Inverno tech: empresas do setor cortam perto de 130 mil vagas em um ano

Indústria de tecnologia eliminou 97.171 empregos em 2022, com aumento de 649% em relação a 2021, e este ano já começa com mais de 30 mi novas demissões

Empresas conhecidas pelo acrônimo FAANG (Facebook, Apple, Amazon, Netflix e Google), com exceção da Apple até aqui, reduzem seus quadros diante da desaceleração do mercado (Jason Alden/Bloomberg)
Por Saksha Menezes e Lindsey Rupp
21 de Janeiro, 2023 | 10:50 AM

Bloomberg — A decisão da Alphabet (GOOG), a holding do Google, de reduzir o número de funcionários em mais de 6% - o equivalente a cerca de 12.000 cargos -, anunciada nesta sexta-feira (20), aumentou o número de cortes em empresas de tecnologia em todo o mundo.

LEIA +
Demissões ‘contagiosas’: por que tantas empresas fazem cortes ao mesmo tempo

O setor de tecnologia anunciou 97.171 cortes de empregos em 2022, um aumento de 649% em relação ao ano anterior, segundo a consultoria Challenger, Gray & Christmas. Divulgações sobre cortes na holding do Google, na Microsoft (MSFT) e na Amazon (AMZN) somaram mais 30 mil demissões em janeiro.

Grandes empresas de tecnologia se beneficiaram de um boom nos gastos com comércio eletrônico e trabalho remoto que começou durante os bloqueios da pandemia de covid-19 em 2020.

Agora, muitas dessas empresas estão relatando taxas de crescimento decepcionantes e lidando com a queda dos preços das ações à medida que o comportamento do cliente volta ao normal, ao mesmo tempo em que o aumento das taxas de juros encarece o custo de capital e enfraquece a economia.

PUBLICIDADE
Demissões em tecnologia aceleram | Mais de 30.000 papéis cortados até agora em janeiro
dfd

Seus líderes estão dizendo que eles expandiram os quadros pessoais muito rapidamente, como o CEO da Alphabet, Sundar Pichai, que escreveu que assumia “total responsabilidade pelas decisões que nos levaram até aqui”, em um e-mail aos funcionários na sexta-feira.

Aqui está uma lista das techs que cortaram empregos e recuaram nas contratações:

Alphabet

A Alphabet, controladora do Google, anunciou que cortará cerca de 12 mil empregos, mais de 6% de sua força de trabalho global, em uma medida que afetará funções em toda a empresa.

PUBLICIDADE

A companhia divulgou em outubro lucros e receitas do terceiro trimestre que ficaram abaixo das expectativas dos analistas, com os ganhos caindo 27% em relação ao ano anterior.

Investidores começaram a pressionar a gigante das buscas a adotar uma estratégia mais agressiva para conter os gastos.

A TCI Fund Management pediu à empresa que estabeleça uma meta de margens de lucro, que aumente as recompras de ações e que reduza as perdas em seu portfólio, observando que o número de funcionários da Alphabet aumentou 20% ao ano desde 2017.

Amazon

O titã do comércio eletrônico anunciou a demissão de 18 mil funcionários, anunciou o CEO Andy Jassy em 4 de janeiro. Os cortes, que começaram no ano passado, devem afetar cerca de 10 mil empregos.

“A Amazon resistiu a economias incertas e difíceis no passado e continuaremos a fazê-lo”, disse Jassy. “Essas mudanças nos ajudarão a buscar nossas oportunidades de longo prazo com uma estrutura de custos mais forte.”

Em novembro, a Amazon interrompeu as contratações.

Blockchain.com

A plataforma Crypto decidiu dispensar o equivalente a 28% de sua força de trabalho, cerca de 110 funcionários, em sua última rodada de demissões, anunciada no início de janeiro.

PUBLICIDADE

Capital One

A Capital One Financial eliminou centenas de cargos de tecnologia nesta semana, com mais de 1.100 trabalhadores afetados, de acordo com uma pessoa familiarizada com o assunto.

Coinbase

A Coinbase Global vai eliminar 60 posições à medida que o mercado de criptomoedas se retrai. A exchange cripto anunciou em junho que demitiria 18% de sua força de trabalho, ou cerca de 1.200 funcionários.

