Bill Hwang, da Archegos, enfrenta julgamento da década após colapso de US$ 36 bi

Fundador do family office e seu ex-CFO, Patrick Halligan, são acusados de fraude e manipulação de mercado após colapso em 2021 que causou perdas de bilhões a bancos como o Credit Suisse

Bill Hwang, da Archegos Capital Management
Por Bob Van Voris
11 de Maio, 2024 | 07:30 AM

Bloomberg — O fundador da Archegos Capital Management, Bill Hwang, vai se defender contra as acusações de fraude e manipulação de mercado fazendo um argumento tradicional de Wall Street: o de que ele não é responsável pelas perdas do outro lado.

Bancos de Wall Street, incluindo o Credit Suisse (C), o Morgan Stanley (MS) e a Nomura Holdings, perderam cerca de US$ 10 bilhões atuando como prime brokers para o family office de Hwang, que colapsou em 2021 apagando US$ 36 bilhões em valor em uma semana.

Em declarações iniciais na próxima segunda-feira (13) durante o julgamento de Hwang e seu diretor financeiro, Patrick Halligan, no tribunal federal de Manhattan, os promotores argumentarão que os dois enganaram os bancos, alimentando uma bolha de US$ 160 bilhões que estourou quando a Archegos entrou em colapso em março de 2021.

Leia também: Herdeiros de fundador da Casas Bahia travam disputa na Justiça sobre fortuna

PUBLICIDADE

Os advogados de defesa buscarão retratar a estratégia de trading da Archegos como legal para uma empresa de investimentos, destacando que o family office não precisava divulgar suas posições.

Ao mesmo tempo, tentarão convencer o júri de que as decisões dos bancos foram totalmente próprias. Fundamental para isso serão os dados de trading que a defesa afirma comprovar que as contrapartes da Archegos não agiram de maneira previsível.

“A Archegos não podia controlar o que essas instituições financeiras muito sofisticadas faziam”, disse o advogado de Hwang, Barry Berke, em uma audiência no mês passado.

Mas a defesa enfrenta uma batalha difícil. Argumentos semelhantes não funcionaram para outros réus de Wall Street acusados de má conduta comercial.

E Hwang enfrenta um grande problema, dado que dois de seus ex-principais sócios da Archegos já se declararam culpados e devem testemunhar contra ele como as principais testemunhas da acusação.

O testemunho do círculo íntimo de Sam Bankman-Fried foi devastador para o cofundador da FTX em seu julgamento por fraude no ano passado.

Tanto Hwang quanto Halligan são acusados de conspiração de crime organizado e fraudes, enquanto Hwang também enfrenta acusações de manipulação de mercado. Eles enfrentam até 20 anos de prisão por cada uma das acusações contra eles.

PUBLICIDADE

Limites da defesa

Segundo os promotores, Hwang planejou inflar o preço das ações de várias empresas, especialmente a então conhecida como ViacomCBS, na qual a Archegos havia feito apostas altamente alavancadas em derivativos.

O governo dos Estados Unidos alega que Hwang sabia que os bancos iriam proteger suas negociações de swap comprando as ações subjacentes, impulsionando seus preços. As ações caíram quando os bancos liquidaram suas posições de uma só vez depois que a Archegos deixou de cumprir as chamadas de margem.

Mas os advogados de Hwang e Halligan afirmam que os dados de trading mostram que os bancos nem sempre protegiam as posições da Archegos numa base de um para um.

Em vez disso, eles frequentemente faziam proteções “em uma base de portfólio ou book, muitas vezes vendendo as proteções se swaps compensatórios existissem ou emprestando as ações para short sellers”, disseram os advogados de defesa em petições judiciais.

Isso, na visão deles, mina a alegação da acusação de que Hwang poderia manipular os bancos.

Patrick Halligan, CFO da Archegos Capital Managementdfd

A defesa terá que fazer um equilíbrio delicado ao chamar a atenção do júri para os bancos. O juiz distrital dos Estados Unidos, Alvin Hellerstein, que está supervisionando o caso, já disse que limitará a capacidade da defesa de atribuir culpa aos bancos argumentando que eles são “players sofisticados”.

Negar responsabilidade pelas ações de sua contraparte não funcionou para o cofundador da Glen Point Capital, Neil Phillips, em seu julgamento por manipulação de mercado em outubro.

Acusado de orquestrar US$ 725 milhões em negociações para elevar intencionalmente o valor do rand sul-africano em relação ao dólar americano e acionar uma opção de US$ 20 milhões, o gestor de fundos hedge argumentou que sua “busca por barreira” era uma prática padrão do setor reconhecida pela contraparte Morgan Stanley, que tomou medidas para se defender com suas próprias negociações.

O júri condenou Phillips após apenas algumas horas de deliberação. Da mesma forma, vários traders acusados de “spoofing” não conseguiram convencer os jurados de que suas negociações eram legítimas e que não tinham intenção criminosa.

Depoimentos de cooperados

O maior desafio de Hwang no julgamento serão os dois testemunhos cooperativos – o ex head de trade da Archegos, William Tomita, e o ex-chefe de gestão de risco, Scott Becker. Ambos devem testemunhar que Hwang os instruiu a mentir para as contrapartes.

Os advogados de defesa até agora deram pouca indicação de como planejam lidar com Tomita e Becker no tribunal. Táticas padrão para lidar com testemunhas cooperativas incluem sugerir que estão atribuindo culpa por seu próprio mau comportamento ou que estão mentindo para evitar a prisão.

No julgamento de Bankman-Fried, testemunhas cooperativas lideradas por Caroline Ellison, CEO do fundo hedge Alameda Research afiliado à FTX, bem como sua ex-namorada, e Gary Wang, seu cofundador na FTX, todos testemunharam que ele os instruiu a cometer fraude.

Após a condenação de Bankman-Fried, seu principal conselheiro jurídico disse que tais testemunhos tornaram o caso “quase impossível” de ganhar.

Hwang também tem um histórico que pode prejudicá-lo com o júri se surgir no julgamento.

Ele lançou a Archegos como um family office em 2013, depois de ser proibido de lidar com fundos de clientes quando seu fundo hedge anterior, Tiger Asia Management, se declarou culpado em um caso de insider trading.

Embora não tenha admitido nem negado irregularidades, Hwang concordou em pagar US$ 60 milhões para resolver as acusações.

Outras testemunhas

Documentos judiciais sugerem que os promotores querem que Tomita e Becker, que trabalharam na Tiger Asia, testemunhem sobre o que aconteceu na companhia e conectem isso às ações de Hwang na Archegos. A defesa pediu a Hellerstein para proibir esse testemunho como prejudicial.

Junto com Tomita e Becker, os promotores disseram que até 27 possíveis testemunhas das contrapartes poderiam ser chamadas para descrever as interações de seus bancos com a Archegos. Isso poderia dar à defesa a chance de voltar o foco do júri para as próprias ações dos bancos.

Os advogados de defesa sugeriram que gostariam de trazer à tona o relatório interno do Credit Suisse sobre suas perdas com a Archegos, que culpa a própria equipe de gestão de riscos do banco por não agir diante de sinais de alerta.

Os promotores já argumentaram que a defesa não deve ser autorizada a levantar o relatório como parte de uma defesa de “culpar a vítima”. Hellerstein indicou que concordava com essa posição, mas o juiz deixou a porta aberta para isso surgir durante o interrogatório cruzado de potenciais testemunhas do Credit Suisse.

Veja mais em bloomberg.com