‘Geração COP’ está mais otimista em relação ao clima do que as pessoas mais velhas

Pesquisa descobriu que quase 49% dos entrevistados com idades entre 16 e 29 anos estão otimistas de que não serão impactados por inundações, secas ou deslizamentos de terra

Última COP, em 2022, no Egito
Por Momoka Yokoyama e Aaron Clark
14 de Outubro, 2023 | 11:16 AM

Bloomberg — Apesar das temperaturas globais recordes, das inundações catastróficas e dos incêndios florestais devastadores este ano, quase metade dos jovens participantes em uma grande pesquisa global em 39 economias acreditam que evitarão pessoalmente um desastre climático durante suas vidas.

O terceiro relatório anual Climate Reality Barometer da Seiko Epson, que pesquisou mais de 30.000 pessoas, descobriu que quase 49% dos entrevistados com idades entre 16 e 29 anos estão “muito otimistas” ou “um tanto otimistas” de que não serão impactados por eventos como inundações, secas ou deslizamentos de terra, e esse número diminuiu para apenas 32% para os participantes com 55 anos ou mais.

LEIA +
COP28: o que é a conferência do clima e por que ela é importante?

Os custos crescentes são uma preocupação maior do que o aquecimento global para pessoas com menos de 29 anos, embora um clima em mudança seja a questão mais importante para aqueles com 30 anos ou mais.

O relatório procura fornecer uma visão mais aprofundada sobre as opiniões dos jovens nascidos desde 1995, quando as Nações Unidas realizaram sua primeira conferência sobre o clima, uma cúpula anual conhecida como COP. A pesquisa revela que essa chamada “geração COP” não sente o mesmo senso de crise que os grupos mais velhos.

PUBLICIDADE

A ampla familiaridade com as mudanças climáticas e a crença em soluções impulsionadas pela tecnologia podem contribuir para um menor senso de urgência, disse Yasunori Ogawa, diretor-executivo da Seiko Epson, em uma entrevista.

“As pessoas mais jovens, especialmente os desta geração, têm vivido sob o aquecimento global desde o nascimento, então talvez não se sintam tão ameaçadas pela mudança”, disse ele em uma entrevista. A lacuna entre percepção e realidade atmosférica é um risco e exige mais educação, de acordo com Ogawa.

O relatório sugere que muitas pessoas podem não compreender totalmente as consequências e a trajetória do clima da Terra com base nos níveis atuais de emissões provenientes da queima de combustíveis fósseis. O secretário-geral das Nações Unidas, Antonio Guterres, disse no mês passado que “a humanidade abriu as portas para o inferno” e afirmou que é necessária uma ação urgente para evitar um aumento de temperatura de 2,8ºC que afetará de forma desproporcional os mais pobres do mundo.

PUBLICIDADE

As mudanças climáticas já estão exacerbando a inflação e eventos climáticos extremos, como seca, inundação e temperaturas mais altas, estão prestes a impactar a agricultura, aumentando a pressão sobre o fornecimento de alimentos à medida que o aquecimento global se acelera. O aumento das temperaturas poderia elevar a inflação alimentar anual entre 0,9% e 3,2% ao ano até 2035, de acordo com um relatório do Banco Central Europeu (BCE).

A Seiko Epson, uma fabricante de tecnologia conhecida por suas impressoras, encomenda a pesquisa anualmente desde 2021, à medida que busca entender as atitudes e expectativas dos consumidores em diferentes mercados globalmente. O relatório foi conduzido pela Opinion Matters.

Muitos dos entrevistados disseram que já estão fazendo mudanças comportamentais e reduzindo o consumo para ajudar a combater as mudanças climáticas. Em todos os grupos etários, cerca de 38% disseram que estão viajando menos internacionalmente a trabalho e lazer, e cerca de 30% disseram que planejam fazer essa mudança no futuro. Cerca de 20% relataram que trocaram para um veículo elétrico e 51% disseram que esperam fazê-lo no futuro.

A 28ª conferência climática das Nações Unidas ocorrerá este ano em Dubai, de final de novembro a início de dezembro.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também:

Gêiseres que inspiraram ‘Inferno’ de Dante podem resolver dilema energético da Europa

PUBLICIDADE

Novo índice mede vulnerabilidade de negócios às mudanças ambientais

Como o McDonald’s vê a proposta para acabar com embalagens descartáveis na Europa