Fed sinaliza em ata de reunião disposição para manter juro alto por mais tempo

Documento divulgado nesta quarta mostrou que ‘levará mais tempo para ganhar confiança de que a inflação está se movendo de forma sustentável em direção a 2%’, a sua meta

As autoridades também discutiram a possibilidade de manter as taxas estáveis por mais tempo
Por Craig Torres
22 de Maio, 2024 | 04:06 PM

Bloomberg — No início deste mês, as autoridades do Federal Reserve decidiram novamente pela manutenção das taxas de juros e muitos questionaram se a política monetária seria restritiva o suficiente para reduzir a inflação para sua meta.

A ata da reunião do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc), que terminou em 1º de maio, mostra que, embora os participantes tenham avaliado que a política estava “bem posicionada”, várias autoridades mencionaram a disposição de restringir ainda mais a política monetária, se necessário.

“Os participantes observaram dados decepcionantes da inflação no primeiro trimestre”, de acordo com a ata divulgada nesta quarta-feira (22) em Washington.

Leia também: Fed precisa de ‘mais alguns meses’ de queda na inflação para cortar juros, diz Waller

PUBLICIDADE

A ata mostrou “que levará mais tempo do que o previsto anteriormente para ganhar confiança de que a inflação está se movendo de forma sustentável em direção a 2%”.

As autoridades também discutiram a possibilidade de manter as taxas estáveis por mais tempo “caso a inflação não mostre sinais de estar se movendo de forma sustentável em direção a 2% ou de reduzir a restrição da política no caso de um enfraquecimento inesperado das condições do mercado de trabalho”, diz a ata.

Após um aumento da inflação no primeiro trimestre, as autoridades do Fed afirmaram que manterão as taxas de juros no maior patamar em 23 anos por mais tempo do que o inicialmente previsto.

O presidente do Fed, Jerome Powell, disse em sua entrevista coletiva de 1º de maio que não seria apropriado reduzir os custos dos empréstimos até que o banco central tenha mais confiança de que a inflação está em uma trajetória sustentável rumo à sua meta de 2%.

Banco central americano manteve as taxas de juros no maior patamar em 23 anosdfd

“Precisamos ser pacientes e deixar que a política restritiva faça seu trabalho”, reiterou ele em maio.

Embora as autoridades considerem a política monetária como restritiva, os formuladores de políticas apontaram para a possibilidade de as altas taxas de juros terem um efeito menor do que no passado e que a taxa neutra de longo prazo pode ser maior do que se pensava anteriormente.

“Muitos participantes comentaram sobre uma incerteza quanto ao grau de restrição”, diz a ata.

PUBLICIDADE

Em abril, os dados de preços ao consumidor mostraram um arrefecimento modesto na inflação após três meses de números acima do esperado. Embora o crescimento dos preços continue acima da meta do Fed, os números mais recentes aliviaram algumas preocupações de que ele estivesse se reacelerando.

A economia continua a crescer em um ritmo sólido, embora os dados recentes sobre as vendas no varejo e o setor industrial sugiram que a demanda está diminuindo.

O mercado de trabalho permanece resiliente, mas também está mostrando sinais de arrefecimento. Em abril, as folhas de pagamento aumentaram no ritmo mais lento em seis meses.

Balanço patrimonial

Em sua última reunião, as autoridades votaram para diminuir o ritmo de redução do portfólio de ativos do banco central, reduzindo o limite de escoamento de títulos do Tesouro para até US$ 25 bilhões, de US$ 60 bilhões a partir de junho.

Em geral, os investidores esperavam que o limite para os títulos do Tesouro caísse para US$ 30 bilhões, e não para US$ 25 bilhões.

A ata desta quarta mostrou que quase todos os participantes expressaram seu apoio ao novo limite; no entanto, “algumas” autoridades apoiaram a continuação do ritmo atual de escoamento ou um limite mais alto para os títulos do Tesouro do que o que foi decidido.

O limite mensal para os títulos lastreados em hipotecas permaneceu inalterado em US$ 35 bilhões.

--Com a colaboração de Kristy Scheuble, Amara Omeokwe e Liz Capo McCormick.

Veja mais em bloomberg.com