Lanchas e iates do Brasil ganham exterior com incentivo fiscal e menores custos

Modelo que custa até US$ 700 mil é exposto pela primeira vez em eventos náuticos nos EUA; cinco estaleiros brasileiros revelam suas apostas para 2023

Lancha Triton 300 Sport, do estaleiro brasileiro Triton Yachts, chega aos EUA para evento naútico em Miami
16 de Abril, 2023 | 11:35 AM

Bloomberg Línea — Fabricantes brasileiras de embarcações de luxo miram cada vez mais o mercado norte-americano. A exposição dos novos modelos de lanchas, que chegam a custar até US$ 700 mil ( R$ 3,7 milhões), é uma das estratégias para impulsionar as vendas externas dos estaleiros.

LEIA +
O super iate de US$ 500 milhões comprado por Jeff Bezos para suas viagens

As vantagens da embarcação nacional se devem a incentivos fiscais e ao custo menor de produção. Neste ano, feiras náuticas em cidades da Flórida, como Miami, Palm Beach e Fort Lauderdale, têm recebido barcos produzidos no Brasil.

É o caso da fabricante Triton Yachts, com sede em São José dos Pinhais, no Paraná, que estreou no Miami International Boat Show, considerado o maior evento náutico do mundo, em fevereiro. Três modelos da marca foram expostos, como a recém lançada Triton Flyer 38 T-TOP, avaliada em R$ 1,5 milhão, além dos modelos Triton 300 Sport e Triton 370HT.

Outro estaleiro nacional, o Fishing Raptor, levou a Fishing 390 Solarium para o Palm Beach Internacional Boat Show, feira náutica que terminou no dia 26 de março. A embarcação, com quase 12 metros de comprimento e capacidade de receber até 16 passageiros, é avaliada em US$ 700 mil.

PUBLICIDADE
Estaleiro brasileiro Armatti Yachts entrega o primeiro modelo da Armatti 420 Sport Fly em Miamidfd

Já o estaleiro catarinense Armatti Yachts tem apostado na exportação de modelos de lanchas superesportivas que variam entre 30 e 52 pés. Em outubro, a marca entregou o primeiro modelo da nova Armatti 420 Sport Fly em Miami. A embarcação de 42 pés é avaliada em R$ 2,7 milhões.

O empresário e engenheiro Fernando Assinato, diretor da Fishing Raptor, conta que o estaleiro já vendeu mais de 20 unidades da nova lancha Fishing 390 Solarium no Brasil e no exterior. O público norte-americano tem se interessado, segundo ele, por esses modelos, pois são projetados para navegar longas distâncias.

“As embarcações podem ser equipadas com três motores de 400hp e promover uma navegação acima de 60 nós de velocidade, equivalente a quase 115km por hora”, disse o executivo à Bloomberg Línea.

PUBLICIDADE

Parceria

Na Flórida, outro evento náutico na agenda dos principais estaleiros do mundo é o Fort Lauderdale International Boat Show, o FLIBS, que neste ano está marcado para 25 a 29 de outubro.

O diretor da Triton Yachts, Allan Cechelero, destaca o papel de fechar parcerias para expandir a atuação internacional do estaleiro. Ele diz que o mercado norte-americano é exigente e que, para conquistar clientes por lá, é preciso participar de feiras na Flórida, como em Miami e Fort Lauderdale.

Na América do Norte, a Triton Yachts atua por meio da marca Hanover em parceria com o Blueride Marine LLC Group, dealer exclusivo.

LEIA +
Os imóveis de luxo mais caros em que o mercado aposta para os próximos anos

“Para expandir ainda mais a nossa atuação no país, a Triton Yachts passou a ser representada pela marca Hanover e fechou parceria com o Blue Ride Group, revendedor exclusivo dos modelos no local. Além disso, o Miami Boat Show foi uma excelente oportunidade de ter uma aproximação ainda maior com os nossos clientes”, disse Cechelero.

Desbravar o mercado norte-americano é visto como um divisor de águas para os estaleiros nacionais.

“É gratificante a primeira exportação deste modelo em tão pouco tempo, principalmente com o lançamento realizado há menos de um ano. No Brasil, já foram mais de cinco unidades vendidas, algumas ainda em fase de projeto”, disse o CEO da Armatti Yachts, Fernando Assinato.

Austrália

Outros países estão no radar dos estaleiros. A marca catarinense de iates de luxo Okean Yachts já exporta embarcações para países como EUA, França, Espanha e Japão. A próxima aposta é a Austrália, que tem cerca de 1 milhão de barcos registrados espalhados por 350 marinas, sendo 35% importados.

