Glencore e Viterra processam Louis Dreyfus alegando perdas de US$ 200 mi com algodão

Empresas entraram com processo em Nova York contra a trading agrícola em razão de prejuízos com apostas fracassadas em futuros de algodão em 2011; Louis Dreyfus não comenta

Planta de algodão
Por Ilena Peng
24 de Janeiro, 2024 | 10:20 AM

Bloomberg — A Glencore e a Viterra entraram com uma ação judicial em Nova York alegando que perderam mais de US$ 200 milhões devido a apostas fracassadas em futuros de algodão em 2011, porque a Louis Dreyfus, uma das maiores tradings agrícolas do mundo, “manipulou e artificialmente inflacionou” os preços.

A Louis Dreyfus, sediada em Roterdã, recusou-se a comentar o processo.

A disputa é o mais recente capítulo em uma batalha legal que começou há mais de uma década, quando investidores acusaram a Louis Dreyfus e sua subsidiária Allenberg de acumular grandes posições em contratos futuros para limitar o fornecimento no maior ganho de mercado de algodão já ocorrido, quando os preços atingiram um recorde.

Há dois anos, um juiz dos Estados Unidos decidiu que a empresa de comércio de commodities dos Países Baixos deveria enfrentar uma ação coletiva antitruste sobre as alegações.

PUBLICIDADE
LEIA +
Por que a ADM precisa recuperar a confiança dos investidores — e rápido

Glencore e Viterra, duas grandes negociadoras de commodities, apostavam que os preços do algodão cairiam em 2011, mantendo grandes posições vendidas em contratos futuros da Intercontinental Exchange (ICE) para entrega em maio e julho, de acordo com a ação movida em 22 de dezembro.

Eles alegam que a Louis Dreyfus monopolizou o mercado, forçando Glencore e Viterra a comprar contratos a um “preço muito mais alto do que razoavelmente poderia ser esperado em uma situação normal” para fechar suas posições.

Louis Dreyfus e suas unidades nos EUA “engajaram-se em conduta economicamente insustentável no mercado de algodão à vista e futuros”, incluindo a tomada do “maior número na época” de entregas da commodity em relação aos estoques nos armazéns da bolsa, disseram Glencore e Viterra. De acordo com a ação, a Louis Dreyfus foi responsável por mais de 99% de todas as entregas no contrato de maio de 2011.

PUBLICIDADE

O que diz a Louis Dreyfus

A Louis Dreyfus não quis comentar as acusações. Na ação coletiva anterior, a empresa negou qualquer irregularidade e afirmou que não havia escassez de algodão no mercado. Os vendedores a descoberto estavam tentando “transferir o ônus de suas más decisões de investimento”, sabendo que havia o risco de perdas, afirmou a Louis Dreyfus em documento judicial de 2012.

Contratos futuros da ICE geralmente são usados para proteger ou apostar nos preços sem que o algodão real mude de mãos. Em 2011, a Louis Dreyfus construiu uma posição comprada maciça e “recusou-se a liquidar”, optando por aceitar fisicamente a entrega, alegou a ação.

Isso deixou os vendedores a descoberto incapazes de encerrar suas apostas, exceto a preços “artificialmente inflacionados”, disseram Glencore e Viterra. Os preços triplicaram de julho de 2010 a março de 2011, atingindo um recorde de US$ 2,197 por libra.

Os vendedores a descoberto geralmente vendem contratos futuros na expectativa de comprá-los de volta quando os preços caem, embolsando a diferença. A Viterra teve que cobrir 14.453 contratos a preços elevados, enquanto a Glencore cobriu 1.191 contratos, disseram eles.

A Glencore também enfrentou perdas adicionais ao fazer entregas físicas “apenas porque era uma opção menos prejudicial do que cobrir os contratos”, de acordo com o processo.

Glencore e Viterra também alegaram que a Louis Dreyfus não precisava aceitar a entrega de tanto algodão e fez movimentos “economicamente insustentáveis” para interromper ainda mais os suprimentos e manipular os preços.

A Louis Dreyfus teria retirado grandes quantidades de algodão dos armazéns da bolsa, mesmo que houvesse suprimentos mais baratos disponíveis no mercado à vista, segundo a acusação.

PUBLICIDADE

Mas em um documento judicial de 2012, a Louis Dreyfus rejeitou essa alegação. “Comprar futuros de algodão e aceitar entrega, mesmo em quantidades significativas, não é manipulativo”, disse a empresa.

A Glencore disse que ofereceu vender o equivalente a 8.000 contratos de algodão. Cada contrato é para 50.000 libras. No entanto, a Allenberg Cotton, uma subsidiária da Louis Dreyfus, teria comprado apenas uma quantidade equivalente a 222 contratos, de acordo com a ação.

A Glencore afirma que a “compra simbólica” foi uma tentativa de atender aos requisitos da ICE de que empresas com uma posição líquida comprada demonstrem a necessidade de entrega física, em vez de obter algodão em outro lugar.

“Com 8.000 contratos totais de algodão à venda, a LDC escolheu não comprar nenhum desse algodão e, em vez disso, forçou os vendedores a entregar algodão fisicamente à LDC - o que era quase impossível na época - ou pagar um preço artificialmente alto para encerrar seus contratos”, segundo o processo.

PUBLICIDADE

A Glencore e a Viterra originalmente faziam parte de uma ação coletiva em andamento, mas apresentaram avisos em novembro para serem excluídas desse caso. A Glencore detém pouco menos de 50% da Viterra.

A acusação original foi apresentada em 2012 por Mark Allen, o chefe de trading de algodão da Glencore de março a julho de 2011. Allen, que negociava futuros pessoalmente e em nome da Glencore, alegou ter perdido mais de US$ 57.000 em suas transações pessoais. Um juiz federal em Manhattan decidiu em 2020 que a Louis Dreyfus teria que ir a julgamento e, posteriormente, declarou o caso uma ação coletiva antitruste em fevereiro de 2022.

“Um júri razoável poderia inferir que os réus agiram com o propósito de influenciar os preços”, escreveu o juiz federal dos EUA Andrew L. Carter Jr. em 2020.

O caso é Glencore v. Louis Dreyfus, 23-cv-11125, Tribunal Distrital dos EUA, Distrito Sul de Nova York (Manhattan).

PUBLICIDADE

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE

SAP, gigante de software, faz reestruturação para focar em IA; ações sobem

China planeja elevar a produção de soja e outras oleaginosas para reduzir importações