Biden rebate acusações sobre acuidade mental, mas nova gafe reacende críticas

Presidente dos EUA convocou entrevista para rebater descrição de um ‘homem idoso com memória fraca’ em relatório que concluiu que ele não infringiu a lei ao tratar documentos confidenciais

US President Joe Biden speaks in the Diplomatic Reception Room of the White House in Washington, DC, US, on Thursday, Feb. 8, 2024. Biden insisted his memory is “fine” and lambasted a Justice Department report on his handling of classified information, particularly its questions about his mental acuity and age that have proven politically damaging. Photographer: Samuel Corum/Sipa/Bloomberg
Por Akayla Gardner
09 de Fevereiro, 2024 | 09:28 AM

Bloomberg — O presidente Joe Biden procurou com força - e às vezes com raiva - combater as sugestões de que sua acuidade mental estava diminuindo em uma entrevista coletiva organizada às pressas na noite de quinta-feira (8).

Mas o líder de 81 anos pode ter agravado a sua maior responsabilidade em ano eleitoral.

O presidente convocou repórteres na Casa Branca para insistir que sua memória estava “boa” e enfatizar que se sentiu insultado pelo retrato de um “homem idoso com memória fraca” pintado por um ex-procurador dos Estados Unidos nomeado por Donald Trump – seu provável oponente nas eleições em 2024 - em uma investigação sobre o seu tratamento de documentos confidenciais.

LEIA +
Biden promete retaliação após grupo ligado ao Irã matar três soldados dos EUA

No entanto uma conferência de imprensa em que o presidente expressou a sua justa raiva pela invocação da morte do seu filho e ofereceu uma visão abrangente do conflito no Médio Oriente foi minada por outra gafe de grande repercussão envolvendo um líder estrangeiro.

PUBLICIDADE

Perto do fim das suas observações, Biden referiu-se erroneamente ao presidente egípcio Abdel Fattah El-Sisi como o líder do México. O passo em falso ameaçou minar todo o seu esforço e foi imediatamente aproveitado pelos seus oponentes políticos como mais uma prova de que Biden não estava apto para servir.

Os aliados da Casa Branca expressaram raiva e frustração, dizendo que o foco no deslize tardio de Biden apenas validou sua crença de que a mídia noticiosa foi movida pelo espetáculo em detrimento do conteúdo e injustamente manteve Biden em um padrão mais elevado do que Trump, que repetidamente se atrapalhou com nomes, datas e fatos.

Ainda assim, a ironia da gafe de Biden pareceu eliminar qualquer esperança de reverter a preocupação com a sua idade e capacidade que tinha crescido ao longo da semana, depois de confundir repetidamente os nomes dos líderes europeus durante a campanha e recusar a oportunidade de conceder a tradicional entrevista antes do Super Bowl, o evento televisivo mais assistido do ano.

PUBLICIDADE

Esse alarme atingiu novos patamares na tarde de quinta-feira, quando um relatório contundente do Departamento de Justiça (DoJ) sobre o tratamento de material confidencial citou as “faculdades diminuídas e memória defeituosa” do presidente, mesmo concluindo que as acusações criminais não eram justificadas.

Biden rejeitou a caracterização apresentada no relatório do Conselheiro Especial Robert Hur.

“Sou bem-intencionado, sou um homem idoso e sei o que diabos estou fazendo. Fui presidente e coloquei este país de pé. Não preciso da recomendação dele”, disse Biden aos repórteres na Sala Diplomática da Casa Branca.

O presidente também contestou as conclusões do relatório, incluindo a de que ele divulgou informações confidenciais ao seu ghostwriter. Ele disse que um memorando sobre o Afeganistão que escreveu ao presidente Barack Obama e que compartilhou deveria ter sido considerado “privado”, e não confidencial. Biden também disse que qualquer afirmação de que ele manteve intencionalmente material confidencial era “completamente errada”.

“O fato é que eles chegaram a uma conclusão firme: eu não violei a lei. Ponto final”, disse Biden.

O presidente mostrou-se particularmente magoado com a afirmação de Hur de que não se lembrava da data em que o seu filho, Beau Biden, morreu de câncer no cérebro, dizendo que isso era irrelevante para a investigação.

“Como diabos ele ousa levantar isso? Francamente, quando me fizeram a pergunta, pensei comigo mesmo: não era da conta deles”, disse Biden. “Não preciso que ninguém me lembre de quando ele faleceu.”

PUBLICIDADE

O relatório do Departamento de Justiça disse que os investigadores que trabalharam para Hur descobriram que Biden havia armazenado e divulgado conscientemente informações confidenciais que foram mantidas em suas casas na Virgínia e em Delaware, mas não chegaram a acusá-lo de qualquer crime.

As revelações mais chocantes do relatório, porém, foram as descrições do presidente como um “homem idoso com memória fraca”, que em certas ocasiões tinha dificuldade em lembrar de fatos básicos. Biden foi descrito como também alguém que esqueceu quando terminou seu mandato como vice-presidente e detalhes de debates críticos de política externa durante o governo Obama.

“Minha memória está boa”, disse Biden. “Sou a pessoa mais qualificada neste país para ser presidente dos Estados Unidos e terminar o trabalho que comecei.”

Biden defendeu-se dizendo que tinha cooperado com a “investigação exaustiva” do procurador especial, ao mesmo tempo que fazia malabarismos com as exigências do seu cargo. O presidente disse que se sentou para uma entrevista de cinco horas com Hur, que ocorreu um dia depois do ataque do Hamas a Israel, em 7 de outubro.

PUBLICIDADE

Os eleitores disseram que a idade de Biden é uma de suas maiores preocupações, enquanto ele se encaminha para uma provável revanche buscada por Trump em novembro.

Trump, o favorito republicano, enfrenta acusações criminais em quatro casos distintos, incluindo um que alega que ele guardou material confidencial de seu tempo na Casa Branca e depois tentou impedir o governo federal de recuperá-lo. Biden traçou uma distinção entre a sua cooperação com os investigadores e a conduta de Trump.

“Não foi como em Mar-a-Lago, um local público”, disse Biden, referindo-se à propriedade de Trump na Flórida, onde os documentos foram encontrados.

A campanha de Trump aproveitou o relatório do conselho especial na quinta-feira.

PUBLICIDADE

“Se você é senil demais para ser julgado, então você é senil demais para ser presidente”, disse Alex Pfeiffer, diretor de comunicações do comitê de ação política de Trump, em comunicado.

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

Destino de Trump em 2024 passa por juízes da Suprema Corte indicados por ele

‘Terapia de choque’ de Milei sofre rejeição na Argentina após revés no Congresso