Até o zero: Descarbonizando as cadeias de suprimentos da América Latina

El camino hacia las emisiones cero: Descarbonizar las cadenas de suministro de Latinoamérica
Tempo de leitura: 5 minutos

Em setembro deste ano, lançamos o primeiro navio habilitado para metanol do mundo, destacando que o caminho para a descarbonização do transporte marítimo é possível. O navio Laura Maersk é uma prova tangível de que a tecnologia está disponível para fazer a transição e, atualmente, o setor tem seguido o exemplo, com mais de 100 navios movidos a metanol na carteira de pedidos.

No entanto, o transporte marítimo constitui apenas um único componente de uma rede mais complexa que engloba o campo da logística. De acordo com a Agência Internacional de Energia, o transporte é responsável por mais de um terço das emissões de CO2 dos setores de uso final. No cenário em constante mudança do mundo atual, o setor de logística tornou-se essencial no caminho para limitar a crise climática e preparar o caminho para um futuro sustentável.

De acordo com a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), 68% dos cidadãos da América Latina reconhecem a mudança climática como uma ameaça muito séria para seu país nos próximos 20 anos. Os consumidores estão pedindo cadeias de suprimentos mais sustentáveis, fazendo com que as empresas e os provedores de logística encontrem maneiras inovadoras de descarbonizar suas operações. A sustentabilidade tornou-se parte integrante das estratégias de muitas empresas, que agora estão analisando não apenas as emissões produzidas por elas mesmas, mas também as emissões de seus fornecedores e prestadores de serviços.

El camino hacia las emisiones cero: Descarbonizar las cadenas de suministro de Latinoaméricadfd

Com a crescente demanda dos clientes, as metas globais, a pressão dos reguladores e investidores e as novas leis da cadeia de suprimentos ecológica, a logística sustentável é uma obrigação para as empresas. Da mesma forma, o gerenciamento inteligente de fornecedores – considerando as emissões de carbono, juntamente com o preço e o prazo de entrega como critérios de seleção – está se tornando uma vantagem competitiva decisiva para as empresas.

No entanto, os desafios para descarbonizar o setor de logística são diferentes. As operações em terra dependem das regulamentações locais, dos parceiros e dos fornecedores e tecnologias disponíveis nas regiões. A América Latina é uma potência inexplorada na transição energética global, especialmente na transformação das cadeias de suprimentos. De acordo com a Agência Internacional de Energia, a região tem um vasto potencial de energia renovável, com os combustíveis fósseis constituindo apenas dois terços de sua matriz energética, notavelmente abaixo da média global de 80%. As energias renováveis, especialmente a hidrelétrica, representam 60% da geração de eletricidade, tornando a América Latina um centro promissor para a produção de energia limpa. A diversidade geográfica e climática, aliada a extensos litorais, posiciona países como México, Chile, Colômbia e Brasil como candidatos ideais para o desenvolvimento de energia solar e eólica. O aproveitamento desses recursos por meio de políticas estratégicas poderia impulsionar a América Latina para um papel central nas iniciativas de energia renovável, catalisando a mudança do setor de logística em direção à sustentabilidade e aos esforços globais de descarbonização.

El camino hacia las emisiones cero: Descarbonizar las cadenas de suministro de Latinoaméricadfd

Um parceiro estratégico no caminho para a descarbonização das cadeias de suprimentos

Na Maersk, estabelecemos metas ambiciosas de emissões para alinhar nossa empresa aos critérios da iniciativa Science Based Targets (SBTi). Essas metas abrangem o compromisso de fornecer aos clientes soluções 100% ecológicas de ponta a ponta até 2040, incluindo metas de curto prazo para liderar o setor com ofertas ecológicas em uma ampla gama de nosso portfólio de produtos até 2030.

Na América Latina, criamos um programa para expandir nossa pegada terrestre, não sem antes visar os principais produtos emissores - transporte terrestre, logística de contrato e cadeia de frio, e aéreo – e oferecer produtos que proporcionem transparência de emissões para a cadeia de suprimentos de nossos clientes. A elaboração de roteiros claros e o desenvolvimento esperado de produtos sustentáveis serão necessários para implementar as alavancas de descarbonização na região.

