Mercados

Petróleo caminha para primeira queda mensal desde 2021, de olho na Opep

Traders esperam reunião entre maiores produtores do mundo para conferir se produção irá contemplar a demanda pós=pandemia

Tuberías de gas
Por Alex Longley
30 de Junho, 2022 | 06:51 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Os preços do petróleo caminham para o primeiro declínio mensal desde novembro, enquanto ministros da Opep+, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo, se preparam para discutir a política de abastecimento do grupo.

Os futuros do West Texas Intermediate eram negociados perto de US$ 110 por barril perto das 6h45, horário de Brasília, desta quinta-feira (30), após fecharem em queda de quase 2% na quarta. Espera-se que a Opep+ confirme um aumento na oferta para agosto, mas o foco está se voltando rapidamente para quanto os membros do grupo com capacidade de produção ociosa irão bombear quando o acordo atual terminar.

O mercado de petróleo foi agitado por dois fatores conflitantes em junho. Por um lado, os temores crescentes sobre uma desaceleração econômica, à medida que os bancos centrais aumentam agressivamente as taxas de juros. Ainda assim, os barris físicos estão obtendo prêmios enormes à medida que os mercados de petróleo apertados lutam com interrupções da Líbia ao Equador.

A demanda por gasolina nos EUA está mostrando sinais de abrandamento apenas três semanas após o início da temporada de pico. Os números foram publicados um dia depois que dados econômicos mostraram que menos americanos estão planejando viagens de carro neste verão, à medida que os preços da gasolina disparam. A média móvel de quatro semanas de gasolina caiu abaixo de 9 milhões de barris por dia, ou cerca de 600.000 barris a menos do que os níveis sazonais típicos, de acordo com a Energy Information Administration.

PUBLICIDADE

Hoje, o foco estará na reunião da Opep+ “e depois principalmente em dois tópicos: capacidade ociosa e o futuro do grupo”, disse Hans Van Cleef, Economista Sênior de Energia do ABN Amro. “A decisão sobre os níveis de produção provavelmente não será surpresa e todos sabemos que este é apenas um aumento teórico na produção, pois na prática será menor.”

Preços do petróleo

  • WTI para entrega em agosto caía 0,1% para US$ 109,63 por barril; os futuros acumulam queda de 4,3% neste mês
  • O Brent para liquidação de agosto, que expira na quinta-feira, recuava para US$ 116,13 o barril

O petróleo ainda está em alta de cerca de 45% este ano, já que a recuperação econômica global coincidiu com os fluxos comerciais elevados da Rússia após a invasão da Ucrânia no final de fevereiro. Os estoques de petróleo dos EUA no principal centro de armazenamento de Cushing, Oklahoma, atingiram níveis criticamente baixos, pois as refinarias produzem o máximo de combustível possível, enquanto a atração por barris do exterior permanece forte.

O mundo está caminhando para um “período turbulento” à medida que o aperto no fornecimento de petróleo e gás natural liquefeito exacerba a crise global de energia, disse o presidente-executivo da Shell, Ben van Beurden, em Singapura na quarta-feira. “A capacidade ociosa é muito baixa, a demanda ainda está se recuperando”, disse ele.