Bill Gates promete doar US$ 1,2 bilhão para combater a paralisia infantil

É maior doação já feita pela Fundação Bill e Melinda Gates para erradicar a poliomielite, que voltou a provocar surtos na África e chegou aos Estados Unidos

Doação de US$ 1,2 bilhão para ações de combate e prevenção à paralisia infantil
Por Jason Gale
16 de Outubro, 2022 | 05:25 PM

Bloomberg — Segundo Bill Gates, a poliomielite chegou muito perto de ser erradicada na primavera, até que novos surtos foram detectados na África e um homem ficou paralisado em Nova York. Agora, a fundação filantrópica do bilionário, uma das pessoas mais ricas do mundo, está prometendo US$ 1,2 bilhão para completar a missão.

A Fundação Bill e Melinda Gates anunciou seu maior compromisso financeiro até agora com a Iniciativa Global de Erradicação da Pólio, em Berlim no domingo (17). O dinheiro ajudará a cobrir um déficit de financiamento que, juntamente com as inundações no Paquistão, a guerra na Ucrânia e a pandemia de covid-19, frustraram um esforço de 35 anos para livrar o mundo da doença.

“Cerca de seis meses atrás foi o mais próximo que já estivemos [da erradicação]”, disse Bill Gates em entrevista na quinta-feira (13). Por mais de uma década, eliminar a paralisia infantil tem sido a principal prioridade da fundação que ele preside com a ex-mulher Melinda French Gates. A organização sem fins lucrativos com sede em Seattle, com uma dotação de cerca de US$ 70 bilhões, doou quase US$ 5 bilhões diretamente para a causa.

“Estamos muito comprometidos”, disse Gates, 66 anos. “Não posso dizer para sempre, mas desistir significaria que centenas de milhares de crianças ficariam paralisadas.”

PUBLICIDADE

Desde que a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou a disseminação internacional do poliovírus selvagem uma emergência de saúde global, em 2014, os casos em todo o mundo caíram de 359 para apenas 29 em 2022. No mesmo período, os casos ligados a uma cepa mutante derivada da vacina oral contra a poliomielite aumentaram de 56 para 398 depois que a pandemia forçou uma pausa de quatro meses nas campanhas de imunização e vigilância de doenças em 2020.

A atual estratégia de cinco anos do programa de erradicação precisa de US$ 4,8 bilhões para atingir 370 milhões de crianças anualmente com vacinas contra a poliomielite e outros serviços essenciais de saúde até 2026. Na semana passada - antes da última promessa de Gates - havia indicações de apenas US$ 2,2 bilhões em apoio, depois que o Reino Unido e a Noruega, doadores historicamente importantes, cortaram suas contribuições planejadas. Gates disse que espera que a diferença seja reduzida quando a Alemanha co-sediar um evento de doadores na Cúpula Mundial da Saúde na terça-feira (18).

Estamos um pouco decepcionados que alguns dos outros doadores não sejam tão generosos quanto o foram historicamente”, disse Gates. “Há tantas distrações agora, é mais desafiador do que você imagina, dado o valor de fazer essa erradicação.”

PUBLICIDADE

O governo do Reino Unido já havia feito promessas ao programa de combate à paralisia infantil, antes de reduzir seus gastos com ajuda de 0,7% para 0,5% da renda bruta nacional, em 2021. “Algumas coisas eles priorizaram e outras, não”, disse Gates. “Mas isso parece bastante urgente. É irônico que agora tenhamos alguns poliovírus em amostras ambientais, não apenas em Londres, mas também na cidade de Nova York.”

Erradicação de Doenças

A varíola continua sendo a única doença humana erradicada até agora. Os líderes mundiais de saúde atacaram a paralisia infantil em 1988, esperando completar a tarefa em 12 anos, o mesmo tempo que levou para vencer a varíola. Acabar com a pólio, no entanto, se provou ser um objetivo mais complicado.

