Bancos indicam rotação de carteira com pico da Selic e IPCA

O novo movimento favorece varejistas e fintechs; até então, a preferência era por commodities, que dispararam nos primeiros meses do ano

Itaú, Morgan Stanley e Bank of America passaram a recomendar a rotação de carteiras, apostando em ações ligadas à economia doméstica
Por Barbara Nascimento
08 de Agosto, 2022 | 05:08 PM

Bloomberg — O desenho de um novo cenário macroeconômico, com a Selic e a inflação perto do pico, provocou uma rodada de mudanças por parte de grandes bancos em relação às estratégias de renda variável. Itaú (ITUB4), Morgan Stanley (MS) e Bank of America (BAC) passaram a recomendar a rotação de carteiras, com apostas em ações ligadas à economia doméstica e menor peso em commodities.

De forma geral, o movimento favorece varejistas e fintechs, segundo relatórios divulgados pelas casas. Até então, a preferência estava mais voltada para as commodities, que dispararam nos primeiros meses do ano em razão da invasão da Ucrânia pela Rússia.

O Morgan Stanley diz que o prêmio em Petrobras (PETR3;PETR4) e Vale (VALE3) no segundo trimestre agora “desapareceu” e aponta uma inclinação para “ações sensíveis a taxas de juros orientadas para o mercado doméstico”, citando a tendência de que haja um ciclo de flexibilização monetária em 2023.

Na semana passada, o Itaú BBA atualizou as indicações para a carteira seguindo a mesma linha. Para o banco, as companhias voltadas à economia doméstica tendem a mostrar melhor desempenho quando o mercado tiver mais visibilidade sobre a perspectiva de queda dos juros e da desaceleração da inflação.

PUBLICIDADE

O banco optou por retirar Totvs (TOTS3) e Suzano (SUZB3) da carteira sugerida, segundo relatório de 3 de agosto. No lugar, colocou Assaí (ASAI3) e MRV (MRVE3). No caso da construtora voltada à baixa renda, o Itaú aponta que a inflação de mão de obra, com o mercado de trabalho tomando tração, é mais presente em empresas focadas em alta e média renda.

JGP e Genoa dizem que aperto do BC provavelmente acabou

Na carta mensal de agosto, a Santander Asset diz que já começou um movimento de redução de alocação de mineradoras em julho, aumentando, em contrapartida, as posições nos setores de consumo doméstico e energia elétrica.

Setor financeiro

No setor financeiro, o BofA pondera que os investidores já começaram a última temporada de balanços interessados mais em “evidências de uma inflexão do ciclo de juros, do que uma evolução dos resultados bimestrais”. O banco cita como ações que podem ganhar nesse processo B3 (B3SA3), XP (XP) Stone (STNE), PagSeguro, Inter (BIDI3; BIDI4; BIDI11) e Nubank (NU).

“Notamos que ações de crescimento no setor financeiro estão sendo negociadas com grandes descontos em relação à avaliação média, enquanto suas capitalizações de mercado estão abaixo dos níveis recentes de oferta pública inicial”, aponta o BofA em relatório de 4 de agosto.

No mesmo dia, o Itaú publicou que os investidores estão hoje em grandes bancos, mas fintechs se tornaram mais interessantes, citando PagSeguro e Banco Inter, além de B3 e BTG na lista de possibilidades, mas não ainda Nubank. “Por enquanto, sugerimos histórias de longa duração que também produzem retornos de curto prazo. Isso deixa Nubank fora da nossa lista, por agora”, aponta o banco.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

BTG/FSB: vantagem de Lula sobre Bolsonaro cai de 13 para 7 pontos