Cripto

BlackRock se une à Coinbase para expansão do mercado de criptomoedas

Principais clientes poderão usar o sistema de gerenciamento de investimentos Aladdin da BlackRock para supervisionar sua exposição ao Bitcoin junto a outros ativos do portfólio

Investidores institucionais responderam por cerca de três quartos do volume de negócios de US$ 309 bilhões na Coinbase no 1º trimestre
Por Silla Brush
04 de Agosto, 2022 | 11:07 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — A BlackRock fechou uma parceria com a Coinbase para facilitar que os investidores institucionais gerenciem e negociem Bitcoin, um grande passo em direção às criptomoedas para a maior gestora de ativos do mundo.

Os principais clientes da BlackRock poderão usar o sistema de gerenciamento de investimentos Aladdin para supervisionar sua exposição ao Bitcoin junto a outros ativos do portfólio, como ações e títulos, e facilitar o financiamento e a negociação na bolsa da Coinbase, de acordo com um comunicado nesta quinta-feira (4). O foco da parceria com a maior plataforma de negociação de criptomoedas dos Estados Unidos “será inicialmente no Bitcoin”, disse a BlackRock.

A medida ressalta como os players financeiros tradicionais de Wall Street estão expandindo mais profundamente suas investidas em criptomoedas e tecnologias relacionadas, mesmo após o colapso deste ano. O Bitcoin perdeu cerca de metade de seu valor em 2022, enquanto o colapso do ecossistema Terra e da Three Arrows Capital levantaram questões sobre a resiliência do mercado.

A Coinbase está enfrentando uma investigação da Comissão de Valores Mobiliários dos EUA, a SEC, sobre se a empresa permitiu que os americanos negociassem ativos digitais que deveriam ter sido registrados como títulos. A BlackRock escolheu fazer parceria com a Coinbase devido a sua escala no mercado e papel no fornecimento de serviços de negociação, custódia, corretagem principal e recursos de relatórios. Os serviços estarão disponíveis para clientes de ambas as empresas.

PUBLICIDADE

“Nossos clientes institucionais estão cada vez mais interessados em ganhar exposição aos mercados de ativos digitais e estão focados em como gerenciar com eficiência o ciclo de vida operacional desses ativos”, disse Joseph Chalom, chefe global de parcerias estratégicas de ecossistemas da BlackRock, em comunicado.

Os investidores institucionais responderam por cerca de três quartos do volume de negócios de US$ 309 bilhões na Coinbase no primeiro trimestre, divulgou a empresa em maio. Os clientes da Coinbase incluem fundos de hedge, tesourarias corporativas e gestores de ativos.

“A parceria Coinbase entre BlackRock e Aladdin é um marco emocionante para nossa empresa”, disseram Brett Tejpaul, chefe da Coinbase Institutional, e Greg Tusar, vice-presidente de produtos institucionais, em comunicado separado. “Estamos comprometidos em impulsionar o setor e criar pontos de acesso à medida que a adoção de criptomoedas institucionais continua a acelerar rapidamente.”

Para a BlackRock, a parceria é o próximo passo em uma estratégia mais ampla de expansão para ativos digitais. O CEO Larry Fink disse em março que a empresa estava estudando a crescente importância dos ativos digitais e stablecoins e como eles podem ser usados para ajudar os clientes. No mês seguinte, a empresa se juntou a um grupo de investidores da Circle Internet Financial, emissora da USD Coin, e disse que buscaria atuar como gerente principal das reservas de caixa da stablecoin.

PUBLICIDADE

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Banco da Inglaterra faz maior alta de juros desde 1995 e prevê longa recessão

PUBLICIDADE