Negócios

Samarco critica plano proposto pelos detentores de títulos

Plano prevê troca de parte dos créditos de R$ 25 bilhões dos detentores de títulos por papéis de dívida ‘com juros altíssimos’, segundo empresa

Para a Samarco, o plano apresentado pelos sindicatos é mais alinhado às premissas financeiras e ao seu plano de negócios.
Por Cristiane Lucchesi
20 de Junho, 2022 | 12:10 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Em petição entregue à Justiça na sexta-feira, a Samarco disse que o plano apresentado pelos detentores de seus títulos de dívida externa em maio demonstra “total falta de compromisso com a efetiva superação da crise” que levou a empresa a pedir recuperação judicial.

O plano trata de forma desigual credores de mesma classe, o que vai contra a lei, disse a Samarco, ao prever que os acionistas - Vale (VALE3) e BHP - receberiam apenas 3,2% dos seus créditos, enquanto os credores receberiam 119%.

O plano prevê troca de parte dos créditos de R$ 25 bilhões dos detentores de títulos por papéis de dívida “com juros altíssimos”, de 10,5% ao ano em dólar, a serem pagos já a partir de 2024, o que não seria possível pelo fluxo de caixa da Samarco, disse a empresa.

O plano desconsidera ainda US$ 2,6 bilhões em impostos que a Samarco teria de pagar com o desconto de 96% nos créditos de R$ 24 bilhões dos acionistas e sobre os juros remetidos ao exterior, disse. Com somente 38% dos créditos, os detentores de títulos da dívida assumiriam o controle da empresa, o que não faz sentido, segundo a Samarco.

PUBLICIDADE

Para a Samarco, o plano apresentado pelos sindicatos é mais alinhado às premissas financeiras e ao seu plano de negócios.

Uma audiência de conciliação entre a Samarco e os credores está prevista para acontecer na terça-feira.

Esta é a primeira vez que credores apresentam um plano de reestruturação de uma empresa no Brasil, possibilidade permitida pela nova lei de falências, depois que um plano apresentado pela empresa foi rejeitado.

A Samarco listou cerca de R$ 50 bilhões em dívidas inadimplentes em seu pedido de recuperação judicial feito em abril de 2021. A empresa ficou impossibilitada de pagar suas dívidas após o rompimento de sua barragem de rejeitos em 2015, que matou 19 pessoas e quase destruiu dois vilarejos em Mariana, Minas Gerais. Após o acidente, a Samarco interrompeu a produção e demorou até dezembro de 2020 antes de poder reiniciá-la parcialmente.

PUBLICIDADE

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Quem é Francia Márquez, a primeira mulher negra na vice-presidência da Colômbia