Entenda por que a Amazon vai pagar US$ 3,9 bi por uma empresa de saúde

Big techs estão estreitando laços com esse segmento do mercado; One Medical, alvo do negócio, é uma empresa voltada para a a saúde primária

A transação da Amazon com a One Medical será paga em dinheiro e vai incluir a dívida líquida da adquirida
Por Matt Day - John Tozzi
21 de Julho, 2022 | 10:58 AM

Bloomberg — A Amazon (AMZN) anunciou nesta quinta-feira (21) que vai comprar a empresa de saúde primária One Medical por US$ 3,9 bilhões - US$ 18 por ação. É o mais recente movimento da gigante do e-commerce e da nuvem para entrar no crescente mercado de saúde.

O acordo com a One Medical será a terceira maior aquisição da Amazon, atrás apenas das compras da Whole Foods, de alimentos in natura, e do estúdio de cinema Metro-Goldwyn-Mayer.

As big techs estão estreitando laços com negócios em saúde. Na quarta-feira (20), a Apple (AAPL) publicou um relatório de quase 60 páginas descrevendo todos os seus recursos de saúde e parcerias com instituições médicas, dizendo que essas ofertas são fundamentais para o futuro da Apple.

A transação da Amazon e One Medical, cuja companhia principal se chama 1Life Healthcare, será realizada com pagamento em dinheiro e vai incluir a dívida líquida da empresa, disse a Amazon em comunicado na quinta-feira. O chamado equity value é de US$ 3,49 bilhões.

PUBLICIDADE

A One Medical é uma empresa de atenção primária que oferece consultas online e presenciais. Trata-se do contato inicial de pacientes com o atendimento médico, antes que eventuais doenças levem à necessidade de internação, cirurgias ou tratamentos longos, por exemplo.

A companhia opera 182 consultórios médicos em 25 mercados nos Estados Unidos. Os clientes pagam uma taxa de assinatura para acessar seus médicos e serviços de saúde digital 24 horas por dia.

“A saúde está no topo da lista de experiências que precisam de reinvenção”, disse Neil Lindsay, vice-presidente sênior que está à frente dos projetos de saúde da Amazon.

PUBLICIDADE

Nos últimos anos, a Amazon lançou uma farmácia on-line, após a aquisição da PillPack, e abriu uma clínica de atendimento primário para seus funcionários e algumas outras empresas, entre outras iniciativas.

Embora seja considerada uma das áreas menos lucrativas da medicina, a atenção primária vem atraindo investimentos de varejistas, seguradoras de saúde e redes de drogarias. As ações da CVS Health e da Walgreens, que estão oferecendo atendimento primário em suas lojas, caíram com a notícia da Amazon.

A Walgreens, que no ano passado pagou US$ 5,2 bilhões pelo controle da rede de clínicas VillageMD, caiu 3,1% na abertura do mercado em Nova York, enquanto a CVS perdeu cerca de 2,7%.

A conclusão da transação está sujeita às condições habituais de fechamento, incluindo a aprovação dos acionistas da One Medical e aprovação regulatória. O CEO Amir Dan Rubin continuará a administrar a One Medical.

Leia também:

Por que iFood e XP decidiram investir milhões neste projeto em tecnologia