Mercados

O que diz Wall Street sobre a decisão do Fed sobre a taxa de juros

Embora a equipe do Fed preveja uma recessão leve, seu presidente indicou que espera um ritmo modesto de crescimento para a economia dos EUA em 2023

Wall Street
Por Isabelle Lee e Jessica Menton
04 de Maio, 2023 | 05:16 AM

Leia esta notícia em

Espanhol

Bloomberg — O Fed deixou Wall Street boquiaberto na quarta-feira.

Na declaração que acompanha o aumento de 0,25 ponto percentual na taxa de juros, o banco central retirou a linguagem anterior que afirmava que “algum aperto adicional na política monetária” poderia ser justificado. Seu presidente, Jerome Powell, observou que as expectativas do setor bancário haviam “melhorado em todos os aspectos” desde o início de março.

Entretanto, os investidores ainda têm muitas dúvidas. Embora a equipe do Fed preveja uma recessão leve, seu presidente indicou que espera que a economia dos EUA registre um ritmo modesto de crescimento em 2023. E apesar de dizer que os juros “provavelmente estão” em um nível suficientemente restritivo, não será “um caminho fácil” de volta à meta de inflação de 2%.

Enquanto Powell falava, o S&P 500 oscilou entre ganhos e perdas, antes de fechar em baixa de 0,7%. Os rendimentos do Tesouro recuaram. Enquanto isso, os futuros dos Fed Funds indicaram que a previsão para um aumento da taxa em junho caiu para cerca de 2%.

PUBLICIDADE
S&P 500dfd

“O fato de o mercado de ações ter dificuldades para descobrir o que fazer a partir daqui é uma indicação de que isso já foi descontado”, disse Scott Ladner, diretor de investimentos da Horizon Investments, por telefone. “Agora, daqui para frente, os investidores querem saber quanto peso o Fed dará ao endurecimento das condições de crédito decorrentes do estresse dos bancos regionais.”

Para este analista, este é o fim do ciclo de aumentos. “Seriam necessários números de inflação bastante desastrosos para que o Fed voltasse a aumentar em junho.”

LEIA +
Possível pausa do Fed impulsiona ativos de risco e cobre se recupera

Estas são as opiniões de outros profissionais de Wall Street:

Jay Woods, estrategista global chefe da Freedom Capital Markets:

PUBLICIDADE

As nuvens de tempestade ainda persistem, Powell nos deu o que esperávamos, mas ele realmente não ofereceu aos investidores a mensagem de que tudo está claro e tranquilo. A crise bancária regional ainda não acabou. Apesar do que Powell disse, ele não nos deu nenhuma orientação sobre quais serão os próximos passos do Fed ou um sinal de “tudo limpo”. Ele não entrou em pânico com relação aos bancos regionais, mas também não tranquilizou os investidores.

Eric Winograd, economista sênior da AllianceBernstein para os EUA:

Para ser claro, o Fed ainda tem um viés restritivo: ele precisará de confirmação dos dados de que a orientação da política monetária está suficientemente rígida. Essa confirmação acabará assumindo a forma de inflação mais lenta, crescimento mais fraco do emprego e/ou atividade de empréstimos mais fraca do setor bancário. Enquanto isso, eles continuam a falar sobre possíveis aumentos nas taxas, o que, por enquanto, eles consideram mais provável do que cortes nas taxas. Entretanto, pelo menos provisoriamente, o Fed acredita que pode ter feito o suficiente para reduzir a inflação ao longo do tempo, de acordo com as expectativas refletidas no gráfico de pontos publicado em março.

Zhiwei Ren, gerente de portfólio da Penn Mutual Asset Management:

A decisão sobre as taxas atende às expectativas do mercado: ela se inclina um pouco para o lado ‘hawkish’ porque não há sinal de uma pausa.

Matt Maley, estrategista-chefe de mercado da Miller Tabak + Co:

Foi interessante que ele tenha contradito o que a equipe do Fed disse no Livro Bege, mas também que ele não tenha dito que eles estavam errados. Ele disse o que eu esperava, quando afirmou que uma recessão leve é possível, mas que não via uma grande recessão. O presidente do Fed nunca admite uma recessão total até que já estejamos em uma.

PUBLICIDADE

Lindsay Rosner, gerente de portfólio multissetorial da PGIM Fixed Income:

Nosso ponto de vista é de uma recessão técnica, quando é o ponto de interrogação, mas provavelmente 3Tri/4Tri. Se Powell acabou de afirmar que a estrutura em que estão operando é de crescimento modesto, não de recessão, isso sugere que eles precisam mudar de rumo se virem uma recessão. É por isso que achamos que eles terão que cortar.

Torsten Slok, economista-chefe da Apollo Global Management (APO), na Bloomberg TV:

Ainda há esse incrível foco a laser na inflação. E eu realmente acho que a inflação em números redondos de 5% ainda é muito alta em relação à meta de 2%. Portanto, eles ainda estão olhando pelo espelho retrovisor e dizendo: “Ainda não sabemos qual será a gravidade dessa crise bancária e, portanto, não sabemos o quanto as condições de crédito ficarão mais rígidas”. "

PUBLICIDADE

Adam Phillips, diretor administrativo de estratégia de portfólio da EP Wealth Advisors:

Apesar de alguns argumentos para uma pausa antes desta reunião, Powell mais uma vez obteve apoio unânime para outro aumento de 25 pontos-base. É provável que as decisões políticas futuras sejam menos claras, e o Fed está mantendo suas opções em aberto por enquanto.

LEIA +
Crise bancária mal começou e Fomc deveria fazer pausa no aperto, diz ex-Fed

Gina Bolvin, presidente do Bolvin Wealth Management Group:

Claramente, Powell acredita que a economia está forte o suficiente para continuar a apertar. Uma constatação importante é que a votação foi unânime.

PUBLICIDADE

Sonia Meskin, diretora macroeconômica dos EUA no BNY Mellon (BK):

A avaliação dos dados [de Powell] reflete, em linhas gerais, a visão de sucesso limitado na frente da inflação e do mercado de trabalho, mas ainda há trabalho a ser feito, seja mantendo a política rígida por algum tempo ou aumentando mais as taxas se o ímpeto da inflação não desacelerar de forma geral e se as condições financeiras permitirem, embora, é claro, eu não diria explicitamente a última opção.

PUBLICIDADE

Whitney Watson, codiretor global e codiretor de renda fixa e soluções de liquidez de TI da Goldman Sachs Asset Management:

Do ponto de vista tático, acreditamos que a precificação implícita no mercado para a flexibilização da política no final deste ano tem espaço para diminuir ainda mais. Estruturalmente, acreditamos que os rendimentos mais altos e um mundo de maior incerteza criam um forte argumento para que os investidores restabeleçam as alocações em títulos básicos de alta qualidade.

-- Colaboraram Eric J. Weiner, Norah Mulinda, Edward Harrison, Carly Wanna e Vildana Hajric.

PUBLICIDADE

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também:

Como a pausa ‘hawkish’ do Fed tende a afetar os mercados de ações