Foto de Sam Altman em primeiro plano. Atrás, um telão com o logotipo da OpenAI e da Keio University
Tempo de leitura: 6 minutos

Bloomberg Opinion — Quando, no final da tarde de sexta-feira (17), foi divulgada a notícia de que a OpenAI havia destituído o fundador e CEO Sam Altman, quase que imediatamente surgiram comparações com a Apple (AAPL), que demitiu Steve Jobs.

Em outras palavras, esse foi um erro de cálculo catastrófico para destituir um visionário da tecnologia. Embora a história também possa vir a ver isso dessa forma, o passar do tempo também pode oferecer outra reflexão, talvez mais importante.

Em se tratando de tentativas de golpe, o que aconteceu na OpenAI foi um fracasso colossal. Altman e seu cofundador da OpenAI, Greg Brockman, foram contratados pela Microsoft (MSFT) para liderar uma divisão interna de inteligência artificial recém-criada.

Mais de 600 funcionários da OpenAI ameaçam abandonar o barco e se juntar a eles. O presidente e CEO da Microsoft, Satya Nadella, deve estar pensando que está sonhando: no decorrer de um fim de semana turbulento, ele deixou de ver o investimento de US$ 10 bilhões da empresa na OpenAI ser colocado em risco para conseguir fazer com que a posição da gigante do software em IA parecesse ainda mais forte.

PUBLICIDADE

Os investidores concordaram, fazendo com que as ações da empresa sediada em Redmond, Washington, atingissem um recorde de alta.

Gráficodfd

Ainda sabemos apenas alguns detalhes preciosos sobre a decisão da diretoria da OpenAI de demitir Altman. As reportagem apontam para um descontentamento crescente em relação aos interesses externos de Altman – ou seja, sua busca por fundos para um novo empreendimento de hardware de IA - e uma divergência de opinião sobre a segurança da IA.

Altman, que se tornou propaganda da promoção da ideia de uma regulamentação sensata, estaria do lado da aceleração da comercialização da IA.

PUBLICIDADE

O conselho mais cauteloso pode ter pensado, talvez ingenuamente, que as verificações e os equilíbrios incorporados à estrutura de governança exclusiva da OpenAI – um conselho sem fins lucrativos supervisionando uma entidade com fins lucrativos – lhes daria a capacidade de moderar os instintos de Altman.

Eles estavam errados, e pelo menos um deles, o cientista-chefe e cofundador Ilya Sutskever, agora diz que se arrepende de ter levado a empresa à desordem.

O fato de os membros do conselho terem justificado a tentativa de remover Altman não é a verdadeira questão. O que é realmente importante é que o conselho tomou uma decisão que foi quase instantaneamente derrubada pelo poder e pela popularidade de um cofundador pioneiro.

Nesse sentido, a OpenAI não foi diferente das gigantes da tecnologia que vieram antes dela: o controle ditatorial de Mark Zuckerberg sobre a Meta (META), ou o poder de voto incomparável de Larry Page e Sergey Brin na Alphabet (GOOGL), controladora do Google.

PUBLICIDADE

No ano passado, muitos se sentiram tranquilos (embora perplexos) pelo fato de Altman, ao contrário dos fundadores que o antecederam, não ter ações da OpenAI. O motivo declarado era eliminar qualquer sensação de que a ganância fosse o fator motivador por trás da busca de lucros, ao mesmo tempo em que sujeitava Altman ao que era considerado um nível de responsabilidade acima do normal.

Acontece que nada disso importava: apesar de advertência após advertência, os eventos deste fim de semana provam que o culto ao fundador está vivo e bem no Vale do Silício.

Conheci Altman e concordo com aqueles que o colocam na categoria “um dos bons” entre as figuras proeminentes do setor de tecnologia. Ele é um nerd, mas não no sentido desajeitado – uma característica que o tornou um embaixador ideal para a IA, já que ele humildemente saltou de corredor em corredor do poder em países de todo o mundo.

