Demanda alta faz Lego contratar funcionários enquanto rivais do setor demitem

Empresa dinamarquesa também recrutará mais pessoas para impulsionar o esforço de tornar seus blocos de construção coloridos mais sustentáveis

Demanda por brinquedo aumenta contratação na empresa
Por Christian Wienberg
08 de Março, 2023 | 11:16 AM

Bloomberg — Novos conjuntos de peças coloridas de Lego estão impulsionando as vendas e contribuído para o esforço de maior recrutamento da gigante dos brinquedos.

Conjuntos temáticos de blocos de construção baseados na popularidade de Star Wars e Harry Potter ajudaram a empresa dinamarquesa a registrar um salto de 17% na receita de 2022. A empresa agora está usando o momento para investir em crescimento.

O CEO Niels B. Christiansen diz que isso envolve a contratação de milhares de novos funcionários em um momento em que a indústria de brinquedos está cortando.

Em entrevista à Bloomberg News na terça-feira (7), o CEO disse que a Lego quer contratar mais 500 especialistas digitais na Dinamarca, Reino Unido e China, além de até 6.000 trabalhadores para suas novas fábricas nos Estados Unidos e no Vietnã ao longo de vários anos.

PUBLICIDADE

A empresa dinamarquesa, que pertence à família bilionária Kirk Kristiansen, também recrutará mais pessoas para impulsionar o esforço de tornar seus blocos de construção coloridos mais sustentáveis, disse ele.

“Estamos crescendo e conquistando participação de mercado e, para continuar assim, precisamos de mais funcionários”, disse ele. “Estamos em um bom momento em comparação com o resto da indústria.”

A onda de contratações da Lego é uma exceção no mercado de brinquedos, que encolheu no ano passado. Suas maiores rivais, Mattel e Hasbro, reduziram o número de funcionários em 2022, e a Hasbro planeja cortar mais cerca de 15% de sua força de trabalho este ano, após uma decepcionante temporada de compras de fim de ano.

PUBLICIDADE

No final do ano passado, a Lego apresentou diversos personagens como parte de sua linha de produtos “Lego Friends”, incluindo alguns com Síndrome de Down, ansiedade, vitiligo e até um cachorro em cadeira de rodas. Ela planeja mais produtos desse tipo, disse Christiansen.

“A recepção tem sido muito positiva” e “é interessante como as crianças querem que os seus brinquedos se relacionem com a sua realidade”, disse o CEO. “Crianças com algum tipo de deficiência encontram confiança no fato de verem personagens como elas nesses conjuntos de Lego.”

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também:

Pague Menos vê crédito mais caro nos bancos depois do calote da Americanas

Goldman Sachs perde trader ‘estrela’ que chegou a ganhar mais que o CEO

Petrobras acerta parceria e quer construir uma Itaipu em energia eólica