Microsoft considera investir até US$ 10 bilhões no chatbot ChatGPT, da OpenAI

Pela proposta, a gigante de software com sede em Redmond, que já havia investido US$ 1 bi na OpenAI, desembolsaria esse valor adicional em vários anos

A OpenAI já está trabalhando em um modelo sucessor, o GPT-4, para o processamento de sua linguagem natural
Por Dina Bass
10 de Janeiro, 2023 | 06:32 AM

Leia esta notícia em

Espanhol

Bloomberg — A Microsoft (MSFT) avalia investir até US$ 10 bilhões na OpenAI, criadora do ChatGPT, o chatbot de inteligência artificial que se tornou viral, segundo pessoas a par dos planos.

Pela proposta que está sobre a mesa, a gigante de software com sede em Redmond desembolsaria esse montante em vários anos, embora os termos finais possam mudar, disseram essas fontes, que pediram anonimato. As duas empresas vêm discutindo o acordo há meses, acrescentaram.

O site de notícias Semafor informou anteriormente, citando pessoas familiarizadas com as conversas, que o investimento potencial envolveria outras empresas de capital de risco - os famosos fundos de VC - e poderia levar a avaliação do OpenAI à marca dos US$ 29 bilhões. Os documentos enviados aos investidores teriam como objetivo o final de 2022 para o fechamento de um acordo.

Os representantes da Microsoft e da OpenAI se recusaram a comentar o tema.

PUBLICIDADE

O ChatGPT tem causado comoção na internet desde o seu lançamento, no fim de novembro, reunindo seus primeiros milhões de usuários em menos de uma semana.

Sua imitação de conversa humana provocou especulações sobre seu potencial para suplantar os escritores profissionais e até mesmo ameaçar o núcleo de negócios de busca do Google.

A organização por trás dela, co-fundada por Elon Musk e pelo investidor do Vale do Silício Sam Altman, ganha dinheiro cobrando dos desenvolvedores para licenciar sua tecnologia.

PUBLICIDADE

A nova tecnologia é construída sobre o modelo de linguagem GPT-3 da OpenAI e chega ao final de um ano de avanços de vanguarda em matéria de inteligência artificial. O modelo de geração de imagens Dall-E da empresa - que cria arte e outras imagens através de relatos por escrito - também deu origem a um amplo debate sobre a infusão da IA em indústrias criativas.

A OpenAI já está trabalhando em um modelo sucessor, o GPT-4, para o processamento de sua linguagem natural.

A Microsoft já havia investido cerca de US$ 1 bilhão na OpenAI em 2019.

Também está trabalhando para adicionar o ChatGPT ao seu mecanismo de busca Bing, buscando uma vantagem sobre a oferta de busca dominante da Alphabet, holding do Google. O bot é capaz de responder a perguntas de maneira natural e humana, mantendo uma conversa e respondendo a perguntas subsequentes, diferentemente do conjunto básico de links da pesquisa do Google.

Ainda assim, a preocupação com sua precisão - que o próprio Altman disse ainda não ser boa o suficiente para que o bot seja confiável - gerou cautela sobre seu suposto uso prematuro, e as escolas da cidade de Nova York proibiram seus alunos de acessar o ChatGPT neste momento.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

ChatGPT: O seu trabalho está ameaçado pela inteligência artificial?