Mercados

Ações do Deutsche Bank despencam 8% em novo episódio de estresse bancário

Banco alemão anunciou de forma inesperada resgate de certos títulos, em momento em que investidores estão avessos a risco no setor

Ações chegaram a cair perto de 15% nesta sexta, para fechar com queda na casa de 8% em Frankfurt
Por Macarena Munoz
24 de Março, 2023 | 09:19 AM

Leia esta notícia em

Espanhol
Últimascotações

Bloomberg — O Deutsche Bank (DB) está no centro de outro sell off das ações do setor financeiro nesta sexta-feira (24). Os papéis do banco alemão, que chegaram a cair mais de 10% na Bolsa de Frankfurt, amenizaram as perdas e encerraram com queda de 8,53%.

Os contratos de credit default swaps (CDS) sobre a dívida sênior em euro do Deutsche Bank subiram para o nível mais alto desde que foram introduzidos em 2019, quando a Alemanha reformulou sua estrutura de dívida.

LEIA +
Os escândalos e a desconfiança que acabaram com o Credit Suisse após 166 anos

Outros bancos com alta exposição a empréstimos corporativos também caíam, caso do Commerzbank, que recuou 5,45% em Frankfurt, e o Société Générale, da França, com queda de 6,13%.

Nesta sexta, um título subordinado de nível 2 do Deutsche Bank subiu em relação ao valor de face depois que o banco anunciou inesperadamente sua decisão de resgatar a nota antecipadamente.

PUBLICIDADE

As notas, que vencem em 2028, caíram para 90 centavos após a eliminação adicional de títulos de nível 1 (chamados de AT1) do Credit Suisse, de acordo com dados compilados pela Bloomberg.

Embora o preço tenha se recuperado nos últimos dias, ainda era negociado em níveis de cerca de 94 centavos, sugerindo uma grande probabilidade de o Deutsche Bank não honrar a opção de compra.

O colapso do Silicon Valley Bank e o resgate de emergência do Credit Suisse (CS) no fim de semana passado, com sua compra pelo UBS, abalaram os investidores e levantaram questões sobre a estabilidade do setor financeiro em um momento de altas taxas de juros e alta inflação.

PUBLICIDADE

Os movimentos seguem perdas em bancos dos Estados Unidos de quinta-feira (23), que caíram mesmo depois que a secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, disse aos legisladores que os reguladores estariam preparados para novas medidas para proteger os depósitos, se necessário.

- Matéria atualizada às 15h30 (horário de Brasília) com as cotações de fechamento na Europa.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Crise bancária é catalisador do bear market, diz Wilson, do Morgan Stanley

Americanas deixa de ser marca bilionária após calote e recuperação judicial

Softbank vê janela para IPOs de startups da América Latina no fim do ano