Cripto

Bitcoin cai pelo terceiro dia seguido com cautela por China e EUA

Maior criptomoeda do mundo caía seguindo a maior aversão ao risco antes da visita da presidente da Câmara dos EUA, Nancy Pelosi, a Taiwan

O maior token digital caía 1,6%, para US$ 22.769 perto das 7h50. O Ether recuava 3,7%, enquanto moedas menores, variando de Polkadot a Cardano, também estavam no vermelho.
Por Joana Ossinger
02 de Agosto, 2022 | 07:57 am
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Um surto de nervosismo nos mercados globais devido ao aprofundamento da tensão entre os Estados Unidos e a China pesava sobre as criptomoedas nesta terça-feira (2), empurrando o Bitcoin para baixo pelo terceiro dia seguido.

O maior token digital caía 1,6%, para US$ 22.769 perto das 7h50. O Ether recuava 3,7%, enquanto moedas menores, variando de Polkadot a Cardano, também estavam no vermelho.

China barra mais de 100 exportadores de Taiwan antes da visita de Pelosi

A presidente da Câmara dos EUA, Nancy Pelosi, deve desembarcar em Taiwan nesta terça, a representante política americana de mais alto escalão a visitar a ilha em 25 anos. A China vê Taiwan como seu território e alertou para consequências se a viagem acontecer. O risco de escalada levou os investidores a abandonar ações e futuros de ações dos EUA.

PUBLICIDADE

Antes das últimas oscilações, o Bitcoin chegou a US$ 25.000 no final de semana, a caminho de completar seu melhor ganho mensal desde outubro do ano passado. A subida encorajou a visão de que o pior para as criptomoedas deste ano - o Bitcoin caiu cerca de 51% - ficou para trás.

As apostas nos mercados de opções sugerem que os especuladores veem US$ 25.000 como teto para o Bitcoin e US$ 20.000 como piso.

Para Craig Erlam, analista de mercado sênior da Oanda, a recuperação do Bitcoin no mês passado teve “toda a sensação de uma recuperação do mercado de baixa, como podemos estar vendo nos mercados de ações”.

“Isso não significa que não terá mais chão”, escreveu ele em uma nota.

PUBLICIDADE

--Com a colaboração de Akshay Chinchalkar.

Leia também

Tensão China x EUA pesa sobre os mercados de renda variável