Aeroporto europeu vai eliminar geradores a diesel para reduzir emissões

O uso de diesel para a geração de energia é responsável por até 45% das emissões nas operações terrestres do aeroporto de Schiphol, na Holanda

Baterias vão substituir sistema de geradores para carregar a energia de aviões
Por Cagan Koc
20 de Janeiro, 2023 | 10:00 AM

Bloomberg — O aeroporto Schiphol de Amsterdã decidiu abandonar os geradores a diesel e substituí-los por um sistema de baterias para fornecer energia terrestre para aviões em uma tentativa de reduzir as emissões de carbono.

LEIA +
Greenwashing: dúvidas sobre classificação afetam US$ 140 bilhões em ativos

O aeroporto implantará o sistema de bateria da ESS no primeiro trimestre para recarregar caminhões que fornecem energia aos aviões nos portões do aeroporto, de acordo com Oscar Maan, gerente de inovação do Royal Schiphol Group. Atualmente, o uso de diesel é responsável por até 45% das emissões nas operações terrestres de Schiphol.

“Se este piloto for bem-sucedido, será uma vitória dupla, pois reduz nossa pegada de carbono e reduz a poluição do ar”, disse Maan.

Mesmo que Schiphol pretenda tornar os serviços terrestres mais sustentáveis, grande parte das emissões na aviação vem dos voos. As emissões de carbono da aviação representam mais de 2% do total global. E como o número de passageiros e de voos está aumentando, a poluição dos aviões é uma das fontes de gases de efeito estufa que mais cresce, pressionando as companhias aéreas e os aeroportos a descarbonizarem.

PUBLICIDADE

Schiphol lidera o TULIPS, uma iniciativa europeia para acelerar o processo de tornar os aeroportos e a aviação mais sustentáveis. O aeroporto pretende ser energeticamente positivo até 2050.

As iniciativas verdes de Schiphol vêm depois que o governo holandês disse no ano passado que introduziria um corte de capacidade no aeroporto de Amsterdã a partir de novembro de 2023 para reduzir o ruído e a poluição ambiental.

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

Por que esta empresa quer investir R$ 2,4 bilhões em hidrogênio verde no Brasil

Redução de produtos químicos leva a recuperação gradual da camada de ozônio