Internacional

Cúpula do G-7 acontece em momento delicado para Biden e seus aliados

Solução para a guerra na Ucrânia e novas sanções contra a Rússia estarão na mesa durante a reunião do Grupo dos Sete da próxima semana

Líderes do G7 na Cornualha, Reino Unido, em junho de 2021. Fotógrafo: Leon Neal/WPA Pool/Getty Images
Por Jordan Fabian e Jenny Leonard
25 de Junho, 2022 | 11:40 am
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — O destino político do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, mudou drasticamente desde sua primeira participação na reunião do Grupo dos Sete, conjunto das maiores economias do mundo, em março. E também não poderia vir em pior hora para seus aliados internacionais, já que a Rússia se colocou em uma longa guerra com a Ucrânia.

O chanceler alemão Olaf Scholz, que receberá os líderes do G7 nos Alpes da Baviera, vê Biden como força motriz para manter a pressão sobre Moscou e acredita que a unidade entre os aliados pode ficar mais desorientada se os republicanos reconquistarem a Casa Blanca em 2024, disse um funcionário do governo alemão que pediu anonimato à Bloomberg News.

Foi há apenas um ano, em uma praia inglesa na Cornualha, que os líderes europeus comemoraram o apelo de Donald Trump para que os Estados Unidos voltassem a ter relações multilateral. Agora, esse alívio foi substituído por um sentimento sobre se os democratas de Biden sobreviverão às eleições de meio de mandato e à longevidade política do presidente.

E enquanto Biden se encaminha para as reuniões europeias neste sábado (25) – primeiro o G7 na Alemanha e depois uma cúpula da Otan na Espanha – seus problemas internos estão se multiplicando.

PUBLICIDADE

Sua presidência foi marcada, até agora, pela inflação e dois aumentos nos preços da gasolina. Na véspera de sua partida para a Europa, a Suprema Corte americana reverteu a histórica decisão Roe v. Wade e derrubou ou direito constitucional ao aborto. Na quinta-feira, os juízes deram a Biden outro revés, tornando mais fácil para os americanos portarem armas em público.

Ele enfrenta ainda a perspectiva de os republicanos assumirem ou controlarem uma ou ambas as casas do Congresso em novembro, em meio a especulações crescentes de que ele concorrerá à reeleição em 2024.

No cenário mundial, fica claro que quatro meses após o presidente russo Vladimir Putin ordenar a invasão da Ucrânia, ele não foi dissuadido pelas sanções internacionais e o conflito se transformou em uma guerra de desgaste.

Funcionários da Casa Branca expressaram confiança na posição de Biden antes das reuniões, dizendo que ele merece crédito por organizar a oposição global à invasão russa. Os Estados Unidos e seus aliados estão mais de acordo do que nunca em muitas questões, incluindo China, energia e cadeias de suprimentos, disse o porta-voz da Casa Branca, Andrew Bates.

PUBLICIDADE

“O presidente Biden prometeu revigorar a posição dos Estados Unidos no mundo com base em valores comuns, e ele cumpriu; este é um momento decisivo em que nossas alianças estão agora mais fortes do que nunca na era pós-Guerra Fria”, disse Bates por e-mail. A liderança do presidente tem sido fundamental para unificar o mundo na defesa da democracia e da liberdade contra a agressão e a brutalidade”.

Essa nova fase é um desafio para os Estados Unidos e seus aliados manterem a pressão e evitarem maiores danos às suas próprias economias.

Douglas Lute, que foi embaixador dos Estados Unidos na Otan durante o governo Obama, disse que será cada vez mais difícil fazer com que todos concordem sobre o que fazer pela Ucrânia.

A turbulência política doméstica nos EUA está na base do G7, onde os países europeus estão endossando uma proposta do país para uma mudança complicada em suas sanções ao petróleo russo. O presidente francês Emmanuel Macron, por sua vez, lançou a ideia de um acordo de paz que não “humilhasse” Moscou.

É difícil imaginar alguém pedindo à Ucrânia para fazer concessões territoriais, especialmente com a participação virtual do presidente Volodymyr Zelenskiy.

Leia também

Este é o patrimônio declarado por cada presidente da América Latina