Mercados

Rússia dá primeiro calote internacional em mais de 100 anos

Período de carência de cerca de US$ 100 milhões em pagamentos de títulos - bloqueados por causa de amplas sanções - termina na noite deste domingo (26)

Rússia está a horas de seu primeiro default estrangeiro em um século
Por Giulia Morpurgo
26 de Junho, 2022 | 06:26 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — --Atualiza com mais informações -- 20h59

Após meses à beira do default, a Rússia vive um momento dramático na batalha financeira que os EUA e outros travaram contra o Kremlin pela invasão da Ucrânia.

Um período de carência de cerca de US$ 100 milhões em pagamentos de títulos - bloqueados por causa de amplas sanções - terminou na noite deste domingo (26). Não haverá uma declaração oficial, e a Rússia já está contestando a designação, mostram documentos.

É em grande parte um desenvolvimento simbólico por enquanto, dado que a Rússia já é um pária econômica, financeira e política na maior parte do mundo. Mas mostra como os EUA, a Europa e outros apertaram as condições desde que a invasão começou em fevereiro para tornar quase impossível para a Rússia conduzir o que de outra forma seria um negócio financeiro normal.

PUBLICIDADE

Para a Rússia, marca seu primeiro default estrangeiro desde o repúdio bolchevique às dívidas da era czarista em 1918. O país chegou muito perto de tal momento no início deste ano, mas conseguiu escapar de última hora mudando os métodos de pagamento. Essa via alternativa foi posteriormente fechada em maio - poucos dias antes do vencimento dos US$ 100 milhões - quando os EUA fecharam uma brecha nas sanções que permitia aos investidores americanos receber pagamentos de títulos soberanos.

Agora, a questão é o que acontece a seguir, pois os mercados se deparam com o cenário único de um devedor inadimplente que tem disposição e recursos para pagar, mas não pode.

As principais agências de classificação geralmente são as que emitem uma declaração de inadimplência, mas as sanções as impedem de entrar nos negócios russos. Os detentores de títulos podem se agrupar para fazer sua própria declaração, mas podem preferir esperar para monitorar a guerra na Ucrânia e o nível de sanções enquanto tentam descobrir a chance de recuperar seu dinheiro, ou pelo menos parte dele.

“Uma declaração de default é um evento simbólico”, disse Takahide Kiuchi, economista do Nomura Research Institute em Tóquio. “O governo russo já perdeu a oportunidade de emitir dívida em dólar. A partir de agora, a Rússia não pode emprestar da maioria dos países estrangeiros.”

PUBLICIDADE

Como as penalidades às autoridades, bancos e indivíduos russos têm cada vez mais interrompido as rotas de pagamento, a Rússia argumentou que cumpriu suas obrigações com os credores transferindo os pagamentos de maio para um agente pagador local, mesmo que os investidores não tenham os fundos em seu próprio país.

No início desta semana, fez outras transferências em rublos, apesar de os títulos em questão não permitirem essa opção de pagamento.

O ministro das Finanças, Anton Siluanov, citou “força maior” como justificativa para a troca de moeda, chamando a situação de “farsa”. O argumento legal de força maior historicamente não abrange sanções, de acordo com advogados que conversaram com a Bloomberg no início deste mês.

“Há todos os motivos para sugerir que, ao impedir artificialmente a Federação Russa de servir sua dívida soberana estrangeira, o objetivo é aplicar o rótulo de ‘inadimplência’”, disse Siluanov na quinta-feira. “Qualquer um pode declarar o que quiser e pode tentar aplicar esse rótulo. Mas quem entende a situação sabe que isso não é de forma alguma um padrão.”

--Com a colaboração de Libby Cherry

Leia também

Aqui está por que as ações ligadas a criptomoedas também são ativos de risco