Bostic, do Fed, avalia que cortes de juros devem começar no 3º trimestre nos EUA

“Quero ter absoluta certeza de que a inflação está onde precisamos antes de agirmos de forma muito drástica”, disse o presidente do Fed Bank de Atlanta nesta quinta

O presidente do Federal Reserve Bank de Atlanta, Raphael Bostic
Por Steve Matthews
18 de Janeiro, 2024 | 11:58 AM

Bloomberg — O presidente do Federal Reserve Bank de Atlanta, Raphael Bostic, disse que quer ver mais evidências de que a inflação está seguindo em direção à meta de 2% do banco central, repetindo que ele não espera cortes nas taxas de juros até o terceiro trimestre.

“Minha visão agora é que nosso primeiro corte será em algum momento do terceiro trimestre deste ano e teremos que ver como os dados progridem”, disse Bostic em declarações ao conselho de diretores da Câmara de Comércio de Atlanta nesta quinta-feira (18).

Bostic, que vota nas decisões de política monetária deste ano, sugeriu que estaria aberto a uma antecipação caso a inflação caia “muito mais rapidamente” do que ele espera. Mas ele reiterou que ainda está procurando por “mais evidências de que estamos mantendo a trajetória rumo à meta de 2%.”

O pior resultado, acrescentou, seria os formuladores de políticas monetárias reduzirem as taxas e terem que aumentá-las novamente se a inflação subir.

PUBLICIDADE

“Acredito que será conturbado e, por causa dessa turbulência, sinto que precisamos ter cuidado”, disse ele. “Quero ter absoluta certeza de que a inflação está onde precisamos que ela esteja antes de agirmos de forma muito drástica”, acrescentou.

A expectativa é de que o Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc) mantenha sua taxa de juros de referência inalterada por uma quarta reunião consecutiva quando os formuladores de políticas se reunirem nos dias 30 e 31 de janeiro.

Os comentários de Bostic estão entre os últimos de funcionários do Fed antes que o comitê entre em um período de silêncio antes da reunião.

PUBLICIDADE

As projeções trimestrais dos formuladores de políticas monetárias de dezembro implicavam três cortes nas taxas de juros em 2024 - ou cerca de 0,75 ponto percentual de cortes. Funcionários do Fed, contudo, empurram contra expectativas mais agressivas do mercado.

As probabilidades de um corte em março diminuíram consideravelmente desde que Christopher Waller, do Fed, disse no início desta semana que os movimentos da política monetária devem ser “cuidadosamente calibrados e não apressados.”

Bostic, que foi considerado um dos funcionários do Fed mais “dovish” no ano passado, também pediu repetidamente uma política de juros mais altos e por mais tempo para garantir que a inflação volte à meta de 2% do Comitê.

Segundo a estimativa mais recente do Fed de Atlanta, a economia está caminhando para crescer a uma taxa anualizada de 2,4% no quarto trimestre. Embora isso seja uma redução em relação ao ritmo excepcional de 4,9% visto no terceiro trimestre, um consumidor resiliente continua impulsionando a economia para frente.

O indicador preferido do Fed para a inflação caiu acentuadamente ao longo do último ano. Excluindo as categorias voláteis de alimentos e energia, a métrica subiu 1,9% em novembro em uma base anualizada de seis meses – pouco abaixo da meta de 2% do Fed.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também:

PUBLICIDADE

Fundos que montaram boas safras na crise vão entregar retornos, diz Bartunek

Vice-chairman de mercado de capitais do Citi no Brasil deixa o cargo, dizem fontes