PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Ações na Ásia apontam para recuperação enquanto dólar recua

Contratos no Japão, Austrália e Hong Kong subiam, com melhor sentimento após a semana passada marcar a pior queda desde março de 2020

Investidores continuam monitorando os surtos de covid na China e os esforços do país para sustentar o crescimento econômico
Por Andreea Papuc
20 de Junho, 2022 | 08:18 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — As ações na Ásia podem se estabilizar na terça-feira, com os futuros americanos apontando para cima e um indicador do dólar recuando.

Os contratos no Japão, Austrália e Hong Kong subiam, sinalizando melhor sentimento após a semana passada marcar a pior queda nas ações globais desde março de 2020.

A negociação de títulos do Tesouro será retomada mais tarde em Tóquio, após um feriado nos Estados Unidos na segunda-feira. Uma maior volatilidade nos títulos, sob a intenção do Federal Reserve de aumentar as taxas de juros para domar a inflação, pode abalar os mercados globais novamente.

Investidores continuam monitorando os surtos de covid na China e os esforços do país para sustentar o crescimento econômico. O iene permanece em torno das mínimas em 24 anos em relação ao dólar, prejudicado pelo contraste entre um Banco do Japão dovish e um Fed hawkish.

PUBLICIDADE

Nas commodities, o petróleo subiu, enquanto os preços de metais como o cobre estão sendo atingidos por preocupações com as perspectivas de demanda em meio ao enfraquecimento do crescimento global.

O presidente do Fed de St. Louis, James Bullard, alertou que as expectativas de inflação dos EUA podem “desanimar sem uma ação credível do Fed”, enquanto o ex-secretário do Tesouro Lawrence Summers argumentou que a taxa de desemprego do país precisaria subir acima de 5% por um período sustentado para conter a pressão sobre os preços. Os comentários sublinham o cenário deplorável que os investidores enfrentam.

“Agora esperamos que os bancos centrais ocidentais apertem significativamente a política monetária em ‘território restritivo’”, escreveu Carol Kong, estrategista de câmbio do Commonwealth Bank of Australia, em nota.

“Como resultado, esperamos que a economia global desacelere significativamente em 2023. Esperamos que algumas economias entrem em recessões, o que significa que o aperto da política do banco central dará lugar à flexibilização da política no final de 2023 ou início de 2024″, disse ela.

PUBLICIDADE

Mais cedo, a presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, reafirmou a intenção das autoridades de aumentar as taxas de juros em julho e setembro, sinalizando que as preocupações com as tensões no mercado financeiro não estão atrapalhando a luta contra a inflação.

Enquanto isso, o bitcoin (BTUSD) manteve-se acima de US$ 20.000 após um período turbulento para criptomoedas.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Estresse de ações americanas deve perder força, diz JPMorgan