PUBLICIDADE
No começo do ano, chegou ao mercado o barco OKEAN Yachts de 15 metros de comprimento, 52 pés, que custa cerca de R$ 10 milhões.dfd

Em janeiro, o modelo de iate Okean 52, avaliado em R$ 10 milhões, desembarcou na cidade de Melbourne, no estado de Vitória, na Austrália. O estaleiro, que tem seis anos de atuação, diz já ter entregue mais de R$ 400 milhões em embarcações de recreio, sendo 90% do volume de produção destinado à exportação.

“Imaginamos ter, em breve, mais embarcações da Okean Yachts navegando na Austrália, especialmente depois de importantes eventos como o Boat Show de Sidney, que ocorre em julho, e de feiras de iates como a de Queensland, no leste do país, com barreiras de corais e muito conhecida pela navegação em função das belezas naturais”, diz Ike Moreira Ferreira, diretor da Okean Yachts.

Modelo avaliado em mais de R$ 55 milhões passou a ser fabricado no Brasil, única filial produtiva do estaleiro fora da Itáliadfd

A indústria náutica brasileira também fabrica embarcações de luxo de grande porte, como o Azimut Grande 27 Metri, modelo avaliado em mais de R$ 55 milhões. Desde 2020, o iate passou a ser fabricado também no estaleiro do grupo Azimut Benetti no Brasil, única filial produtiva fora da Itália.

Com fábrica no Brasil desde 2010, a Azimut registrou no país R$ 400 milhões de faturamento durante o ano náutico 2021/2022 (1º setembro de 2021 a 31 de agosto de 2022). Já para o período 2022/2023 a projeção é de ultrapassar R$ 500 milhões, o que representa um crescimento de 25%.

PUBLICIDADE
LEIA +
Brasil é só commodity? Os 5 bens mais valiosos exportados em 2022

O CEO da Azimut Yachts Brasil, Francesco Caputo, diz que os projetos de megaiates buscam se inspirar em residências de alto luxo. É o caso do Grande 27 Metri, que o estaleiro considera o iate mais luxuoso fabricado no Brasil, com seus 27 metros, produzido no parque fabril em Itajaí, Santa Catarina.

Confira a seguir os principais destaques da entrevista com o CEO do estaleiro Fishing Raptor, Fernando Assinato, editada para fins de maior clareza:

Bloomberg Línea: Em relação ao ano passado, houve aumento de custos e repasse para o produto com reajuste nos preços das lanchas?

Fernando Assinato: Nos últimos dois anos, sentimos um aumento no custo de produção e insumos de nossas embarcações e, consequentemente, esse aumento impacta no valor final. Por outro lado, a exportação dos produtos dribla as oscilações da inflação por conta do câmbio e valorização do dólar, e isso nos permite vender as embarcações com um valor final mais expressivo no exterior, principalmente nos EUA.

PUBLICIDADE

Qual a vantagem da lancha produzida no Brasil na percepção dos clientes estrangeiros em termos de preços e características?

A principal vantagem de uma lancha produzida no Brasil é ter um custo produtivo mais baixo em relação a outros países, especialmente as lanchas produzidas em Santa Catarina, devido ao incentivo fiscal. Desta forma, grandes estaleiros escolheram o estado para ter filial produtiva no Brasil. Além disso, a mão de obra do sul do país é uma das mais qualificadas e responde por 80% da produção da frota brasileira.

PUBLICIDADE

No mercado mundial de lanchas, qual a posição do Brasil em termos de vendas?

A avaliação da Acobar [Associação Brasileira dos Construtores de Barcos e seus Implementos] é que o Brasil é um país com bastante potencial, mas ainda está em um processo de amadurecimento náutico. Hoje, o Brasil tem capacidade de produzir 3.500 barcos em fibra de vidro por ano, entre 16 e 100 pés, e parte desse volume é exportado. A associação confirma que em 2021, por exemplo, foi observado um crescimento de 10% no número de exportações e, em 2022, esse percentual chegou a 30%.

Leia também:

PUBLICIDADE

Efeito Ozempic? Nova droga para emagrecer faz empresa dobrar de valor

Rolex tem nova aposta na indústria de luxo: relógios de titânio

Quer morar em NY? Aluguel de apartamentos em Manhattan alcança novo recorde

Sérgio Ripardo

Jornalista brasileiro com mais de 25 anos de experiência, com passagem por sites de alcance nacional como Folha e R7, cobrindo indicadores econômicos, mercado financeiro e companhias abertas.