Tesla fará recall de 1,1 milhão de carros na China por defeito nos freios

Número representa praticamente todos os carros vendidos pela empresa no país asiático; montadora não se pronunciou sobre modelos em outros países

A Tesla vendeu cerca de 1,13 milhão de carros na China de 2014 a março, de acordo com dados do China Automotive Technology and Research Center e da Bloomberg Intelligence.
Por Bloomberg News
12 de Maio, 2023 | 06:28 AM

Leia esta notícia em

Espanhol

Bloomberg — A Tesla (TSLA) retirou praticamente todos os carros que vendeu na China devido a um defeito de frenagem e aceleração que pode aumentar os riscos de colisão e segurança. A montadora implantará uma correção da tecnologia over-the-air de seu software para mais de 1,1 milhão de veículos produzidos em Xangai de janeiro de 2019 a abril deste ano, além de alguns modelos importados para a China, informou a Administração Estatal de Regulamentação do Mercado na sexta-feira (12) em um comunicado.

A montadora de Elon Musk, líder em vendas em carros elétricos no mundo, não se pronunciou sobre se o defeito pode ocorrer também em modelos vendidos em outros países.

O defeito está relacionado ao sistema de frenagem regenerativa da Tesla, que utiliza a energia criada quando os motoristas tiram o pé do acelerador enviando energia para a bateria do carro. Os veículos não permitem que os motoristas definam a intensidade de sua frenagem regenerativa e não alertam os motoristas quando pisam no acelerador por muito tempo, o que aumenta a probabilidade de aplicação incorreta do pedal, disse o agente regulador da China.

LEIA +
Musk alcança feito com guerra de preços da Tesla: levar rivais a repensar planos

A correção do software permitirá que os motoristas definam a intensidade de sua frenagem regenerativa e ajustem o estado padrão de fábrica do sistema. Os carros da empresa também começarão a notificar os motoristas quando eles pressionarem o acelerador por um período prolongado.

PUBLICIDADE

Os representantes da Tesla não responderam imediatamente a um pedido de comentário da Bloomberg News. As ações da montadora subiam 1,3% a partir das 5h de sexta-feira em Nova York, antes do início do pregão regular.

A Tesla vendeu cerca de 1,13 milhão de carros na China de 2014 a março, de acordo com dados do China Automotive Technology and Research Center e da Bloomberg Intelligence.

A empresa foi criticada na China várias vezes devido a motoristas alegando que havia problemas com aceleração e frenagem em seus carros.

PUBLICIDADE

Talvez no caso mais conhecido, um proprietário do Model 3 subiu em um veículo de exibição da Tesla no Salão do Automóvel de Xangai de 2021 e gritou que seu pai quase morreu quando dirigia o sedã porque seus freios falharam. O protesto foi capturado pela câmera, se tornou viral e ganhou as manchetes internacionais.

A Tesla finalmente emitiu um pedido público de desculpas depois de enfrentar críticas das autoridades locais e da mídia estatal, sem reconhecer qualquer defeito. Posteriormente, a empresa divulgou registros de dados do veículo mostrando que ele estava viajando a 118,5 quilômetros por hora (74 milhas por hora) pouco antes do impacto.

Um incidente separado em novembro de 2022 envolveu um acidente fatal com um veículo utilitário esportivo Model Y. Tesla disse novamente que o incidente não foi causado por um mau funcionamento, apontando para dados retirados do carro que não mostram nenhuma prova de que o pedal do freio foi aplicado antes do acidente, e um vídeo que mostrava que as luzes de freio permaneceram apagadas.

O acelerador foi fortemente acionado antes do acidente, que matou um motociclista e um estudante do ensino médio em uma bicicleta.

Embora os reguladores tenham estudado os incidentes de aplicação incorreta do pedal por décadas, a questão ganhou destaque com os recalls de aceleração não intencional da Toyota Motor a partir de 2009.

A aceleração não intencional pode se tornar mais comum e aguda com veículos elétricos, que não têm o ruído de um motor acelerando que pode levar o motorista a perceber mais rapidamente que pressionou o pedal errado. Pisar no acelerador de um EV também produz torque quase instantâneo, levando os veículos a decolarem mais rápido do que os carros a gasolina.

A China é um mercado extremamente importante para a Tesla, tanto como fonte de produção quanto de vendas. A receita no país subiu para mais de US$ 18 bilhões no ano passado, mais de seis vezes o que a empresa gerou em 2019.

PUBLICIDADE

A montadora com sede em Austin, Texas, tem uma fábrica de veículos elétricos nos arredores de Xangai que produziu quase 711.000 carros no ano passado, mais da metade de sua produção mundial.

-- Com a colaboração de Linda Lei.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE

Musk deixará comando do Twitter e diz que terá executiva como CEO

Musk sob pressão: grupo de acionistas da Tesla cobra conselho sobre ‘má gestão’