intimidações do presidente venezuelano ao território em disputa de Essequibo

Nicolas Maduro
Por Mitchell Ferman
08 de Dezembro, 2023 | 01:59 PM

Bloomberg — Depois de operar por um século na Venezuela, passando por períodos de expansão, crise e sanções dos EUA, a petroleira Chevron (CVX) passa novamente por um teste.

Se o presidente do país, Nicolás Maduro, cumprir sua ameaça de anexar uma vasta área da vizinha Guiana, analistas esperam que os Estados Unidos voltem a aplicar as sanções que foram aliviadas e possivelmente revoguem uma licença que permitiu à gigante do petróleo retomar as operações na Venezuela.

Caso a ameaça de Maduro seja “mais do que apenas bravata, é provável que o governo dos EUA limite a capacidade da Chevron de operar lá”, segundo Shreiner Parker, diretor administrativo para a América Latina da empresa de pesquisa Rystad Energy. “A Chevron pode escolher por si mesma que não gostaria de operar em um país que invadiu um vizinho soberano”, disse ele por telefone.

A Chevron, que abriu seu primeiro escritório na Venezuela em 1923, não respondeu imediatamente aos pedidos de comentários.

PUBLICIDADE

Maduro afirma que concederá novas licenças de exploração de petróleo em Essequibo e ordenará que empresas que já operam na área se retirem.

A Guiana intensifica as medidas de segurança, e o exército brasileiro aumentou sua presença na fronteira. Enquanto isso, os EUA instaram a Venezuela a respeitar o território como sendo da Guiana até que a questão seja resolvida em tribunal internacional.

Na quinta-feira (7), o vice-presidente da Guiana, Bharrat Jagdeo, instou as empresas de petróleo que operam no país a ignorar a ordem de Maduro para sair, dizendo que o governo defenderá sua soberania.

PUBLICIDADE

“Qualquer tentativa de explorar petróleo por suas empresas estatais ou empresas estatais em nosso território será vista como uma incursão pela Guiana”, disse Jagdeo em uma coletiva de imprensa.

Oposição à Maduro cresce

A disputa ocorre enquanto a oposição política de Maduro se consolida antes das eleições presidenciais do próximo ano.

Pesquisas mostram que a desafiante María Corina Machado lidera o atual presidente, razão pela qual muitos analistas veem a ameaça em Essequibo como bravata política destinada a elevar os ânimos nacionalistas e mobilizar os principais apoiadores do governo socialista.

Chevron Venezueladfd

Maduro reivindicou uma vitória esmagadora em um referendo consultivo no domingo que colocou cinco questões sobre se o território rico em petróleo, com o tamanho da Flórida, deveria ser governado pela Venezuela.

Cerca de 95% dos eleitores que votaram apoiaram a posição do governo, mas os números de participação, que críticos dizem terem sido inflados, ficaram muito aquém da meta de Maduro.

“Acreditamos que o referendo serviu como uma demonstração de apoio às políticas de Maduro e uma tentativa de construir um sentimento de unificação entre os eleitores”, disse Luiz Hayum, analista de exploração na América Latina da Wood Mackenzie, por e-mail. “Mas acreditamos que há uma chance muito baixa de que escalone para um amplo conflito armado.”

Em teoria, os campos de petróleo ao largo da Guiana, nos quais a Chevron investe com sua aquisição de US$ 53 bilhões da Hess, parceira da Exxon Mobil na Guiana, também poderiam estar em perigo devido à ameaça de Maduro.

PUBLICIDADE

No entanto, os analistas consideram improvável que a Venezuela assuma essa produção offshore, em parte devido a desafios logísticos significativos que o país sul-americano não está equipado para lidar. A Chevron espera que o acordo com a Hess seja concluído no primeiro semestre de 2024.

Os analistas ainda alertam que Maduro é um ator irracional cercado por bajuladores que nem sempre fornecem ao presidente fatos empíricos.

Isso poderia levar Maduro a tomar decisões que atrapalham os esforços da Venezuela para aumentar a produção de petróleo e obter receitas tão necessárias, agora que os EUA amenizaram as sanções.

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

Setor de óleo e gás ganha fôlego em LatAm, com investimentos previstos de US$ 500 bi

Cúpula do Mercosul termina sem acordo e ofuscada pela Venezuela