Internacional

Casamento infantil aumenta na Etiópia em meio a maior seca em 40 anos

Meninas são forçadas a se casarem com homens mais velhos, e mutilação genital é “pré-requisito” para o casamento, diz Unicef

Casamentos infantis na Etiópia aumentam à medida que a seca empobrece as famílias
Por Antony Sguazzin
29 de Junho, 2022 | 02:07 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — A pior seca em 40 anos na Etiópia, a segunda nação mais populosa da África, começa a reverter décadas de progresso feito no combate ao casamento infantil e à mutilação genital feminina em áreas do país, de acordo com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

Nos primeiros quatro meses deste ano, os casamentos infantis quase triplicaram na província somali da Etiópia em comparação com o mesmo período do ano passado e, em média, mais que dobraram em três províncias, disse a Unicef em comunicado nesta quarta-feira (29), citando dados locais.

Famílias pobres estão trocando crianças do sexo feminino por dinheiro e porque “é uma boca a menos para alimentar a família”, disse Andy Brooks, conselheiro de proteção infantil da Unicef para a África, em uma entrevista. “Estas não são decisões que as famílias estão tomando de forma fácil.”

Meninas de até 12 anos são forçadas a se casar com homens cinco vezes mais velhos e há também um aumento na mutilação genital feminina, que ele Brooks diz ser um “pré-requisito” para o casamento.

PUBLICIDADE

Antes desta “virada” neste ano no número de casamentos infantis, 40% das meninas na região já se casavam com menos de 18 anos, em comparação com 70% há três décadas. A mudança também vem acompanhada da desistência de milhões de crianças da escola.

A seca severa se estende por vários países do continente africano, incluindo nações como Quênia e Somália, que têm sofrido sucessivamente com a falta de chuvas.

– Esta notícia foi traduzida por Melina Flynn, Content Producer da Bloomberg Línea.

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

Piratas cibernéticos são a mais nova ameaça a suprimentos globais

Amazônia abriga um terço das cidades mais violentas do Brasil

PUBLICIDADE