Onda de calor extremo no Brasil pressiona futuros de café robusta no mundo

Temperaturas próximas de 40ºC são esperadas em regiões produtoras do país nesta semana, o que pode murchar as folhas e prejudicar o desenvolvimento dos frutos

Café robusta
Por Dayanne Sousa
13 de Novembro, 2023 | 02:54 PM

Bloomberg — Os futuros de café robusta são negociados em forte alta em Londres diante do calor extremo no Brasil e a seca no Vietnã.

O robusta saltou até 2,9% nesta segunda-feira (13), para US$ 2.491 a tonelada, depois de subir 2,1% na semana passada.

O calor excessivo no Brasil atinge tanto as áreas de arábica quanto as regiões que produzem a variedade robusta, também conhecida como conilon. É uma ameaça à próxima safra porque as altas temperaturas podem murchar as folhas dos pés de café e prejudicar o desenvolvimento dos frutos.

Temperaturas próximas de 40ºC são esperadas para a maioria das regiões produtoras do Brasil nesta semana, disse a meteorologista Nadiara Pereira, da Climatempo, em relatório.

PUBLICIDADE
  Futuros estão no maior patamar em quase três semanas em meio à oferta restrita no Vietnãdfd

Os problemas climáticos são uma preocupação sobretudo para o robusta, a variedade usada para café solúvel, porque se soma à uma oferta já restrita do Vietnã, maior produtor depois do Brasil.

O país enfrenta uma seca relacionada ao El Niño.

No caso do café arábica, embora a maioria dos analistas espere que o Brasil aumente produção no próximo ano, após chuvas favoráveis, o calor acima da média gera preocupação, disse Marcelo Moreira, da Archer Consulting.

Os futuros de arábica subiram até 1,5% em Nova York e já saltaram mais de 15% em um mês, impulsionados sobretudo por investidores que cobrem posições vendidas.

O declínio dos estoques do café na bolsa e o vencimento de opções na última sexta-feira (10) alimentaram a volatilidade.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE

Brasil lança sua primeira oferta de títulos verdes para apoiar agenda ambiental

Verde Asset, de Luis Stuhlberger, amplia a aposta em juros no Brasil