Internacional

Kremlin manterá aperto de gás na Europa, dizem fontes

Rússia está usando as interrupções no gasoduto Nord Stream para aumentar a pressão política sobre os líderes europeus

Alguns no Kremlin expressaram surpresa que o presidente Vladimir Putin não havia agido antes para cortar o fluxo de gás
Por Bloomberg News
26 de Julho, 2022 | 12:35 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — O Kremlin provavelmente manterá os fluxos vitais de gás para a Europa em níveis mínimos enquanto o impasse sobre a Ucrânia continuar, em um aumento da pressão sobre a União Europeia por sua postura dura em relação à invasão russa, segundo pessoas familiarizadas com o assunto.

Se o aperto se arrastar até o inverno, isso pode deixar o continente, tradicionalmente o maior mercado de exportação da Rússia, desesperadamente sem combustível.

Publicamente, a Rússia alega que problemas técnicos, como papelada e manutenção de turbinas, a forçaram a reduzir o fornecimento nas últimas semanas. Mas, na realidade, o Kremlin está usando as interrupções no gasoduto Nord Stream para aumentar a pressão política sobre os líderes europeus, a fim de que reconsiderarem as sanções que impuseram à Rússia e seu apoio a Kiev, disseram as pessoas, falando sob condição de anonimato para discutir deliberações internas.

O Kremlin e a Gazprom, a gigante estatal do gás, devem continuar encontrando razões para manter os fluxos limitados, impedindo que os clientes europeus acumulem os suprimentos necessários para atender à demanda no inverno. Autoridades da UE já estão alertando para grandes perturbações econômicas se os fluxos não forem retomados e pedindo aos consumidores que reduzam o uso do combustível.

PUBLICIDADE

A crise de abastecimento mostra a disposição do Kremlin de abrir mão de dezenas de bilhões de dólares em receitas de exportação para promover seus objetivos geopolíticos. A Gazprom analisou o possível impacto de um corte que duraria até o próximo ano, de acordo com uma pessoa familiarizada com a situação, e encontrou maneiras de limitar os danos financeiros graças ao aumento de preços e receitas até agora este ano.

Alguns no Kremlin expressaram surpresa que o presidente Vladimir Putin não havia agido antes para cortar o fluxo de gás devido à imposição da Europa de sanções abrangentes à Rússia e o fornecimento de armas à Ucrânia, disse uma das pessoas. A Rússia, disseram, está usando seu poderio energético como uma ferramenta política para retaliar na mesma moeda.

Nos últimos dias, o discurso oficial da Rússia endureceu.

O porta-voz do Kremlin Dmitry Peskov na segunda-feira (25) sugeriu que os problemas no Nord Stream estão ligados à imposição de sanções pela Europa contra a guerra, alertando que, embora a Rússia no momento “não esteja interessada” em cortar o gás neste inverno, “a situação pode mudar”.

PUBLICIDADE

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Desaceleração da China se espalha para economias exportadoras

Prévia da inflação tem menor patamar em 2 anos com alívio de combustíveis

PUBLICIDADE