Mercados

Ibovespa segue melhora do humor nos EUA e fecha em alta, mas cai na semana

After Hours: Apesar de positivo, o dia de ganhos na bolsa de São Paulo foi modesto em relação aos avanços dos índices americanos

After hours
15 de Julho, 2022 | 05:53 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg Línea — Dados nos Estados Unidos e falas de dirigentes do banco central americano ajudaram a melhorar o humor dos mercados. Com impulso dos avanços dos principais índices acionários dos EUA, o Ibovespa (IBOV) apagou as perdas vistas pela manhã e fechou a sessão em alta.

Papéis de bancos, como Itaú (ITUB4) e Bradesco (BBDC4), eram os maiores pesos positivos do índice, além de Petrobras (PETR4), em dia de recuperação do petróleo. A Vale (VALE3), que recuava mais cedo com mais uma queda do petróleo, passou a subir e também ajudou o índice.

Ainda assim, apesar do avanço na sessão, o Ibovespa fechou a sexta-feira com recuo semanal de 2,15%. Já o dólar, que oscilou ao longo do dia, recuava 0,40% já próximo do fechamento.

Lá fora, o fechamento foi de altas fortes, rondando os 2%. Novos dados que trouxeram um crescimento acima do estimado nas vendas do varejo dos Estados Unidos em junho. O indicador representa algum alívio de que a economia americana poderá evitar uma recessão nos próximos meses, embora essa previsão seja cada vez menos consensual.

PUBLICIDADE

Projeções de mercado indicavam um avanço de 0,9% nas vendas do comércio na maior economia do mundo em junho, mas o crescimento foi de 1%, impulsionado por gastos com gasolina e outros produtos.

Falas de dirigentes do Fed também ajudaram a estimular o apetite a risco no exterior. Raphael Bostic, do Fed de Atlanta, sinalizou que não defende aceleração do ritmo da alta de juros, enquanto James Bullard, de St. Louis, disse que doses de 0,75pp ou 1pp agora não faria “muita diferença”.

Confira como fecharam os mercados nesta sexta-feira (15):

Leia também:

Economistas agora veem chance de recessão nos EUA perto de 50%

Kariny Leal

Kariny Leal

Jornalista carioca, formada pela UFRJ, especializada em cobertura econômica e em tempo real, com passagens pela Bloomberg News e Forbes Brasil. Kariny cobre o mercado financeiro e a economia brasileira para a Bloomberg Línea.