ConsenSys

A empresa de software Ethereum ConsenSys confirmou que vai eliminar 96 posições, o que representa 11% da força de trabalho total da empresa cripto.

Crypto.com

A Crypto.com planeja cortar cerca de 20% de sua força de trabalho global, anunciou a empresa em 13 de janeiro.

PUBLICIDADE
LEIA +
Onda de demissões ameaça transformar o trabalho nas big techs no Brasil

A empresa não respondeu aos pedidos para informar o número específico de empregos eliminados na época. Kris Marszalek, diretor executivo da empresa, disse que os cortes ajudariam a “posicionar a empresa para o sucesso a longo prazo”.

Genesis

A Genesis Global Trading demitiu 60 funcionários em sua última rodada de demissões, ou cerca de 30% da força de trabalho da corretora de criptomoedas. A empresa agora tem 145 funcionários.

Huobi

A exchange cripto anunciou neste mês a demissão de 20% de seus 1.100 funcionários.

Microsoft

A Microsoft disse que cortará 10 mil empregos neste ano, ou cerca de 5% de sua força de trabalho.

PUBLICIDADE

O CEO Satya Nadella disse em um post e em um e-mail interno aos funcionários em 18 de janeiro que a empresa continuará contratando em “áreas estratégicas importantes”. Depois, no Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, disse que a indústria de tecnologia precisa se ajustar à desaceleração econômica mais ampla.

As demissões em massa se estenderam à sua divisão de videogames, incluindo desenvolvedores dos títulos de sucesso Starfield e Halo. A escala dos cortes na divisão de jogos não está clara.

PUBLICIDADE

“Durante a pandemia houve uma aceleração rápida. Acho que vamos passar por uma fase hoje em que há uma certa normalização na demanda. Teremos que fazer mais com menos - e mostrar nossos próprios ganhos de produtividade com nossa própria tecnologia”, disse o CEO da Microsoft.

Salesforce

A Salesforce cortará cerca de 10% de sua força de trabalho e reduzirá suas propriedades imobiliárias, de acordo com um documento regulatório de 4 de janeiro.

O CEO Marc Benioff disse em uma carta aos funcionários: “Contratamos pessoas demais” durante a pandemia. A empresa de software tinha cerca de 80.000 funcionários. Os cortes incluíram funcionários da Slack, do Tableau e do Mulesoft, empresas que a Salesforce adquiriu nos últimos anos.

PUBLICIDADE

Silvergate

O Silvergate Capital, um banco cripto, disse em janeiro que está demitindo 40% de sua equipe depois que os clientes retiraram US$ 8,1 bilhões em ativos digitais durante o quarto trimestre.

ShareChat

A plataforma de mídia social ShareChat decidiu cortar mais de 500 empregos para reduzir custos, de acordo com um porta-voz.

Stitch Fix

A Stitch Fix cortará cerca de 20% dos funcionários assalariados, enquanto a plataforma de estilo pessoal luta para manter o crescimento de vendas que obteve durante a pandemia. A empresa também fechará seu centro de distribuição em Salt Lake City.

PUBLICIDADE

Twitter

A reviravolta no Twitter tem mais a ver com sua recente compra por Elon Musk - e a dívida que a acompanha - do que com preocupações econômicas ou com os negócios em si. Mas a empresa sofreu alguns dos cortes mais profundos de seus pares no momento.

Depois que Musk, que comprou o Twitter por US$ 44 bilhões em outubro, eliminou cerca de 3.700 empregos em comunicado por e-mail em novembro, os cortes continuaram em janeiro, principalmente para aqueles que supervisionam a moderação de conteúdo global.

Software Unity

A Unity Software anunciou o corte de 284 empregos, sua segunda rodada de redução em menos de um ano em meio a uma ampla retração da indústria de tecnologia.

PUBLICIDADE

Vimeo

A Vimeo anunciou que cortará 11% de sua força de trabalho global em tempo integral, de acordo com um documento regulatório de 4 de janeiro.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Fintechs e startups de varejo: as empresas que levantaram capital na semana

Credit Suisse: ex-funcionários travam batalha legal sobre o pagamento de bônus