Sangria no Grupo Adani supera os US$ 50 bilhões em menos de duas sessões

O homem mais rico da Ásia luta para conter as consequências de um relatório do investidor ativista Nathan Anderson, da Hindenburg Research, que aposta em estratégias de vendas a descoberto

A rota de vendas que está se produzindo derrubou a fortuna de Adani abaixo do limiar de US$ 100 bilhões, marca que ele havia ultrapassou em abril do ano passado
Por Abhishek Vishnoi - Ishika Mookerjee
27 de Janeiro, 2023 | 07:30 AM

Leia esta notícia em

Espanhol

Bloomberg — A venda massiva de ações do império empresarial de Gautam Adani se acelerou na sexta-feira, apagando mais de US$ 50 bilhões de valor de mercado em menos de duas sessões, enquanto o homem mais rico da Ásia luta para conter as conseqüências de um relatório do “short seller” americano Nathan Anderson, da Hindenburg Research.

A queda exerce mais pressão sobre o magnata indiano, uma vez que corrói seu patrimônio líquido e ameaça azedar o sentimento dos investidores rumo à venda de US$ 2,5 bilhões em ações de sua principal empresa, a Adani Enterprises Ltd (Adani).

As perdas se aceleraram mesmo depois que o Grupo Adani refutou as alegações de Hindenburg em uma reunião na quinta-feira com os portadores de obrigações e se comprometeu a publicar uma explicação detalhada na sexta-feira.

As ações da Adani Enterprises perderam mais de 19% na sexta-feira, caindo abaixo do nível de 3.276 rupias. Algumas unidades como Adani Green Energy Ltd. e Adani Total Gas caíram no limite diário de 20%, somando-se a uma selloff de US$ 12 bilhões em empresas do grupo na quarta-feira. Os volumes dessas ações foram pelo menos o triplo de sua média de três meses.

PUBLICIDADE
As ações do Grupo Adani despencaram desde que Hindenburg publicou seu relatóriodfd

O mergulho das ações da Adani sucedem os ganhos impressionantes do grupo dos últimos anos, incluindo alguns dos maiores da Ásia em 2022. O avanço de cinco anos da Adani Enterprises superou até mesmo empresas como a Elon Musk’s Tesla Inc, elevando a Adani do desconhecimento relativo para as fileiras das pessoas mais ricas do mundo.

A rota de vendas que está se produzindo derrubou a fortuna de Adani abaixo do limiar de US$ 100 bilhões, marca que ele havia ultrapassou em abril do ano passado. De acordo com o índice Bloomberg Billionaires, a fortuna de Adani caiu cerca de 15% em relação ao fechamento de quarta-feira, cerca de US$ 97 bilhões de dólares, às 12h24 de Mumbai.

A preocupação com as finanças do grupo percorreu toda a trajetória de ascensão do magnata, com CreditSights dizendo em agosto que o conglomerado de Adani está “profundamente alavancado” com “balanços estendidos”. Mas o relatório Hindenburg colocou um enfoque sem precedentes na governança corporativa do grupo, assim como na Índia como um todo.

”Os problemas atingiram duramente o setor empresarial indiano, onde vários conglomerados familiares dominam”, diz Gary Dugan, diretor executivo do Escritório Global CIO. “Por sua própria natureza, eles são opacos, e os investidores globais têm que tomar as questões de governança corporativa com confiança”. Dugan acrescentou que após os resultados estelares do ano passado, as ações indianas e as ações de qualquer empresa de alto perfil estão expostas ao risco de realização de lucros. “Portanto, o amplo mercado de ações indiano poderia estar correndo o risco de sofrer mais perdas, tendo a Adani como catalisadora”. O índice de referência S&P BSE Sensex da Índia perdeu mais de 1% na sexta-feira, o pior desempenho na Ásia.

Hindenburg emitiu um relatório em 24 de janeiro detalhando as amplas alegações de más práticas corporativas, após uma investigação de dois anos sobre as empresas do magnata. O Grupo Adani disse que está considerando uma ação legal após o relatório “maliciosamente malicioso e sem sucesso” do vendedor. Hindenburg disse que mantém seu relatório, acrescentando que qualquer ação legal tomada contra ele seria sem mérito, de acordo com uma declaração no Twitter.

As empresas ligadas ao Grupo Adani planejam uma resposta pormenorizada na sexta-feira ao relatório que chamam de “falso”, de acordo com detentores de bônus que participaram de uma teleconferência com os executivos da Adani. Na reunião, os investidores foram informados de que as alegações de fraude contabilística dos vendedores a descoberto baseados nos EUA eram “desprovidos de fatos”.

”Parece que pode haver mais inconvenientes e este relatório pode se tornar uma grande questão legal, pois também está causando danos à reputação”, disse Sameer Kalra, fundador da Target Investing in Mumbai.

PUBLICIDADE

Veja mais em Bloomberg

Leia também:

Americanas: calote deve impactar resultados de bancos já no quarto trimestre

Justiça determina busca e apreensão de e-mails da Americanas nos últimos 10 anos