Quase US$ 19 bilhões em apoio financeiro e esforços para vacinar centenas de milhões de crianças reduziram os casos de pólio em 99,9%. Isso tornou o Paquistão e o Afeganistão nos dois únicos países em que o antigo inimigo nunca foi parado. A partir de lá, o poliovírus selvagem se espalhou de volta para o sudeste da África.

Em maio, levou ao primeiro surto em Moçambique em 30 anos, desencadeando três campanhas nacionais de vacinação destinadas a mais de 4,5 milhões de crianças.

“Enquanto esses vírus existirem em qualquer lugar do mundo, o mundo inteiro está em risco”, disse Carol Pandak, diretora do programa Pólio Plus do Rotary International em Chicago, cujos membros lançaram uma campanha de imunização nas Filipinas em 1979 que ajudou a inspirar o Iniciativa Global de Erradicação da Pólio nove anos depois. “É do nosso próprio interesse levar isso até o fim, remover esse risco para todas as populações.”

Gates está se concentrando no Paquistão, onde a erradicação se tornou “super próxima”, com apenas uma cepa circulando em uma área do Waziristão, uma região montanhosa na fronteira com o Afeganistão. Nos últimos meses, inundações inundaram um terço do país, deslocando milhões de pessoas e aumentando a disseminação do poliovírus.

“Infelizmente, isso agora floresceu e se espalhou para outras partes do país”, disse Gates. “E com as inundações, é provável que apareça de forma razoavelmente ampla em todo o Paquistão.”

PUBLICIDADE

As vacinações devem ser retomadas no Waziristão no mês que vem, depois que os graves desafios impostos pelas enchentes forem superados, disse ele.

Trato gastrointestinal

A paralisia infantil, conhecida clinicamente como poliomielite, é uma doença altamente infecciosa causada por um dos três tipos de poliovírus que se replicam no trato gastrointestinal humano. As pessoas infectadas eliminam o vírus nas fezes, permitindo que ele se espalhe facilmente em áreas sem boas condições de saneamento e higiene. É difícil erradicar porque menos de uma em cada cem pessoas que o pegam mostra sinais de doença ou estão cientes da infecção, permitindo que transmitam silenciosamente o vírus para outras pessoas.

A varíola, em comparação, é facilmente identificada pela característica erupção vermelha que causa, acelerando a identificação de surtos e o início de programas de vacinação em resposta. A vacina à base de varíola bovina usada contra a varíola protegeu quase todos após uma única inoculação, enquanto a vacina oral contra a poliomielite - usada em cerca de 150 países em 2016 - são necessárias três ou mais doses para proteger totalmente 85% das crianças.

Essa vacina, desenvolvida por Albert Sabin, usa uma forma viva e atenuada do poliovírus. Se o vírus enfraquecido for transmitido de pessoa para pessoa por um período prolongado em uma comunidade pouco vacinada, ele pode sofrer alterações genéticas que o transformam novamente na forma causadora de paralisia. Tal tensão causou poliomielite em um homem não vacinado do condado de Rockland, em Nova York, em junho.

PUBLICIDADE

A maioria dos casos em todo o mundo é causada por um derivado da vacina oral para o poliovírus tipo 2. A Fundação Gates ajudou a financiar o desenvolvimento de uma versão mais recente que não pode voltar à sua forma patogênica.

A OMS autorizou o uso emergencial da nova vacina há quase dois anos. Desde então, quase 500 milhões de doses foram administradas em 25 países, disse Hamid Jafari, diretor de erradicação da pólio em Amã para a região do Mediterrâneo Oriental da OMS. Ele oferece a melhor arma para interromper os casos derivados da vacina e acabar com a transmissão da pólio até o final do próximo ano, disse ele.

“Estamos no caminho de acabar com toda a pólio até o final de 2023″, disse Jafari em entrevista. “A falta de financiamento seria muito trágica.”

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também:

Por que o FMI pediu que bancos centrais da América Latina evitem cortes de juros antecipados

A história do ‘visionário’ de caminhões elétricos condenado por fraude