PUBLICIDADE

Mas neste fim de semana, talvez tenhamos visto um outro lado do homem de 38 anos, um lampejo de arrogância que deu uma ideia da dinâmica com a diretoria da OpenAI.

Ao visitar os escritórios da empresa no domingo, Altman aproveitou um momento para compartilhar uma foto nas redes sociais em que ele segurava um passe de “convidado”.

“É a primeira e última vez que uso um desses”, escreveu ele. Isso, juntamente com relatos de “prazos” regulares para que a diretoria atendesse às suas demandas, sugeria um homem que se sentia muito mais como a OpenAI do que como uma pessoa que trabalhava para ela.

LEIA +
Microsoft quer trabalhar com Sam Altman onde quer que ele esteja, diz Nadella

Na manhã de segunda-feira (20), a Microsoft e Nadella haviam arrancado a vitória das garras da derrota. Altman e Brockman – que haviam sido forçados a sair do conselho e depois se demitiram – se tornariam imediatamente funcionários da Microsoft, encarregados da nova equipe interna de IA da empresa.

Se os funcionários da OpenAI os seguirem, como centenas deles parecem ansiosos para fazer, a Microsoft terá conseguido, ou alguns podem dizer que tiveram sorte, a mais impressionante aquisição da história do Vale do Silício.

Como disse o analista de tecnologia Ben Thompson, “a Microsoft acabou de adquirir a OpenAI por US$ 0 e risco zero de um processo antitruste”.

A nova posição de força da Microsoft em IA será usada para dobrar as novas fronteiras dessa tecnologia ainda mais à sua vontade do que já fez. O envolvimento pessoal de Nadella foi fundamental para trazer Altman de volta ao prédio da OpenAI, se não completamente de volta à empresa, em uma intervenção que foi natural, dado o que está em jogo para a gigante da computação de US$ 2,8 trilhões e seu investimento de US$ 10 bilhões na OpenAI, a pedra angular de seu futuro.

Um ponto fraco inerente a todas as grandes empresas de IA é que, no momento, os custos da capacidade de computação e o acesso aos chips mais recentes para executar a tecnologia exigem um nível de apoio financeiro incompatível com qualquer independência verdadeira.

É provável que haja efeitos em cascata à medida que outras grandes empresas de tecnologia analisem mais de perto seus parceiros de exposição de IA e, provavelmente, exijam mais supervisão ou controle. Um ponto positivo, eu acho, é que a farsa da responsabilidade da OpenAI foi exposta antes que a empresa inovadora se visse diante de uma crise real.

Podemos nos sentir gratos pelo fato de que o único risco existencial no momento é o que tudo isso representou para a própria OpenAI, e não para o resto de nós.

Enquanto isso, a preocupação imediata de Nadella não será como restaurar as verificações e os equilíbrios éticos no desenvolvimento da IA, mas com que rapidez todos poderão voltar a trabalhar no desenvolvimento da IA. E assim, “a missão continua”, como Altman publicou no X, antigo Twitter, na segunda-feira de manhã.

Mas de quem é a missão? Da Microsoft ou da OpenAI? Como funcionário da Microsoft, Altman terá mais dificuldade para convencer o mundo e os órgãos reguladores de que está trabalhando para o bem da humanidade, e não para o bem dos acionistas. Ele agora é apenas mais um executivo das grandes empresas de tecnologia. Mas, sejamos francos, ele sempre foi.

Esta coluna não reflete necessariamente a opinião do conselho editorial ou da Bloomberg LP e de seus proprietários.

Dave Lee é colunista da Bloomberg Opinion e cobre a área de tecnologia dos EUA. Foi correspondente para o Financial Times e a BBC News.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Milei inaugura era na Argentina: veja 4 desafios iniciais que terá que enfrentar

Casas de até R$ 300 milhões: os preços em condomínios de luxo no interior de SP