PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Fundos contra risco cambial global brilham com alta volatilidade

Movimentos imprevisíveis geram desempenho descomunal para fundos que usam estratégias de proteção contra oscilações cambiais

dinero
Por Emily Graffeo
22 de Junho, 2022 | 06:35 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — As oscilações bruscas que correm pelos mercados de moedas globais transformaram um grupo obscuro de fundos negociados em bolsa nos Estados Unidos em um baluarte contra o baque das quedas de ações em todo o mundo.

PUBLICIDADE

Os ETFs com proteção cambial passaram relativamente despercebidos nos últimos meses, com poucos fluxos para fundos administrados por gestoras como a BlackRock (BLK), mesmo quando a crescente diferença entre juros em todo o mundo desencadeou um dos maiores aumentos na volatilidade de taxas de câmbio das últimas décadas.

No entanto, os movimentos imprevisíveis estão proporcionando um desempenho descomunal para fundos que usam estratégias de hedge para se proteger contra oscilações cambiais. A tática amenizou o golpe da alta do dólar, que corta o valor dos investimentos no exterior.

PUBLICIDADE

Quase todos os ETFs com hedge cambial tiveram desempenho superior ao de seus homólogos sem hedge, já que o dólar subiu cerca de 10% no ano passado contra as principais moedas, de acordo com dados compilados pela Bloomberg Intelligence. No entanto, os fluxos para esses fundos têm sido pequenos, em cerca de US$ 150 milhões este ano, contra cerca de US$ 44 bilhões que fluíram para fundos de ações internacionais em geral.

Entre esses fundos de proteção cambial está o iShares Currency Hedged MSCI Japan ETF da BlackRock, que perdeu cerca de 7% este ano e registrou cerca de US$ 183 milhões em saídas. Em comparação, os investidores retiraram apenas US$ 44 milhões de sua contraparte sem hedge, embora tenha perdido três vezes mais enquanto o iene caiu para o valor mais fraco em relação ao dólar americano desde 1998.

PUBLICIDADE

“Muitas pessoas estavam pensando que o dólar iria enfraquecer”, disse Jeremy Schwartz, diretor global de investimentos da WisdomTree Asset Management, o primeiro emissor a lançar ETFs com proteção cambial. “Por causa da força do nosso movimento de taxa de juros, ele pegou as pessoas de surpresa.”

Os retornos divergentes entre os ETFs refletem a volatilidade nos mercados de câmbio este ano, à medida que os bancos centrais recuam na enxurrada de estímulos injetados no sistema financeiro durante as profundezas da pandemia.

PUBLICIDADE

Com o Fed se movendo mais agressivamente do que seus pares no Reino Unido, União Europeia e Japão, um indicador da força do dólar ganhou mais de 7% este ano, a maior alta desde 2015, mesmo depois de recuar de suas máximas na semana passada. O dólar subiu ainda mais em relação à libra esterlina e ao iene.

PUBLICIDADE

Veja mais em bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

Mercado de ações americano se prepara para longo período de baixa