Marisa não pagou o aluguel em janeiro, diz fundo imobiliário da gestora Kinea

É o segundo fundo a informar esta semana o atraso nos pagamentos da varejista, depois do Brasil Varejo; Marisa anunciou recentemente que trabalha na reestruturação das suas dívidas

Varejista de moda enfrenta crise e busca renegociar dívidas
19 de Fevereiro, 2023 | 10:51 AM

Bloomberg Línea — O fundo Kinea Renda Imobiliária (KNRI11) informou em comunicado ao mercado que a varejista Lojas Marisa (AMAR3) não pagou o valor do aluguel referente ao mês de janeiro. Segundo fato relevante do fundo, a receita do contrato representa o equivalente a 4% do faturamento total da carteira de imóveis.

“A Gestora está acompanhando de perto os desdobramentos envolvendo a empresa, bem como está atuando diretamente junto a Lojas Marisa S.A. visando defender os interesses do Fundo”, diz o documento divulgado na noite de sexta-feira (17).

É o segundo fundo imobiliário a relatar um atraso nos pagamentos da varejista de moda. Na última semana, o Brasil Varejo (BVAR11) divulgou, também em fato relevante, que não recebeu o pagamento da Marisa referente ao mês passado. A Marisa é a maior locatária do fundo, correspondendo a 81,74% da receita.

Em nota à Bloomberg Línea, a Marisa afirma que “está em processo de aprimoramento do seu modelo de negócios e decidiu priorizar pagamentos e/ou renegociar contratos, afetando alugueis (predominantemente dos imóveis pertencentes ao grupo de controle da Companhia)”. “Em breve os pagamentos serão normalizados”, diz a varejista.

PUBLICIDADE

Recentemente, a Marisa anunciou uma reestruturação das suas dívidas. Para analistas ouvidos pela Bloomberg Línea, a medida faz parte de uma tentativa de renegociação com credores para que a empresa evite uma recuperação judicial.

Em comunicado ao mercado, a empresa disse que o movimento faz parte de um “processo de otimização financeira e aprimoramento de sua estrutura de capital”.

Foram contratadas as consultorias BR Partners, para trabalhar na reestruturação das dívidas, e Galeazzi Associados, para cuidar do “aperfeiçoamento da estrutura de custos”.

PUBLICIDADE

Leia também

Renegociação de dívidas de empresas preocupa pouco, diz CEO do BTG

Marisa reduz prejuízo após ‘caos’ e trabalha para voltar ao azul em 2022

Tamires Vitorio

Jornalista formada pela FAPCOM, com experiência em mercados, economia, negócios e tecnologia. Foi repórter da EXAME e CNN e editora no Money Times.