Pátio de montadora com dezenas de carros enfileirados
Tempo de leitura: 4 minutos

Bloomberg Opinion — A atual posição da Rússia na comunidade internacional – de pária econômica a grande fornecedora de combustíveis fósseis – parece perfeitamente adequada à situação difícil enfrentada pelas tradicionais montadoras chinesas. Na verdade, as sanções contra Moscou são provavelmente o maior impulsionador das exportações de veículos do país vizinho desde o início da invasão da Ucrânia, há mais de dois anos.

À medida que a economia chinesa desacelera e os consumidores optam cada vez mais por veículos elétricos, os fabricantes de carros antigos com motor a combustão interna ficaram desesperados para encontrar novos mercados.

Os Estados Unidos estão fora de cogitação em meio à escalada da guerra comercial, e o apetite da Europa por modelos estrangeiros diminuiu, deixando poucas boas opções depois que o ataque da Rússia à Ucrânia estimulou as empresas estrangeiras a abandonar o país.

Leia mais: Tesla perde fatia de mercado na China com o avanço de montadoras do país

PUBLICIDADE

“As sanções ocidentais contra a Rússia criaram uma grande oportunidade de mercado para o setor automotivo de motores de combustão interna da China, fornecendo uma opção para o setor e aprofundando a dependência da Rússia dos produtos chineses”, escreveram Gerard DiPippo e Alexander Isakov, da Bloomberg Economics, em maio.

Eles estimam que 58% do aumento das exportações de carros a combustão da China desde 2021 tiveram a Rússia como destino no ano passado. Embora a maior parte desse comércio flua diretamente através da fronteira, alguns também passam por países intermediários, incluindo Belarus, Cazaquistão, Quirguistão, Tajiquistão e Turquia.

Moscou e Pequim têm muito em comum. Ambas se sentem sitiadas pelo Ocidente, demonstram disposição para interromper a atual ordem global e enfrentam uma necessidade existencial de se livrarem das cadeias de suprimentos estrangeiras.

PUBLICIDADE
Gráficodfd

Embora a marca local Lada, de propriedade da AvtoVAZ, ainda esteja no topo do mercado e tenha aumentado sua participação para mais de 30%, os próximos seis maiores participantes em 2023 eram todos da China, substituindo as coreanas Kia e Hyundai e a japonesa Toyota (TM), de acordo com dados da Autostat.ru.

A Chery Automobile foi a maior vencedora. Suas vendas unitárias na Rússia triplicaram e a montadora conquistou 11% do mercado. A Haval, uma marca da Great Wall Motor, teve um aumento semelhante em escala com seu SUV crossover Jolion, o modelo estrangeiro mais popular do mercado.

Esse crescimento na Rússia é uma boa notícia para a Great Wall: em maio, a empresa fechou sua sede europeia em Munique, pois não conseguiu ganhar força no continente.

As montadoras chinesas enfrentam dificuldades. Alguns de seus equipamentos existentes podem ser transferidos para a fabricação de modelos eletrificados, especialmente chassis e interiores, mas muitos não podem.

PUBLICIDADE

Os motores e os componentes relacionados, como caixas de engrenagens e eixos de transmissão, enfrentarão uma demanda menor devido à crescente adoção de veículos elétricos. No entanto, a capacidade de produção para essas peças permanece, daí a necessidade de encontrar mercados estrangeiros.

A Rússia é particularmente adequada porque os compradores do país evitam veículos elétricos. Em 2023, a participação dos veículos movidos a gasolina no mercado automotivo na verdade aumentou de 91,6% para 93,7%, de acordo com o Autostat.ru, com modelos a diesel e híbridos adicionados à mistura de combustíveis fósseis. Os veículos elétricos puros representaram apenas 1,3% do mercado.

Leia mais: Crise dos elétricos? GM amplia dividendos e prevê recompra de US$ 6 bi em ações

PUBLICIDADE

Isso pode não ser uma boa notícia para os fabricantes de veículos elétricos ou para o planeta, mas esses compradores são exatamente o que as montadoras tradicionais da China precisam em um momento de excesso de capacidade e uma mudança de longo prazo para modelos de nova energia.

O dilema para Pequim, no entanto, será como administrar as crescentes exigências de Moscou para que os fornecedores transfiram a produção para a Rússia se quiserem continuar vendendo para o mercado.

A desaceleração econômica da China, o enfraquecimento das exportações e o excesso de capacidade fazem com que os formuladores de políticas busquem maneiras de sustentar o emprego e manter as fábricas em funcionamento. Eles não gostarão muito de ver empregos e produção indo para o exterior.

A diplomacia pode entrar em ação. O presidente Xi Jinping demonstrou disposição para ficar do lado de seu colega Vladimir Putin. Mas esse apoio não é infinito nem absoluto. Se Moscou continuar a pressionar as montadoras estrangeiras para que expandam sua pegada de fabricação local, talvez Xi precise recuar.

No final das contas, Pequim está feliz por ter encontrado um novo mercado para seus produtos, mas seus líderes sabem que devem colocar a economia da China em primeiro lugar.

Esta coluna não reflete necessariamente a opinião do conselho editorial ou da Bloomberg LP e de seus proprietários.

Tim Culpan é colunista da Bloomberg Opinion e cobre a área de tecnologia na Ásia.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Brasil pode entrar na rota do investimento global e da Arábia Saudita, diz CEO

Os desafios de formar os líderes do futuro, segundo a diretora da Wharton School