Todas as instalações novas e existentes buscarão implementar tecnologias eficientes em termos de energia e obter a certificação de terceiros LEED Gold ou BREEAM Excellent. Também estamos comprometidos com a transição dos equipamentos de nossas instalações para a energia elétrica e com o uso de fontes de energia renováveis. Por exemplo, nosso novo centro de distribuição em Cajamar, no Brasil, tem a certificação LEED Platinum, incluindo painéis solares no telhado, sistema de recuperação de água da chuva e gerenciamento de resíduos, isolamento térmico de feltro e equipamento de manuseio de materiais com bateria de lítio. Nossas novas instalações inauguradas este ano no Chile, Peru, Colômbia e Panamá estão equipadas com empilhadeiras totalmente eletrificadas com baterias de lítio e iluminação de LED.

El camino hacia las emisiones cero: Descarbonizar las cadenas de suministro de Latinoaméricadfd

Em uma região com uma grande diversidade de exportações de produtos perecíveis, também estamos expandindo nossa presença em instalações de cadeia fria. Lideramos o caminho da logística sustentável ao incorporar refrigerantes naturais, como dióxido de carbono (CO2) e amônia, em nossas instalações de armazenamento a frio. Esses refrigerantes apresentam uma alternativa mais sustentável aos refrigerantes tradicionais em comparação com os refrigerantes convencionais, com menor potencial de aquecimento global.

A descarbonização do transporte terrestre por meio de caminhões elétricos pesados e a criação de infraestrutura de estações de recarga beneficiam as cadeias de suprimentos e as comunidades. Para obter soluções de transporte terrestre neutras para o clima, estamos priorizando a eletrificação de caminhões pesados em colaboração com os clientes com fonte de eletricidade 100% renovável, bem como identificando oportunidades únicas de redução de emissões dentro da mudança modal. Recentemente, realizamos dois projetos-piloto de veículos elétricos, analisando as capacidades de caminhões elétricos para clientes no Brasil.

Desde 2021, também oferecemos uma solução ferroviária com uma estação e um depósito situados a 30 km ao redor da principal área de produção de frutas no Chile. O trem pode transportar mercadorias equivalentes a 31 caminhões, reduzindo as emissões de CO2 em cerca de 70%. Usando essa mesma solução ferroviária, fizemos uma parceria com a Nestlé Purina nessa rota mais eficiente em termos de energia, diminuindo o congestionamento, promovendo o crescimento das comunidades vizinhas e garantindo cronogramas de entrega precisos no porto.

Com mais de dois terços de nossos 200 principais clientes tendo estabelecido metas líquidas zero ou baseadas na ciência (SBTi), lidar com as emissões de nossa cadeia de valor de logística e serviços é uma prioridade fundamental para a Maersk. Estamos firmemente dedicados não apenas a ampliar nossas operações, mas também a formar parcerias valiosas na busca de explorar opções sustentáveis na América Latina para atender à crescente demanda de nossos clientes por uma logística ambientalmente consciente, de ponta a ponta e verdadeiramente integrada.

Image test

Sobre Antonio Domínguez:

Diretor da Maersk para a América Latina

Antonio Dominguez é um profissional panamenho com mais de 25 anos de experiência no setor de logística, ocupando cargos na Europa, Ásia, América do Norte e, mais extensivamente, na América Latina. Dominguez é bacharel em Administração de Empresas e Economia pela Universidade de Kansas como bolsista da Fulbright e tem mestrado em Administração de Empresas com ênfase em marketing pela ULACIT, além de cursos executivos em logística e liderança pela Harvard Business School e pelo Institute for Management Development (IMD) de Lausanne, na Suíça. Atualmente, é responsável por 40 países que compõem a Maersk América Latina e Caribe, após um mandato bem-sucedido na área da América Central, Andina e Caribe, de 2019 a 2023.

About Maersk:

A A.P. Moller - Maersk é uma empresa de logística integrada que trabalha para conectar e simplificar as cadeias de suprimentos de seus clientes. A Maersk foi fundada em 1904 e tem sua sede em Copenhague, Dinamarca. A Maersk, líder global em serviços de logística, como transporte terrestre, armazenagem, distribuição, transporte aéreo e marítimo, entre muitos outros, opera em mais de 130 países e emprega mais de 110.000 pessoas em todo o mundo. A Maersk tem como objetivo atingir zero emissões líquidas até 2040 em toda a empresa com novas tecnologias, embarcações e combustíveis sustentáveis.