O que a temporada de balanços revela sobre os lucros das empresas americanas

Temores de uma queda dos lucros das companhias de capital aberto nos Estados Unidos já se concretizaram e a expectativa é de mais um trimestre de retração

Empresas americanas tiveram o segundo trimestre consecutivo de queda nos lucros
Por Farah Elbahrawy
14 de Maio, 2023 | 07:32 AM

Bloomberg — Enquanto a economia dos Estados Unidos oscila à beira da recessão, Wall Street já está enfrentando o que pode se tornar a mais prolongada queda nos lucros corporativos em sete anos.

Com a temporada de balanços do primeiro trimestre chegando ao fim, estima-se que os lucros das empresas do S&P 500 tenham caído 3,7% em média, em comparação com o ano anterior.

Embora os dados compilados pela Bloomberg Intelligence mostrem que 78% das empresas superaram as previsões, isso é menos impressionante do que parece, visto que os analistas reduziram suas expectativas antes do início da temporada.

Foi o segundo trimestre consecutivo de queda nos lucros para as empresas americanas. As previsões de ganhos pessimistas agora se concentram no período de abril a junho, para o qual está prevista uma queda de 7,3% no lucro, de acordo com dados compilados pela Bloomberg Intelligence.

PUBLICIDADE

E o aperto das taxas de juros mais altas e da demanda fraca do consumidor se estenderá até o terceiro trimestre de 2023, avaliam os analistas, que revisaram as previsões anteriores de que a recuperação dos lucros ocorreria já nessa época.

Isso implica uma queda dos lucro mais longa do que durante a pandemia. Uma retração nos lucros de mais de três trimestres foi observada pela última vez em 2015 a 2016, quando o Federal Reserve iniciou seu último ciclo de alta nas taxas de juros.

Não é de surpreender que o índice S&P 500 não tenha registrado ganhos desde que os principais bancos de Wall Street iniciaram a temporada de resultados em meados de abril.

“Os otimistas observariam que os piores prognósticos dos analistas não se concretizaram e grande parte das empresas superou suas metas no primeiro trimestre”, disse Marija Veitmane, estrategista sênior da State Street Global Markets. “Os pessimistas diriam que os lucros estão diminuindo e que a orientação futura é fraca.”

Aqui estão as principais conclusões da temporada de resultados e o que procurar nos próximos trimestres:

Margens pressionadas

A desaceleração da economia tem afetado as margens de lucro, que, de acordo com as previsões de consenso, não se recuperarão antes do último trimestre de 2023.

A PayPal estava entre as empresas que alertaram recentemente que as margens operacionais ajustadas não crescerão tão rapidamente quanto o previsto. A Tyson Foods foi outra que cortou a projeção de sua margem.

PUBLICIDADE

“Embora os lucros do primeiro trimestre pareçam fortes, vemos rachaduras surgindo onde o crescimento das vendas está superando o crescimento dos lucros – um aperto nas margens corporativas”, disse Anneka Treon, diretora administrativa da Van Lanschot Kempen.

Expectativa de margens pressionadasdfd

As empresas recorreram à demissão de trabalhadores, com dezenas de milhares de empregos eliminados em vários setores, da tecnologia ao varejo. O impacto deve aparecer nos ganhos do período de abril a junho.

O estrategista do Morgan Stanley, Michael Wilson, prevê “margem negativa adicional” nos próximos meses, com os custos trabalhistas sendo um grande vento contrário e uma economia mais fraca prejudicando o poder de precificação das empresas.

Crise bancária

A crescente receita de juros, de operações de investimentos, e os maiores fluxos de depósitos nos grandes bancos permitiram que os lucros dessas instituições reduzissem o estresse financeiro de março. O CEO do JPMorgan Chase, Jamie Dimon, declarou que a crise estava próxima do fim.

Mas outros ventos contrários se aproximam. À medida que mais americanos atrasam os pagamentos, os quatro maiores bancos dos EUA viram as provisões de empréstimos ao consumidor subirem 73% em relação aos níveis do ano anterior.

As provisões dispararam, enquanto empresas menores, como a Lazard, enfrentam pressão de negociações mais lentas.

“As consequências em empresas menores, à medida que os empréstimos bancários são bastante reduzidos, também podem aparecer nos mercados financeiros, à medida que a atividade geral dos negócios desacelera, e também deve impactar o consumidor”, disse Paul de la Baume, estrategista sênior de mercado do FlowBank.

Os problemas podem se espalhar para o setor imobiliário comercial, de acordo com a diretora executiva da Franklin Templeton Investments, Jenny Johnson, que observou que os pequenos bancos respondem por 25% dos empréstimos a esse setor.

Inadimplências de hipotecas de alto nível por empresas como Brookfield e Columbia Property Trust já abalaram o setor imobiliário, deixando o índice imobiliário S&P 500 estável este ano, contrariando os ganhos no índice de referência mais amplo.

Dominância das empresas de tecnologia

As empresas de tecnologia foram um ponto positivo no primeiro trimestre, com Apple, Meta Platforms, Alphabet, controladora do Google, e Amazon, todas superando as expectativas. Elas também se beneficiam dos sinais de que o Federal Reserve parou de aumentar as taxas de juros.

Ainda assim, os ganhos do setor devem cair mais de 7% no segundo trimestre. Além disso, as empresas de tecnologia representam 35% da participação do S&P, mas pouco menos de 30% dos lucros, observam analistas da Bloomberg Intelligence.

Mais longa queda dos lucros desde 2016dfd

Eles disseram que o crescimento dos ganhos das empresas de tecnologia, mídia e telecomunicações deve ficar atrás do índice mais amplo até 2024, deixando as ações vulneráveis.

Thomas Hayes, presidente da Great Hill Capital, está entre os investidores que procuram capitalizar os retrocessos de curto prazo do setor de tecnologia. A próxima queda nos lucros da tecnologia é “informação conhecida e o mercado começará a esperar a recuperação dos lucros em 2024 nos próximos meses”, disse Hayes.

Os desenvolvimentos de inteligência artificial podem ser fundamentais, já tendo impulsionado comícios na Nvidia., Microsoft e Alphabet. Todos os três correram para adicionar recursos de IA a seus produtos, tornando-os entre os maiores contribuintes para os ganhos do S&P 500 deste ano.

Impulso da China

A reabertura da China foi crucial para os mercados, com empresas de luxo e commodities obtendo lucros enormes.

Embora as empresas americanas dependam menos das vendas chinesas do que as europeias e asiáticas, empresas como a Tapestry, dona da Coach, e a operadora de cassinos Las Vegas Sands relataram um aumento nos lucros com a recuperação da China.

Mas enquanto o crescimento chinês no primeiro trimestre atingiu o maior nível em um ano, o crédito e a demanda do consumidor parecem estar falhando.

“O melhor do momento provavelmente ficou para trás”, escreveu o estrategista do JPMorgan, Mislav Matejka.

Recompras de ações

As recompras de ações têm sido uma das maiores fontes de impulso para Wall Street e para o lucro por ação das próprias empresas. Agora as operações diminuíram à medida que os juros aumentam e as reservas de caixa recuam.

As recompras das empresas que fazem parte do S&P 500 no primeiro trimestre ficaram 21% abaixo dos níveis do ano anterior, de acordo com o Goldman Sachs.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Este CEO prodígio lidera um negócio de US$ 7,5 bi em receita em Wall Street

Campos Neto diz que juros são altos no Brasil por causa da dívida pública elevada