CEO da Embraer vê mais demanda por aviões enquanto rivais enfrentam atrasos

Francisco Gomes Neto afirma que a fabricante brasileira tem visto maiores pedidos de companhias aéreas por jatos do modelo E2, de médio alcance

As companhias aéreas aumentaram suas frotas depois que a demanda por viagens se recuperou após a pandemia
Por João Lima
26 de Maio, 2023 | 02:39 PM

Bloomberg — A Embraer (EMBR3) vê mais demanda por seus jatos E2, principalmente da Europa, Ásia e América Latina, num momento em que as rivais Airbus e Boeing (BA) enfrentam dificuldades para aumentar a produção e atender a carteira de pedidos.

A fabricante brasileira de aviões também estuda fazer aquisições nos negócios de manutenção e reparo na Europa e nos Estados Unidos para expandir seus negócios de serviços, disse o CEO Francisco Gomes Neto em entrevista à Bloomberg News perto de Lisboa na quinta-feira (25).

As companhias aéreas de todo o mundo aumentaram suas frotas depois que a demanda por viagens se recuperou após a pandemia da covid-19. A Embraer e a arrendadora de aviação comercial Azorra anunciaram um acordo para 10 jatos E195-E2 com a SKS Airways, companhia aérea da Malásia.

Mesmo enquanto trabalha para aumentar sua carteira de pedidos para o modelo, a Embraer enfrenta problemas com o motor do E2, uma aeronave de médio alcance fabricada pela empresa

PUBLICIDADE

Este mês, a holandesa KLM disse que reduziria a programação de voos para o verão no Hemisfério Norte em sua subsidiária Cityhopper por causa de problemas técnicos que afligem sua frota de E2s.

O E2 é movido por turbinas Pratt & Whitney GTF que também afetaram alguns dos jatos A320neo mais vendidos da Airbus. A GoFirst da Índia tem proteção contra insolvência, culpando a falha dos motores Pratt por aterrar cerca de metade de sua frota de Airbus A320neos. Variantes do motor GTF também alimentam o modelo menor A220 da Airbus, que compete com a maior variante do E2.

Gomes Neto disse que os recentes problemas com as turbinas Pratt & Whitney GTF podem fazer com que alguns clientes potenciais adiem suas decisões de compra.

PUBLICIDADE

“Acho que todos os aviões que têm esse motor acabam sofrendo um impacto”, disse o CEO. “Os aviões da Embraer estão sofrendo menos que os outros. Sim, pode haver algum cliente que decida adiar uma compra por causa disso. Mas temos várias campanhas de vendas em andamento, achamos que isso não deve ser um grande problema.”

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Casino, dono do Pão de Açúcar, inicia negociação para sanar dívida de € 5,1 bi

Pimco pode entrar em ação coletiva para reaver perdas com títulos do Credit

Adeus, guerra das maquininhas? PagSeguro vira PagBank e mira banco completo, diz CEO