Internacional

Avalanche nos Alpes mata sete pessoas em meio a temperaturas recordes

Pelo menos 26 pessoas foram atingidas por uma avalanche no domingo (3), quando um pedaço de geleira se soltou da geleira Marmolada

O colapso está sendo visto como uma das consequências do aquecimento global, já que as regiões da Itália sofreram a pior seca em 70 anos.
Por Sonia Sirletti e Chiara Albanese
04 de Julho, 2022 | 01:58 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Pelo menos sete pessoas morreram e 14 estão desaparecidas depois que um bloco de gelo glacial desabou nos Alpes da porção norte da Itália, em meio a temperaturas acima do normal.

Pelo menos 26 pessoas foram atingidas por uma avalanche no domingo (3), às 7h30. hora local, quando um pedaço de geleira se soltou da Marmolada, geleira do pico mais alto da cordilheira das Dolomitas.

Oito pessoas feridas foram levadas para hospitais na área, enquanto 18 pessoas foram resgatadas ilesas, de acordo com um relatório enviado pelo governo.

O desastre ocorreu um dia depois que uma temperatura recorde de 10º C foi registrada no cume da geleira. O colapso está sendo visto como uma das consequências do aquecimento global, já que as regiões da Itália sofreram a pior seca em 70 anos.

PUBLICIDADE

“O colapso da geleira Marmolada é um desastre natural ligado diretamente às mudanças climáticas”, disse Poul Christoffersen, professor de glaciologia da Universidade de Cambridge. “As geleiras de alta altitude, como a Marmolada, geralmente são íngremes e dependem de temperaturas frias abaixo de zero graus Celsius para mantê-las estáveis. Mas as mudanças climáticas significam cada vez mais água de degelo”.

Temperaturas escaldantes varreram partes da Europa, com muitas áreas na Itália registrando recordes de todos os tempos de calor em junho. Várias cidades ultrapassaram os 40 graus Celsius nas últimas semanas.

O primeiro-ministro Mario Draghi viajou para a área da avalanche na segunda-feira para verificar as atividades de resgate.

Esta é uma tragédia que “certamente depende da deterioração do meio ambiente e da situação climática”, disse Draghi junto a equipes de resgate e autoridades locais em Canazei, na região de Trentino, onde foi instalado um centro de operações de resgate. O governo deve refletir e tomar medidas para garantir que eventos semelhantes tenham “uma probabilidade muito baixa de acontecer ou até mesmo serem evitados”, disse ele.

PUBLICIDADE

--Com a colaboração de Flavia Rotondi

Leia também

As ações preferidas dos analistas em julho

Quem é Silvina Batakis, nova ministra da Economia da Argentina

PUBLICIDADE