Pôster de IA em Davos, na Suíça, durante o Fórum Econômico Mundial: IA pode dar impulso ao investimento
Tempo de leitura: 4 minutos

Bloomberg Opinion — À medida que as melhorias na inteligência artificial (IA) seguem aceleradas, também aumentam as dúvidas sobre como a tecnologia influenciará as economias, os preços dos ativos e as taxas de juros: é mais provável que a IA cause seu aumento ou sua redução?

Você poderia pensar que os economistas conseguiriam manejar uma questão tão direta, mas tanto a macroeconomia quanto a IA são complexas. Mesmo assim, tenho uma previsão ousada: as taxas reais ajustadas pela inflação subirão, e por um período de tempo considerável.

A visão convencional é que as taxas tendem a cair à medida que a riqueza e a produtividade aumentam. É fácil rastrear a origem dessa visão, já que as taxas de juros reais vêm caindo de forma geral há quatro décadas. Quanto à teoria, os empréstimos se tornam mais seguros com o tempo, principalmente porque a riqueza disponível para poupança é maior.

Então, por que esses mecanismos podem parar de funcionar?

PUBLICIDADE

Minha previsão contraintuitiva se baseia em duas considerações. Primeiro, na prática, se houver um verdadeiro impulso de IA ou o advento da inteligência artificial geral (AGI), a demanda por despesas de capital (capex) será extremamente alta.

Em segundo lugar, em termos teóricos, a produtividade do capital é um fator importante na formação das taxas de juros reais. Se a produtividade do capital aumentar significativamente devido à IA, as taxas de juros reais também deverão aumentar.

LEIA +
Como a inteligência artificial gerou uma demanda inesperada por gasodutos
Gráficodfd

Pense no capex em um mundo de IA. A corrida para produzir mais chips semicondutores de alta qualidade continuará. Esses investimentos não são fáceis nem baratos. Mas a demanda por investimentos não vai parar por aí. Quanto mais a IA for integrada às vidas e aos planos de negócios, maior será a demanda por computação. Isso induzirá a uma expansão significativa da infraestrutura de energia.

PUBLICIDADE

Novamente, esses investimentos não são baratos. O estado americano da Virgínia, por exemplo, enfrenta um grande dilema nesse sentido, e não apenas por causa da IA. A região abriga grandes data centers e agora precisa do equivalente a várias usinas nucleares de grande porte para atender às demandas de energia projetadas.

E isso pode ser apenas o começo do aumento do capex. A IA já está impulsionando alguns avanços no ritmo das descobertas científicas, uma tendência que se espera que continue.

Imagine, por exemplo, se a IA tornasse a dessalinização da água econômica em muitas partes do mundo. De repente, haveria mais demanda para desenvolver mais partes dos estados da Califórnia, do Arizona e de Nevada. Os Estados Unidos construiriam mais imóveis, usando mais energia no processo.

A Arábia Saudita, os Emirados Árabes Unidos e muitos outros lugares poderiam fazer o mesmo, aumentando ainda mais a demanda geral por investimentos.

PUBLICIDADE
LEIA +
Data centers vão se tornar fábricas de inteligência artificial, diz CEO da Nvidia

A demanda por viagens espaciais e lançamentos de satélites também parece estar aumentando, em parte por causa da IA. A inovação de software está impulsionando muito o avanço no lado do hardware.

De forma menos otimista, a guerra impulsionada pela IA e o combate com drones podem ganhar importância, como já acontece na Ucrânia e no Oriente Médio. Essa é uma má notícia que, no entanto, impulsionará mais investimentos.

Se um número suficiente dessas tendências se unir em um curto período de tempo, é de se esperar que as taxas de juros reais aumentem. A demanda por empréstimos e investimentos aumentará, embora a poupança provavelmente não aumente proporcionalmente, pelo menos não no curto prazo. À medida que as sociedades envelhecem, elas estão gastando sua riqueza acumulada.

PUBLICIDADE

Se a AGI for concretizada, isso seria semelhante à chegada de bilhões de trabalhadores em potencial à economia global mais ou menos ao mesmo tempo. É um cenário complicado, mas é plausível que, em um período relativamente curto, isso possa impulsionar o investimento em 5% ou mais do PIB dos EUA.

Haveria também investimentos significativos para ajudar os trabalhadores humanos a lidar com os ajustes e realocações de seus esforços resultantes.

Em termos práticos: espere um boom no setor de transporte de mudança, bem como uma expansão dos programas governamentais de assistência ao trabalhador. Essas e outras forças semelhantes exercerão mais pressão de alta sobre as taxas de juros reais.

Como eu disse, a macroeconomia nunca é simples. Portanto, tudo isso deve ser considerado mais um palpite do que uma previsão. Ainda assim, faz sentido estar preparado para uma reversão da tendência de longo prazo de queda das taxas de juros reais – pelo menos por várias décadas, até que o progresso impulsionado pela IA crie mais riqueza para repor os estoques de poupança, reduzindo novamente as taxas reais.

Enquanto isso, esteja preparado para mudanças. A queda das taxas não é necessariamente uma lei de ferro da história econômica. Assim como a Grande Moderação foi provada como uma ilusão pela crise financeira de 2007-2008, a atual “grande moderação” – das taxas de juros reais – pode ser um fenômeno intermitente.

Esta coluna não reflete necessariamente a opinião do conselho editorial ou da Bloomberg LP e de seus proprietários.

Tyler Cowen é colunista da Bloomberg Opinion, professor de economia da George Mason University e escreve para o blog Marginal Revolution.

Veja mais em Bloomberg.com